FOTO: REPRODUçãO

Por: Bruno Carvalho

Uma conversa franca sobre o retorno de Dexter

O drama do serial killer mais famoso da TV voltou mesmo com esse gás todo?

[com spoilers do episódio 7×01] Imediatamente após o final do episódio “Are you…?” a Internet começou a ser alimentada por comentários ressaltando que Dexter “voltou” à sua forma original. Mas este capítulo de estreia da suposta penúltima temporada da série não foi incrível, excelente ou surpreendente como pintaram. Foi mais um episódio medíocre da série, como ela ultimamente tem sido, mas com um final incrível, excelente e surpreendente. E antes que o leitor de ocasião ignore todo o resto deste texto e corra aos comentários para xingar, reforço que sou um grande fã de Dexter e entusiasta do personagem desde o início (poxa, até na casa do sujeito eu já fui). É exatamente por isso que é triste  constatar o que os roteiristas fizeram com o drama após a 4ª temporada. De lá pra cá deixou de ser um interessante relato em primeira pessoa sobre a vida de um assassino serial (além de um belo estudo de personagens) para entregar-se a um roteiro preguiçoso e há bastante tempo estagnado.

Note nesta premiére como, por exemplo, o protagonista vomita obviedades em sua narração,  explicando para o espectador tudo aquilo que uma produção minimamente mais inteligente (ou que ao menos respeitasse a inteligência de seu público) apenas sugeriria de forma sutil e comedida. Além disso, eles cuidam de logo introduzir um novo “caso da semana” – quase como que um procedural invertido – em vez de aprofundar nos dilemas e consequências da descoberta de Deb. Existe um texto mais indulgente do que aquele que coloca o “herói” para capturar, construir seu kill room, matar sua vítima e removê-la de dentro de um aeroporto dos EUA? Justo num dos locais mais bem vigiados do país – o de Miami – pós 11/9? Eu concordo que a nova dinâmica entre Dexter e Debra, com LaGuerta e o técnico forense geek à espreita, pode fazer com que Dexter recupere parte do que já foi um dia. Foi um final chocante, bem-vindo e (tardiamente) corajoso. Mas só. A série precisa – e muito – se redimir pelas duas últimas temporadas inteiras antes que possamos confiar nela novamente.

36 respostas para “Uma conversa franca sobre o retorno de Dexter”

  1. Ismael disse:

    Pois é, e acho difícil conseguirem.

    Porque tudo vai depender das reações da Debra. E ela nunca foi de deixar algo para lá.

    Torço para que consigam, mas acho difícil. É muito fácil não ficar condizendo com a personagem que a gente já conhece a tempo.

    O episódio todo foi assim, e o final, apesar do “susto”, já deixa preocupado para que a bobagem continue.

  2. Joaquim Basso disse:

    Concordo totalmente! Foi um episódio com um bom começo e um ótimo fim. Mas o que aconteceu entre essas duas partes beirou ao ridículo – coisa que nas primeiras temporadas jamais ocorreria. Cenas como a da Laguerta achando a lâmina de sangue e recolhendo sem luva nem nada – e depois pegando de volta – soaram forçadas, como todo o roteiro tem sido. A cena do aeroporto bateu o recorde de estupidez! Quase superou a cena final da temporada passada. Dexter, um assassino extremamente meticuloso, resolve entrar num aeroporto e matar o cara NA SALA DE BAGAGEM, onde em qualquer aeroporto tem intenso movimento! Só não foi pior do que voltar para a Igreja em que todo mundo sabia que ele tava (principalmente a irmã dele) para matar… Ou os neurônios do Dexter corroeram com a morte da Rita, ou realmente foram os dos roteiristas…

  3. Tiago disse:

    Apesar de concordar com vários pontos e erros crassos desse primeiro episódio, penso que foram imediatamente esquecidos pelo ótimo leque proposto da cena final para o restante da temporada. Se bem explorada essa parte, acho que poderemos sim colocar nossa confiança completa em Dexter novamente.

    Mas para mim os deslizes imperdoáveis foram:

    – A parte do assassinato no aeroporto.
    – O estagiário ter acesso fácil ao computador do Dexter.

