FOTO: REPRODUçãO

Por: Allan Verissimo

Game of Thrones: personagens dos livros que jamais veremos na série

gotgeorge

[contém spoilers] O quinto ano de Game of Thrones encerrou-se na semana passada com o merecido título de “temporada mais polêmica da série”. Não só pelas mortes brutais de personagens importantes, mas também pelas alterações gritantes em relação aos livros de George R.R. Martin. Antes de tudo, temos que relembrar a situação: até a quarta temporada, a série adaptou os três primeiros livros e ainda mantinha uma fidelidade ao arco narrativo concebido por Martin. Porém, sempre soube-se que a quinta temporada seria imprevisível por um motivo: os livros 4 e 5, respectivamente, O Festim dos Corvos e A Dança dos Dragões, ocorrem simultaneamente, mas em regiões diferentes.

Festim é focado nos personagens que vivem na região Sul de Westeros: a Cidadela, Porto Real, Correrio, o Vale, as Ilhas de Ferro, Dorne e a notável exceção de Braavos, cidade de Essos. Já Dança é focado na região Norte de Westeros, na Muralha e em Essos. Ambos os livros são extensos, repletos de subtramas e dezenas de personagens novos. Era inevitável que a HBO e os showrunners iriam realizar diversas alterações para encaixar na demanda de apenas 10 episódios por temporada. E como em toda adaptação, algumas mudanças foram para melhor, outras para pior.

Aqui, iremos discutir os importantes personagens dos livros que foram limados sem piedade da adaptação. Obviamente, haverá uma chuva de spoilers.

gotbook

Arianne Martell

É um consenso geral, entre críticos e fãs, que o núcleo de Dorne foi a pior subtrama da quinta temporada. Há muitas razões para isso, mas a ausência de Arianne Martell é sem duvida a pior. Para começar, nos livros, Doran tem três filhos: Arianne, Quentyn e Trystane, sendo que apenas o último apareceu na série. Quando a notícia da morte de Oberyn chega em Dorne, as Serpentes de Areia exigem que Doran retalie contra os Lannisters. Curiosamente, nenhuma das três sequer cogita machucar Myrcella. Pelo contrário: Tyene chega a cogitar coroar Myrcella como rainha para assim se rebelar, ao passo que Obara e Nymeria exigem um ataque contra os aliados Lannisters. Ellaria, que na série se tornou a grande incentivadora das Serpentes, não quer nem ouvir falar em vingança, pois sabe que isso irá apenas trazer mais derramamento de sangue. Doran, que aparentemente também quer a paz, ordena a prisão de todas as filhas de Oberyn.

Nesse momento, entra Arianne. Devido às leis de Dorne, Arianne é herdeira de Doran e irá tornar-se Princesa do reino após a morte do pai. Além de desprezar a fraqueza do pai, Arianne suspeita desde a infância que ele planeja declarar Quentyn como seu herdeiro. A suspeita surgiu na infância, ao ler uma carta do pai na qual ele declarava fazer de Quentyn seu herdeiro, e se transforma em certeza quando ela descobre através de amigos que o irmão está viajando em Essos. Arianne então seduz Sor Arys Oakheart, o Guarda Real enviado para proteger Myrcella, e o convence a ajudá-la a coroar a filha de Cersei como Rainha dos Sete Reinos, e assim se rebelando contra os Lannisters. O plano termina em desastre: de algum modo, Doran descobre tudo e envia um grupo de soldados liderados por Aero Hotah para interceptar o grupo de Arianne no caminho da coroação. Arys acaba sendo morto por Aero, e Myrcella tem o seu rosto gravemente desfigurado num ataque de Gerold Dayne, o Estrela Negra, aliado de Arianne e que fez isso numa tentativa desesperada de iniciar a guerra contra os Lannisters (mas sem o consentimento da princesa dornense).

Arianne é aprisionada e fica um longo tempo em cárcere, até que finalmente é libertada pelo pai. Doran então finalmente revela as suas verdadeiras intenções: durante todos esses anos, ele conspirava para colocar os Targaryens de volta ao poder. Após a Rebelião de Robert, Doran e Oberyn viajaram para Essos e se encontraram com Sor Willem Darry, que na época era o responsável pelos exilados Viserys e Daenerys. Eles fizeram o acordo de casarem Viserys com Arianne quando eles atingissem a maioridade, para assim tomarem o trono de volta. Porém, Willem morreu tempos depois, e Viserys e Dany foram forçados a vagar pelo mundo sem terem conhecimento do acordo. Com Viserys morto, Doran decidiu enviar Quentyn para a Baía dos Escravos para que ele se case com Daenerys.

