FOTO: REPRODUçãO

Por: André Costa

Brooklyn Nine-Nine | Operation: Broken Feather

brooklyn-nine-nine-terry-crews-operation-broken-feather-fox

Operation: Broken Feather é o episódio de Brooklyn Nine-Nine que foi ao  ar logo depois do Super Bowl – e, ao contrário da equipe do Denver Broncos, os realizadores da série capricharam: piadas inspiradas, ritmo ágil, elenco dopado de timing cômico e uma divertida brincadeira com o esporte no início tornam o episódio digo de intervalo com show do Red Hot Chilli Peppers (Bruno Mars dá pra dispensar, certo?). Tudo bem, aquele “aprendizado” do Jake no final é previsível, mas não chega a atrapalhar (e dá margem para um desfecho que faz uma rima legal com o início da história).

Uma das grandes vitórias de Operation: Broken Feather é que qualquer solução ou piada fácil foi sumariamente descartada. O roteiro explora e desenvolve as situações ao extremo e além, transformando a simples chegada de alguém de outra divisão ou a pouca eficiência do departamento em tramas elaboradas, criativas e atingindo níveis certeiros de humor. A chegada do Abutre, por exemplo, permite não só o nonsense da operação que dá nome ao título, mas também resulta em uma imprevisível e hilária cooperação entre Jake e um assassino (“Engole essa, Abutre! Matei aquele cara e o vizinho.“). E o contraste entre o nonsense e a abordagem visual intensa (câmera sacudindo, fotografia dessaturada, escura) realça ainda mais o humor – a câmera lenta quando Boyle derrama o café, por exemplo, é o grande trunfo da cena.

Além disso, Operation: Broken Feather consegue explorar bem as características de suas personagens, fazendo com que o sistema criado por Terry e Holt seja divertido (“se Rosa estiver perto do banheiro, diminuem as pausas para ir no banheiro“) e de acordo com a persona de cada uma delas (e, como bônus, há a brilhante cena do capitão chorando no cinema). Tudo isso intercalado com os tradicionais diálogos inspirados (“Sempre que o Monte Diaz explode, todos evitam ela“) e uma série de flashbacks curtos e imprevisíveis, dando tiros certeiros de humor na história – mesmo o mais previsível deles, da enterrada de Jake, têm uma imprevisibilidade graças à sua previsibilidade e acaba – imprevisivelmente – se tornando uma das melhores gags do episódio.

Aliás, mesmo a trama envolvendo Jake e Amy, que tem o fardo de carregar um desfecho impressionantemente óbvio, consegue gingar e criar cenas extraídas com seringa da mais pura veia humorística, como a dança com um estrangeiro ou o “a clássica história de garoto conhece garota, garoto tem pernas de bode…” diante de um vaso grego. E se por um lado a participação de Adam Sandler não agrega em realmente nada (todos surpresos), também não chega a fazer algum estrago em Operation: Broken Feather, que se mostra mais um belo touchdown marcado por Brooklyn Nine-Nine nesse grande Super Bowl que é a temporada de uma série.

4star

Deixe uma resposta

ss