  4. Amanda disse:

    Ah cara… Eu curti muito o episódio. Mas respeito sua opinião,

  5. Tiago disse:

    Esses roteiristas de Dexter são muito descuidados com a história. Não vejo deslizes assim, por exemplo, em Breaking Bad. Roteiro com um numero minimo de furos, quase beirando a zero.

    Sei que para nós que estamos de fora parece ser fácil falar, mas dá tranquilamente para trabalhar melhor esse roteiro e cuidar mais do personagem. Ele não é tão trapalhão e bobado como eles estão fazendo. Muito menos se propõe a tantos riscos e lugares tão esdrúxulos para matar.

    Sou fã da série e tento relevar isso, mas tem horas que fica difícil.

  6. Juliana disse:

    Eu gostei muito, achei a equipe de roteiristas bem focada e fiquei contente com o abandono da ideia da paixonite da Deb – ao menos nas palavras do Harry, ela ama o que acha que vc é, não o que você é. Também gosto da maneira com que ela foi digerindo e como descobriu no tempo certo de uma boa detetive, que está atrapalhada pela emoção de ser um familiar. Também achei interessante a ideia de ele matar um cara sem saber que é uma peça chave da máfia ucraniana, dá um bom caldo no antagonismo. Logo, discordo de vc quando diz que isso foi um filler, um novo caso da semana. Foi a introdução do antagonista, de forma elegante e discreta, uma vez que a cena se voltava para o grande dilema da temporada, a descoberta da Deb. Por fim, essa é minha opinião. Não gostei do seu texto pq vc considera sua opinião uma verdade absoluta quando diz que “Foi mais um episódio medíocre da série”. Talvez tenha faltado um “em minha opinião, foi…”. Sua abordagem acaba por desqualificar as outras opiniões, ainda mais quando, como vc mesmo disse, são de grande parte das pessoas. Cuidado.

  7. Raquel Alves disse:

    Eu gostei muito dessa nova fase de Debxter. Gostei bastante da Deb ter ido de pouco em pouco, o observando, investigando mesmo, ate ter certeza de tudo. E a atuacao dos dois foi em alto nivel tmb.
    Nao posso negar que tiveram varios deslizes, como o do aeroporto e o super iphone que pesquisa impressoes digitais, mas nao tirou o brilho da premier.

  8. Camila disse:

    No saldo final, gostei muito do episódio, mas o aeroporto foi demais mesmo. Jogou o “código do Harry” e a verossimilhança pelo ralo.

  9. Higgo disse:

    A lâmina e o aeroporto realmente são difíceis de engolir. Mas a maneira como estão lidando com a descoberta de Deb está ao menos coerente. Eu tinha medo que não fossem ser fieis à natureza da personagem.

  10. Ismael disse:

    “Cenas como a da Laguerta achando a lâmina de sangue e recolhendo sem luva nem nada”

    Ela usou um lenço ou a echarpe dela. Não vi direito, mas usou, tomou esse cuidado.

    Mas foi forçado ela ter desconfiado desde o início.

    “Dexter, um assassino extremamente meticuloso, resolve entrar num
    aeroporto e matar o cara NA SALA DE BAGAGEM, onde em qualquer aeroporto
    tem intenso movimento!”

    É, isso foi de uma preguiça tremenda dos roteiristas. Já que ele resolveu usar a cadeira de rodas, então sai com o cara logo fingindo que tá dormindo.

  11. Ismael disse:

    “fiquei contente com o abandono da ideia da paixonite da Deb”

    Não tá confirmado que largou isso de mão. Mas com o susto, pode deixar isso mesmo pra lá, diminuindo assim o fator WTF da série, já basta serem casados na vida real e irmãos na série, hehe.

    “achei interessante a ideia de ele matar um cara sem saber que é
    uma peça chave da máfia ucraniana, dá um bom caldo no antagonismo.”

    Também acho que ficou bom, apesar que, podiam ter feito uma passagem de tempo entre pegar um assassino e dar de cara com outro. Miami, a capital mundial dos psicopatas, se descuidou, tropeça com um serial killer na rua, hahaha.