Como podem ver, infinitamente superior ao que vimos na série, não? Arianne é uma personagem feminina bastante forte e interessante, mas os roteiristas, sabe-se lá por quê, optaram por cortá-la e transferir suas ações para Ellaria Sand. As próprias Serpentes de Areia são bem mais interessantes nos livros, e na série, ficaram parecendo algo saído de um episódio ruim de Xena – The Warrior Princess. Ainda há uma redenção para esse núcleo. Talvez, se eles introduzirem Arianne… mas o problema é que o destino dela está conectado com outros personagens que foram limados da adaptação, e que discutiremos a seguir…

Quentyn Martell

Em A Dança dos Dragões, Quentyn Martell viaja por Essos na companhia de dois amigos, Archibald e Gerris. Para chegar em Meereen em segurança, ele acaba sendo forçado a fazer parte de uma companhia mercenária intitulada “Soprados pelo Vento”. Porém, Quentyn acaba chegando na cidade na metade do livro, apenas para descobrir que Daenerys está prestes a se casar com Hizdahr zo Loraq. Daenerys também acaba não se interessando por Quentyn (em parte, por causa de sua aparência pouco atraente) e o rejeita. Após a Arena de Daznak e o desaparecimento de Daenerys, Sor Barristan (que ainda está vivo nos livros) aconselha Quentyn a partir, mas o príncipe dornês não quer nem cogitar a ideia de aparecer na frente do pai e do resto da família sem um exército. Numa última e desesperada cartada, ele, seus aliados, e os Soprados pelo Vento tentam roubar os dois dragões de Daenerys, que estão aprisionados. Obviamente, esse plano também termina em tragédia: os dragões queimam Quentyn até a morte e ainda conseguem fugir, para o pavor dos habitantes de Meereen.

Confesso que não me incomodei com a ausência desse personagem. Quentyn definitivamente está longe de ser um dos personagens mais interessantes, e os seus capítulos são lentos e apenas atrasam o ritmo da trama. Em contrapartida, há de se admitir que a sua morte deve criar consequências importantes para a trama, pois Doran com certeza não irá gostar de saber que não só Dany rejeitou a oferta de aliança, como também causou (indiretamente) a morte do filho. E isso pode fazer com que Doran e Arianne decidam se unir com…

Os Griffs

Ah. os Griffs. Nos livros, após matar Tywin, Tyrion Lannister foge para Pentos, onde conhece Illyrio Mopatis, amigo de Varys e responsável pelo casamento de Daenerys com Khal Drogo no início da trama. Illyrio convence Tyrion a procurar Daenerys em Meereen, e o envia numa jornada numa companhia de aliados liderada pelo mercenário Griff. Durante a longa viagem, Tyrion começa a perceber que os seus novos amigos são bem mais do que parecem: o filho de Griff, chamado apenas de Jovem Griff, é bem educado todos os dias por uma septã, por um meistre e um cavaleiro. Tyrion finalmente acaba descobrindo que o rapaz é nada mais nada menos do que Aegon Targaryen, o filho de Rhaegar Targaryen e Elia Martell, que todos julgavam estar morto.

Isso mesmo: numa grande reviravolta, descobrimos que existe um outro Targaryen vivo além de Daenerys. O seu pai, Griff, na verdade, é Jon Connington, um dos melhores amigos de Rhaegar e que foi exilado por Aerys após ter perdido numa importante batalha contra Robert Baratheon. Pouco antes do Saque de Porto Real, Varys trocou os bebês, e Aegon passou todos esses anos sendo criado por Griff. O grupo na verdade, está viajando para casar Aegon com Daenerys. Tyrion porém, alerta Aegon que Daenerys já tem um exército e três dragões, e pode não gostar da ideia de querer se casar com o sobrinho e dividir o trono de Westeros. Tyrion o aconselha a partir para Westeros o mais rápido possível, e conquistar os reinos sem a ajuda da tia.

