FOTO: REPRODUçãO

Por: Davi Garcia

Hell on Wheels: O Velho Oeste Infernal

Por Davi Garcia

É inevitável comparar Hell on Wheels, nova série épica do AMC (o mesmo de Breaking Bad, Mad Men e The Walking Dead) que estreou nos EUA no dia 6/11, com a aclamada Deadwood da HBO, afinal, ambas exploram praticamente o mesmo período histórico, além, é claro, de serem ambientadas num cenário bastante parecido. A comparação no entanto, julgando pelo Piloto da série, acaba aí, uma vez que a abrangência temática de Deadwood ainda encontra-se em outro patamar de qualidade e, sobretudo, de execução. Ressalva à parte, não é exagero elogiar o esforço que Hell on Wheels faz para introduzir seus temas ao mesmo tempo em que parece querer dizer que ela lembra Deadwood, mas tem (ou terá) identidade própria.

Contando com uma abertura impactante que mostra o personagem principal (Culen Bohannan) matando um homem dentro de uma igreja durante uma confissão, o Piloto de Hell on Wheels introduz a história de um ex-combatente confederado que, seguindo a trilha de soldados da União no pós guerra civil dos EUA, busca vingança contra os responsáveis pelo assassinato de sua esposa. No processo, Bohannan (que pelo visual parece uma mistura de John Marston do game Red Dead Redemption com o Sawyer de LOST) acaba indo parar em Hell on Wheels, o canteiro de obras da primeira ferrovia transcontinental daquele país onde conflitos políticos (e a corrupção que vem com eles), religiosos e sociais (através do retrato da exploração feita com negros e imigrantes) eclodem de forma avassaladora.

Bem produzida e tecnicamente esmerada (destaque para a fotografia em tom sépia que ajuda a capturar nossa atenção para o aspecto épico da história), Hell on Wheels, contudo, derrapa no Piloto ao não abrir mão de esteriótipos (como o do indígena tratado como vilão, por exemplo) e ao apresentar tramas ainda desconexas de forma apressada. Apesar disso, a série compensa a escorregada com personagens suficientemente intrigantes e imorais (em maior ou menor escala) o bastante – como o empresário picareta feito por Colm Meaney -, para nos deixar curiosos. Além disso, ao investir em diálogos cools como aquele em que Bohannan diz que o único poder superior que acredita é o da arma que carrega na cintura e numa narração em off bem-vinda ao final do episódio falando da brutalidade do negócio da construção de ferrovias, a série conseguiu, em seu Piloto, criar uma contextualização interessante o bastante para despertar em mim o desejo de conferir o que virá pela frente.

Mas, e você? Já conferiu o Piloto de Hell on Wheels, pretende fazê-lo em breve ou passa longe de produções épicas como essa?

14 respostas para “Hell on Wheels: O Velho Oeste Infernal”

  1. OzzyCrazy disse:

    Foi um episódio corrido.
    Apesar da correria, foi legal.

  2. @ian_hg disse:

    Estou ancioso para ver este piloto , mas uma pergunta DEadwood foi cancelada ??porque me interessei em assistir a serie mas vi que tinha somente 2 temporadas … se a serie tiver um final irei assistir …

  3. Mgvieira disse:

    Boa noite!

    Gostei bastante do primeiro episodio, acho que pode ter futuro. Ta ficando dificil de acompanhar todas as séries de que gosto hehehe.

    Por favor, fale mais sobre Deadwood. Talvez uma pequena série de post com séries mais antigas. ;)

    Falow..

  4. leoff disse:

    Deadwood teve três temporadas e foi cancelada.

  5. Lucas Rodrigues disse:

    Vou acompanhar, fiquei interessado na história do piloto.

  6. RIcardimVentura disse:

    Obrigado pelo review… ele deu uma otima pincelada no enredo da série… e pelo que li é o que eu estou procurando…

    Muito obrigado

    Uma braço DAVI!

  7. shaolin01 disse:

    Terminei de assistir a série ontem,gosto muito de filmes Western e relacionados,e essa série tem que continuar…Ela terá continuidade? Quando será a 2a temporada?

  8. Igor disse:

    Agora que já até acabou a 1ª temporada é facil falar, mas, o estereótipo dos índios, foi quebrado logo em seguida, mostrando o lado deles tbm! A Série é fenomenal, principalmente por mostrar os conflitos sociais daquela época tão bem!!! Realmente, sou um fã, e já estou ansioso pela 2ª temporada!

  9. João disse:

    Muito boa!!

  10. Patrick disse:

    eu to acompanhando a seria, gostei muito to ansioso pra o retorno dele

  11. Erik disse:

    A série sofre o mesmo mal que Walking Dead, em alguns capítulos simplesmente não acontece nada. Os personagens e a trama patinam e não saem do mesmo lugar em que o episódio começou, a vantagem é que Hell on Wheels possui 25 minutos, contra os 45 em média de Walking Dead. Fora isto é boa, exceto pelo péssimo hábito das séries (e flimes) atuais de sempre “passarem uma mensagem” e se esforçarem em ser politicamente corretos, colocando alguns personagens anacrônicos como Lily Bell, embora seja uma interessante está obviamente uns 100 anos adiantada no contexto social, e Elam Fergusson, este último por sinal, é o personagem mais insosso e deslocado da série. Também há outros personagens inúteis na trama como os irmãos irlandeses. Espero (em vão) que corrijam isto na segunda temporada. Apesar disto está bem acima da média das atuais séries americanas e a fotografia é de longe a melhor já produzida em termos de séries.

  12. JOÃO DOMINGOS disse:

    Comecei assistir a série gostei. Não conheço a outra série comentada DEADWOOD, mas se for tão boa quanto os quadrinhos italianos BONELLIANOS como : ZAGOR, MAGICO VENTO, KEN PARKER E TEX. estará ótima.

  13. JOÃO DOMINGOS disse:

    JOÃO DOMINGOS :
    Comecei assistir a série. Gostei. Não conheço a outra série comentada DEADWOOD, mas se for tão boa quanto os quadrinhos italianos BONELLIANOS como : ZAGOR, MAGICO VENTO, KEN PARKER E TEX. Estará ótima.

  14. JOÃO DOMINGOS disse:

    Comecei assistir a série. Gostei. Não conheço a outra série comentada DEADWOOD, mas se for tão boa quanto os quadrinhos italianos BONELLIANOS como : ZAGOR, MAGICO VENTO, KEN PARKER E TEX. Estará ótima.

Deixe uma resposta

ss