  12. Rodrigo disse:

    Como é que o Dexter, sabendo que a irmã está desconfiada, deixa as laminas no ar-condicionado? E como a Debra abriu aquele cadeado onde ele guarda as facas? E como o Dexter deixa olaptop dele assim exposto (em senha?). Muito furo no roteiro!

  13. Rodrigo disse:

    *(sem senha).

  14. Maurício Silva disse:

    Eu acompanho Dexter desde o primeiro episódio, e, infelizmente, a série morreu com a Rita. É uma constatação. É possível dizer que a série não morreu, só perdeu a força (o que, para uma série, dá no mesmo). O que ficou da tensão original teria de ser recuperado nessa sexta temporada com a Débora descobrindo a verdade sobre Dexter. Esse é último trunfo da série e tem de ser explorado com dedicação pelos roteiristas.

    Como alguém disse acima, Braking Bad é um exemplo. Fantástica. Mas que também caiu no erro da enrolação na última meia-temporada. Na minha opinião, poderia ter acabado na quarta temporada com o “I won” do Walter, e aquilo seria um final redondo e perfeito.

  15. Para aqueles que acham que os roteiristas deixaram de lado o “romance” de deb com dexter, fiquem com um pé atrás. Acho que estão planejando usar isso como a desculpa para deb “perdoar” dexter.

    Eu não achei o episódio tão ruim assim, foi bem melhor que os da temporada anterior, mas dexter matando no aeroporto não achei tão sacado assim. desde as melhores temporadas dexter já se meteu em situações mais escancaradas. E aquele local de bagagens era de “bagagens abandonadas”, que ficava aberto da 7:00 às 20:00.

    O grande erro pra mim (que vem desde a 1a. temporada) é a continuada incompetência do pessoal da miami metro: Só Dexter acha a digital do bandido, o que coloca dexter sempre a frente dos caras. Só Dexter teve a ideia de pegar no local da seta do carro? E deixarem passar a lamina de dexter no fogareu da cena do crime de travis marshal. E laguerta não pegou com a mão não.

    O lance procedural é mais comum em Dexter do que imaginam: na maioria das vezes. o episódio é “kill room da semana” (e amo quando dexter mata suas vítima de maneira diferente de uma simples facada no coração). Não achei que dexter estava narrando obviedades como andava fazendo na sexta temporada, mas reforçando a idéia de que mesmo quando tudo está pra desmoronar pro seu lado, nada melhor do que matar alguém pra se acalmar.

    O detalhe é que a série saiu de seu padrão, mudou o “status quo” e vai seguir por caminhos diferentes (seja pra melhor ou pra pior). É promissor. Algo que achei um pouco ruim foi Deb ir aceitando Dexter matar alguém, mas o episódio mostra que ela ficou abalada e não ficou sendo mais uma idiota da miami metro. O mais legal foi trazerem a tona elementos da 1a. e 2a. temporada, com imagens de Deb na mesa e o caso do bay harbor butcher, com laguerta podendo reabrir o caso que levou o amigo a ser culpado no lugar de dexter.

    Há agora dois motivos para deb não entregar dexter: A suposta Love-story dos dois, que deus nos livre disso, ou o fato de Deb se envolver na cena do crime em que ela ajuda dexter a encobrir. Não há como ela sair ilesa disso.

    Fato é: A sexta temporada foi um lixo (a 5a. nem tanto), mas esse episódio, embora tarde, chega com gás. não é as mil maravilhas que tão pintando como o bruno falou, mas também não é preguiçoso. É apenas o 1o. episódio. Mas infelizmente minha expectativa é que eles vão entrar de cabeça no romance entre irmãos. esperem por isso. Estamos na 7a. temporada. Seriados americanos tem seu auge nas 3a. e 4a. temporadas e depois decaem com força.

    Ah, e tem o chato do louis entrão ainda, que não mostrou a que veio mas tá se tornando num vilão em potencial. Ainda está subdesenvovido, mas quero saber que porcaria ele sabe da vida do dexter.