Durante a viagem, o grupo passa pela região dos Sofrimentos, onde são atacados por Homens de Pedra. Tyrion cai na água numa tentativa de ajudar Aegon, mas é salvo por Jon Connington, que acaba se contaminando com escamagris, mas não revela isso a ninguém. Em uma parada na cidade de Selhorys, Tyrion se afasta do grupo para visitar um bordel e é sequestrado por Jorah Mormont. Preocupados com o desaparecimento de Tyrion e a possibilidade de terem sido traídos, os Griffs se encontram com a Companhia Dourada, um grupo de mercenários que irão apoiá-los na rebelião. Ao descobrir por intermédio deles que Daenerys não planeja partir de Meereen tão cedo, Aegon decide seguir o conselho de Tyrion e partir para Westeros. Connington, sabendo que agora está com os dias contados, apoia a decisão do filho adotivo. No final do livro, o exército dos Griffs chega em Westeros e tomam o castelo de Connington. Eles decidem enviar uma mensagem de aliança para os Martells, e tomar Ponta Tempestade, uma fortaleza de Stannis Baratheon.

Como podem ver, isso tudo sumiu na série. Tyrion não encontrou Illryio e nem os Griffs, e foi Jorah que se contaminou com escamagris. O que motivou os roteiristas a tomar essa decisão é um mistério: será que Martin revelou que os Griffs serão mortos em breve e julgaram que a trama não será importante para a série? Ou eles julgaram que seria errado introduzir jogadores tão importantes nessa altura do campeonato, perto da reta final? Seja qual for a resposta, é bastante improvável que eles aparecem nas duas temporadas finais.

(Sim, há uma teoria entre os fãs, e na qual eu acredito, que o Aegon é um farsante. Ele na verdade seria um Blackfyre, mas isso já é outra história…)

Euron, Victarion e Aeron: os irmãos Greyjoys

Sem duvida, os personagens que os fãs dos livros 4 e 5 mais sentem falta. Nos livros, mais especificamente em Tormenta de Espadas, Balon Greyjoy morre num misterioso acidente, caindo de uma ponte quebrada. O irmão de Balon, Euron, que estava exilado, aparece em Pyke no dia seguinte, e se auto-intitula como Rei das Ilhas de Ferro. O irmão mais jovem, Aeron, um fanático e sacerdote da religião do Deus Afogado, convoca uma assembleia do povo livre, na qual será elegido o novo rei. Como Theon ainda é um prisioneiro no Forte do Pavor e dado como morto, os principais candidatos são Euron, o irmão Victarion, e a filha mais nova de Balon, Asha (que na série, virou Yara). Na assembleia, Euron anuncia que planeja se casar com Daenerys e roubar seus três dragões através de um berrante mágico que ele obteve nas ruínas de Valíria. Segundo Euron, quem toca o berrante tem o poder de controlar dragões. Ao afirmar que planeja tomar todos os Sete Reinos de Westeros, Euron é eleito rei. Asha e Aeron fogem, ao passo que Victarion decide ficar para cumprir o seu dever para com o seu rei. Victarion porém, odeia profundamente Euron, por ter dormido com a sua esposa anos atrás. Acreditando que foi desonrado, Victarion assassina brutalmente a esposa, mas não faz nada ao irmão por medo da punição do Deus Afogado.

Euron e a sua frota ataca a Campina, e conquistam vários castelos. Porém, os aliados de Euron ficam tão empolgados pelo saque que se recusam a viajar para Meereen, insistindo em continuarem atacando mais regiões. Euron então decide enviar Victarion para Meereen, junto com o berrante, e trazer Daenerys para Westeros. Porém, Victarion aproveita a chance para se vingar do irmão, e planeja roubar Daenerys e os dragões para si.

Os três irmãos Greyjoys são personagens bem interessantes e no quesito visual, poderiam render bons momentos na série. Eles chegaram a ser mencionados na primeira temporada, numa conversa de Tyrion com Theon, mas após isso eles sumiram. Até o momento, parecia que os showrunners tinham decidido cortá-los, o que é compreensível já que a trama deles não se cruzou com nenhum outro núcleo. Porém, recentes vazamentos confirmaram a presença de Euron Greyjoy na sexta temporada. Mas e Victarion e Aeron? Bom, Aeron pode ser facilmente descartado, e a ação de convocar a assembleia ficaria para outro personagem. Já Victarion, seria uma triste perda, mas o fato é que a série já tem personagens demais, e os roteiristas devem acreditar que é muito mais fácil unificar os dois irmãos em um só.

