FOTO: REPRODUçãO

Por: Davi Garcia

The Walking Dead: When the Dead Come Knocking

Torturas, salvamento, experimento e um banquete para zumbis marcam episódio. 

[com spoilers do episódio 3×07] Para uma série que tem a violência como um de seus elementos mais marcantes em função dos embates com zumbis, não deixa de ser curioso que este episódio de The Walking Dead tenha concentrado doses tão grandes de violência perpretadas por humanos contra humanos, o que, obviamente, diz muito sobre a ideia de tudo o que a produção propõe discutir através daquele apocalipse e a forma como cada um age e reage frente uma ameaça, seja ela qual for. 

Considerando esse panorama, por mais que já soubéssemos que Merle é um sociopata incorrigível que não teria qualquer tipo de limites durante o interrogatório que fez com Glenn (vide a cena em que deixa-o sozinho para encarar um zumbi mesmo estando preso a uma cadeira), o que mais chamou atenção (pelo menos para mim) foi a surpresa de finalmente ver o Governador mudando radicalmente de tom (tanto na voz quanto na atitude) na cena em que aterrorizou Maggie da pior forma possível (sugerindo violência sexual, diga-se) até arrancar dela a informação que tanto buscava naquele momento: saber onde estaria o grupo que poderia representar uma ameaça a seu ‘reinado’ em Woodbury. Assim, é interessante pensar que o mesmo local que abriga figuras como a do excêntrico e aparentemente inofensivo Milton, um aspirante a cientista que ainda acreditava ser capaz de reverter a transformação post mortem, também serve de refúgio para aqueles que querem simplesmente fechar os olhos para a realidade sombria que os cerca, vide o ponto em que Andrea chegou ao ignorar a suposta paranóia de Michonne para se envolver com o Governador. Por outro lado, o grupo da prisão, talvez pela vivência maior na estrada, já não usa as máscaras que vemos no de Woodbury, algo que fica claro para Michonne que inicialmente se mantém defensiva ao ser salva por Rick e cia (“Não pedi sua ajuda”, diz ela), mas logo percebe que juntar-se àquelas pessoas seria sua melhor alternativa, além, é claro, de passar a representar um elemento importante e poderoso para aquele grupo no mundo retratado pela série, como fica evidente, por exemplo, na sequência da cabana em que ela não hesita em matar o homem que entra em pânico colocando todos em risco no momento em que uma horda zumbi faminta os cercava. O que esperar para o mid season finale de The Walking Dead? Que ele faça jus, no nível de tensão e surpresas, ao embate que promete redefinir conflitos e colocar em choque os dois grupos dessa fase da trama.

9 respostas para “The Walking Dead: When the Dead Come Knocking”

  1. Ismael disse:

    Bom episódio mesmo. E pena que já vem o “meio-final” ou “”final do meio”, parece que estava para esquentar a guerra.

    O único senão para mim foi a cena da Andrea com o Milton. Lembrou muito uma coisa irritante de de lost: Os personagens mesmo presenciando fenômenos fantásticos de todo tipo, nunca comentavam entre si, nunca discutiam os mistérios, e nem mencionavam para a maioria.

    A Andrea deveria dizer para o Milton para ele cair na real, um amador, sem recurso algum não iria conseguir nada.

    Acredito muito na experimentação e na força de boas idéias, mas ela deveria ter dito que esteve no CDC, com um cientista com experiência no assunto e todo tipo de equipamento e registros.

    Duas temporadas atrás, até ela esqueceu.

  2. Luana disse:

    Davi, saudades de ler alguma coisa sua. Por incrível que pareça, não sabia que estava no Ligado em Série, e hoje visitei o Dude, We Are Lost só pra matar saudades… Ótima sua review, bem concisa mas que expressa tudo o que pensamos assistindo. Esse Mid-Season promete, e estou ansiosa por ler sua opinião. Continue o bom trabalho.

  3. Levy Santos disse:

    A violência crua(sem trocadilho) dos zumbis contra os vivos não é nada perto do que os tais vivos são capazes de fazer ao seu igual. Quem leu A Ascensão do governador sabe do que estou falando. Estou adorando a atual temporada. A única coisa que me incomoda são as mortes de personagens que já me entraram no coração, e podem morrer a qq momento ou episódio.

  4. Expectativas altas para o próximo episódio. Se seguir a linha da temporada passada, em que o midseason terminou com eles “matando” a Sofia, esse ano promete.

    Meus comentários no meu blog ;)
    http://cinefilosantista.blogspot.com.br/2012/11/the-walking-dead-s03e07-when-dead-come.html

  5. maicon disse:

    FRINGE pelo jeito tu abandonou né?

  6. Ismael disse:

    Na torcida pela morte do gurizinho.

    Embora nessa temporada anda menos chato, mais discreto. Deve ser porque está se achando o xerife com chapéu e arma, faz pose. haha

  7. Marcio disse:

    Davi, cadê o podcast com a Juliana sobre o the walking dead, como nos bons tempos.

  8. Renato disse:

    Excelente review, mas se alongue mais! Tá muito curta!

  9. ter que esperar ate fevereiro que e foda parou de passar a

    serie

Deixe uma resposta

ss