  16. SeriesTV-Brasil disse:

    Caro Bruno,

    Respeito sua opinião, mas penso de forma diametralmente oposta!
    Acho que Dexter voltou a nos dar (telespectadores) aquela sensação de “quero mais”, de não querer piscar no meio do episódio, de ficar na expectativa do que vai acontecer… o que na temporada passada tinha esfriado bastante.
    As tramas, na minha opinião, foram bem montadas, e o final sensacional foi a coroação da volta do melhor da série.
    Claro, não foi o melhor episódio da série, nem perto disso. E talvez sua crítica seja mais forte pelos exageros que tenho visto por aí. Mas dizer que “foi mais um episódio medíocre da série”, sem dúvida, foi outro exagero e eu não posso concordar.

  17. Discordo de boa parte do seu texto. Pra começar acho sim que essa season premiere foi incrível, excelente e surpreendente. Deb finalmente descobrir o, até então, segredo do Dexter foi algo impactante, algo que eu pessoalmente não esperava. Eu esperava que o fato da Deb ter visto Dexter matando Travis na igreja fosse apenas uma maneira magnífica de prender o telespectador para a próxima temporada e quando esta chegasse essa história não daria em nada (deu pra notar minha descrença com a série?), porém me surpreendi. Fiquei feliz com a suspensão daquela “paixonite” babaca da Deb, isso era algo que TINHA que ser consertado. Mas essa parte do aeroporto eu percebi e fiquei incomodada enquanto assistia. como Dexter simplesmente mata um cara num aeroporto super vigiado no setor de achados e perdidos. Por favor roteiristas, não façam o telespectador de idiota. Sobre isso concordo com o que foi dito no texto. Sei que “DEXTER” não tem sido a série que foi na primeira e quarta temporadas, mas ainda tenho esperanças que essa temporada possa fazer jus àquilo que a série já foi um dia.

  18. Rodrigo disse:

    mesmo fechado, todo o aeroporto é fiscalizado por câmeras. Ainda mais nos EUA.

  19. VItor disse:

    Algo que ninguém comentou ainda mas foi um furo muito grande na minha opinião, é o fato do corpo do Travis ter queimado até o osso e ainda sobrar um pedaço de plástico quase intacto no pé dele!

  20. Ana Carolina disse:

    Concordo sobre LaGuerta encontrando a lâmina (acho que ela enxergou demais), com a questão dele matar em pleno aeroporto sem ninguém notar – acredito que quiseram focar no impulso desesperado em matar de qualquer jeito para tentar amenizar a situação caótica na cabeça dele por causa da Debra (apesar da sala ser de bagagens abandonadas/esquecidas e funcionar em horário “X”…provavelmente Dexter sacou isso e já tinha acabado o horário de funcionamento, pois focaram ele olhando pra placa que informa o horário), mas dizer que o episódio foi “medíocre”, é muito.

  21. Flávio disse:

    Teve um erro de continuidade no começo do episódio, antes de Dexter tirar a faca do peito do corpo do Travis e colocar a espada, um pouco antes dele trocar a faca, já aparece a espada no peito, a cena muda e quando volta a faca ainda continua lá, quanto ao episódio não tem muito o que comentar, esse é o preço a pagar por um roteiro mal escrito, parece final de novela quando deixa pra acontecer tudo de um vez, Debra já deveria ter descoberto a verdade a várias temporadas passadas, esse acesso de pânico relembrando o momento que ela estava em cima da mesa não cola, apesar que essas memórias poderiam estar bloqueadas consciente e de uma hora pra outra ela ligou tudo, enfim ainda tenho esperanças que a série melhore (pouquissimas mas tenho) eu no lugar dos roteiristas não teria confirmado ainda a 8 temporada, pelo menos não divulgado, no aguardo do próximo episódio e torcendo para que decole.

  22. Flavio disse:

    A sequencia do aeroporto foi absurda estragou o episodio. Teve aquele ar ridiculo da sexta temporada.

  23. Guest disse:

    O episódio foi muito bom, não sei o que eu poderia esperar de fato, pelo final da última temporada ter deixado no ar várias possibilidades para o inicio desta! Eu gosto das criticas daqui por ressaltarem detalhes que ás vezes passam batidos pela emoção do momento de estar assistindo. Foi um pouco corrido e ao mesmo tempo com momentos paralelos que davam a entender que não tinha uma situação gritante pra se destacar, o que equilibrou bem! Como fã esperançosa da série que sou, eu acredito que tem potencial pra se chegar ao estilo de impasse da 4ª temporada, que foi uma das melhores! Continue com as criticas reflexivas e se mantendo otimistas!