Nesse núcleo especifico, confesso que até já cogitei alguns atores. Para Euron, eu imagino James Purefoy (The Following), Mads Mikkelsen (Hannibal) e Richard Armitage (The Hobbit). Victarion poderia ser vivido por Ray Stevenson (Dexter) ou Christopher Eccleston (Doctor Who). Finalmente, eu consigo imaginar Ian McShane (Deadwood) como Aeron.

Penny

Após ser sequestrado por Jorah, Tyrion acaba conhecendo Penny (Merreca, na tradução), uma anã que estava no casamento de Joffrey, para entreter os convidados com seus truques. O seu irmão foi morto por homens que o confundiram com Tyrion e planejavam entregá-lo para Cersei. Inicialmente, Penny odeia Tyrion, a ponto de querer matá-lo. Os seus sentimentos mudam quando Tyrion o convida a acompanhá-lo na viagem de navio para Meereen. Fica evidente que Penny passa a se interessar por Tyrion, mas não sente o mesmo por ela e rejeita suas investidas. O navio acaba afundado numa tempestade, e Tyrion, Penny e Jorah são aprisionados por traficantes de escravos, e vendidos no acampamento de inimigos que estão sitiando Meereen (uma subtrama cortada da série). Após algumas desventuras, o trio consegue fugir e se unem aos Segundos Filhos, uma companhia de mercenários que está ao lado dos inimigos de Daenerys. Tyrion na verdade planeja fazê-los mudar de lado.

Aqui, eu achei que o corte da personagem foi uma boa decisão dos roteiristas. Penny faz Tyrion descobrir o seu lado humano e finalmente perceber como é viver sendo descriminado e humilhado, sem a proteção da família. Porém, acho a personagem bem unidimensional e bastante irritante. Sem Penny, a série teve mais tempo para focar na dinâmica de Tyrion e Jorah, esse sim um personagem infinitamente mais interessante.

Moqorro

Nos livros, Moqorro é um sacerdote do Senhor da Luz que está viajando no mesmo navio de Tyrion e Jorah, e que acredita que Daenerys é a escolhida do seu Deus. Após o naufrágio, Moqorro desaparece por dias até ser encontrado pela frota de Victarion Greyjoy. Moqorro cura um grave ferimento na mão de Victarion e o converte para a sua religião. Moqorro ajuda Victarion várias vezes através de suas visões, e também planeja ajudá-lo a usar o berrante corretamente para controlar os dragões.

Moqorro é um personagem muito interessante, e seria bacana conhecer outro Sacerdote Vermelho além da Melisandre. Infelizmente, sem Victarion, era inevitável que Moqorro também teria que sumir.

Wyman Manderly

Wyman Manderly é o obeso Senhor de Porto Branco, uma importante região do Norte. Em Dança, Davos é enviado por Stannis para conseguir o seu apoio. Ele descobre que Wyman já manifestou seu apoio para os Freys, e acaba sendo preso e condenado a morte. Porém, Davos descobre que tudo não passa de uma farsa. Wyman revela que apenas fingiu executá-lo para evitar qualquer suspeita dos Lannisters sobre a sua verdadeira lealdade. Após os Lannisters entregarem seu filho sobrevivente Wendel, que estava sendo prisioneiro em Harrenhal, Wyman e Robett Glover, outro lorde do Norte, conspiram contra os Freys. Manderly revela a Davos que Wex, o escudeiro de Theon Greyjoy e o único sobrevivente do Saque de Winterfell, revelou que foi Ramsay que destruiu a fortaleza. Além disso, Wex também revela que Bran e Rickon Stark ainda estão vivos – e que ele sabe para onde o último foi. Um acordo é feito: se Davos encontrar Rickon, Wyman apoiará Stannis na guerra.

Wyman é um excelente personagem, e infelizmente, parece que também não o veremos na série. No episódio do Casamento Vermelho, um de seus filhos aparece em cena (ele está com um broche do símbolo da Casa Manderly), mas pelo jeito, foi apenas easter egg para os fãs dos livros. Infelizmente, jamais veremos dois dos grandes momentos dos livros: o discurso do “Norte se Lembra”, e é claro, as tortas Freys (recomendo que pesquisem sobre essa fascinante teoria dos fãs).