  24. Karoll Chaves disse:

    Outro erro de continuidade foi que Travis ao entrar na casa de Dexter abre a caixa com a mão e depois por causa da Jamie ele coloca a caixa com a mão em cima da geladeira. Depois que Dexter volta pro ap, após os acontecimentos com Deb na igreja, a caixa simplesmente não está em cima da geladeira e depois qnd Deb descobre a porra toda ela encontra as lâminas, as facas e a mão (?!?).

    Aonde a caixa foi parar?

  25. Karoll Chaves disse:

    Concordo, muito bola fora ele matar em um aeroporto. Cadê as câmeras?

  26. Ian disse:

    Mediocre é o teu pensamento e opiniao caro Bruno Carvalho

  27. Concordo em grande parte com a crítica, mas vamo la, não cobre tanto… Vamos dar um voto de confiança! Ta com tudo pra ser uma excelente temporada…. E que final WTF foi esse hein?? =O

  28. IAN disse:

    ESTE SITE É EXCELENTE EM QUESTÃO DE INFORMAÇÕES MAIS ESSAS OPINIOES DE VOCES HEIN, AS VEZES DA IMPRESSAO QUE VOCES FALAM MERDA SÓ PARA TER ACESSOS ARGUMENTANDO COM VOCES, LAMENTAVEL!!

  29. Ismael disse:

    “Só Dexter acha a digital do
    bandido, o que coloca dexter sempre a frente dos caras. Só Dexter teve a
    ideia de pegar no local da seta do carro? E deixarem passar a lamina de
    dexter no fogareu da cena do crime de travis marshal. E laguerta não
    pegou com a mão não.”

    Cara, concordo que nesse episódio ficou de mais, mas até que na série como um todo não é bem assim. O Dexter as vezes rouba uma evidênca, no caso da seta do carro, eu não lembro, mas se ele limpou ela depois, tudo bem, destruiu a prova. Se não limpou é mais uma mostra da preguiça dos roteiristas, uma solução simples e rápida.

    No caso de ele ser o primeiro e único a perceber coisas, eles até exageram, claro é o protagonista, mas faz sentido, ele é o perito grandão, tem privilégio da posição que ocupa. Ninguém teria motivo para desconfiar.

  30. Cris disse:

    SPOILER

    A pergunta final da DEB era apenas um sonho.

  31. Rafael Ferraz disse:

    O que critíco é a insegurança (covardia?) do autor ao soltar um NÃÃO, MAS EU SOU FÃ DE DEXTER!. Como se isso fosse evitar os leitores raivosos que levam tudo na base do clubismo e só querem saber se falam bem ou não do seu objeto de adoração. Acho que isso subestimou a inteligência dos leitores/espectadores isentos. Quando algum “talifã” retrucar os argumentos do escriba com ideias que façam sentido, aí a gente conversa.

    E prefiro textos que critiquem, achem defeitos e desconstruam as séries do que exposições bajuladoras e óbvias sobre o que foi visto. Por isso que abandonei os textos daqui sobre Breaking Bad (os únicos feitos de uma série no período de exibição da temporada 5.1) e, felizmente, encontrei pequenos blogs de gente muito mais desconfiada com o que vê na tela, com articulações bem mais estimulantes.

  32. joao disse:

    Estou esperando resenhar o 7×02, pq esse foi um completo lixoooooooooo!

  33. Dagoberto Costa disse:

    Acho que o segundo episódio vai salvar a temporada.

  34. Juliana disse:

    Pô Bruno, entendi que você não gostou da estreia, mas ninguém aí do blog vai comentar mais Dexter? São séries demais e vocês estão precisando priorizar? Toda semana dou um pulo para ver se tem alguma coisa e nada. Acho que vou desistir. Pena, Gostava.

  35. Luciano disse:

    o site abandonou as resenhas de Dexter?

  36. Antonio de Souza disse:

    O site abandonou a série?

Deixe uma resposta

ss