Jeyne Poole

Jeyne Poole é a melhor amiga de Sansa em Winterfell e viaja com ela para Porto Real. O seu pai acaba sendo assassinado pelos Lannisters (quando Joffrey torna-se rei), e ela desaparece da trama, ficando aos cuidados de Mindinho. Fica então sugerido que Mindinho a forçou a trabalhar como prostituta em seus bordeis. Muito mais tarde, após o Casamento Vermelho, Tywin a envia para os Boltons, para se casar com Ramsay assumindo a identidade de Arya (ironicamente, Jeyne detestava Arya). Assim, os Boltons ganharão de vez o apoio das Casas do Norte. Antes mesmo de se casar, Jeyne já é uma garota traumatizada, e ela implora a Theon por ajuda. O casamento ocorre, e Jeyne é violentada em circunstâncias ainda mais revoltantes e brutais, e a personagem acaba destruindo-se psicologicamente de vez. Finalmente, Theon acaba ajudando-a a fugir com a ajuda de Mance Rayder e seis esposas de lança (outra subtrama descartada pelos roteiristas), e a dupla pula dos muros de Winterfell, onde são capturados pelo exército de Stannis.

Jeyne chegou a aparecer no piloto, mas infelizmente, os roteiristas tomaram a infeliz decisão de fazer com que Sansa Stark se casasse com Ramsay. Aparentemente, os roteiristas devem ter achado que seria mais fácil para o espectador se importar com uma personagem já estabelecida do que alguém que acabamos de conhecer. Para isso, tiveram que prejudicar gravemente o arco de Sansa.

Lady Stoneheart

Tudo já foi dito sobre essa personagem. No final do terceiro livro, o cadáver de Catelyn Stark é encontrado pela Irmandade sem Bandeiras, e é ressuscitada por Beric Dondarrion. Fica evidente que ela não é a mesma Catelyn que nós conhecíamos: com o rosto em um terrível estado (já que estava em decomposição no momento da ressurreição), Catelyn se torna a líder da Irmandade e cria uma cruzada de vingança contra qualquer aliado dos Freys, Lannisters e Boltons. Porém, a vingança acaba cruzando limites que enojam até mesmo Thoros de Myr, principalmente quando Lady Stoneheart ordena a execução de pessoas que não tiveram qualquer relação com o Casamento Vermelho. No final de Festim, ela aprisiona Brienne, Podrick e Hyle Hunt (um cavaleiro que está ajudando-os na busca das garotas Starks, mas de olho numa recompensa), e acredita que Brienne a traiu e passou para o lado dos Lannisters. Ela lhe dá uma escolha: provar sua lealdade, matando Jaime Lannister, ou ser enforcada junto com seus companheiros. Brienne recusa-se a escolher, mas ao ver seus amigos prestes a morrer, ela decide aceitar a oferta. Em Dança, Brienne encontra Jaime e o convence a partir sozinho com ela, mentindo que Sansa está sendo refém do Cão de Caça. A dupla desaparece e… bom, aí fica um gancho para The Winds of Winter.

É uma excelente subtrama e que provavelmente não veremos na série. A atriz Michelle Fairley já garantiu que não irá retornar, e o diretor Alex Graves foi mais além, dizendo que não seria digno trazer a personagem de volta como uma “zumbi”. Isso é uma falta de tato impressionante, já que a Lady Stoneheart apenas ressalta a tragédia do Casamento Vermelho.

Game of Thrones retornará em abril de 2016, quando descobriremos quais personagens dos livros terão a sua chance de aparecer e quais permanecerão ausentes. Até lá, podemos sempre rever a série e os livros, desfrutando as duas jornadas… e é claro, torcer para que Martin termine logo o sexto livro.

5 respostas para “Game of Thrones: personagens dos livros que jamais veremos na série”

  1. Anderson Lima disse:

    Parabéns Allan, o artigo ficou incrível. Eu, que já li todos os livros 2 vezes, muitas vezes ainda me vejo envolto em nomes dos quais não consigo me lembrar. Mas após ler esse artigo consegui me situar e criar um panorama geral de como terminou a história dos personagens no último livro. Agora, aguardando ansiosamente pelo TWOW.

  2. Daniel Primiano Goes disse:

    Parabéns, excelente post, deu pra relembrar onde cada personagem parou e sua relevância.

  3. Ademar Abiko Jr. disse:

    Eu não li os livros além do segundo, mas vendo aqui acabo por gostar bastante das adaptações.

    Me parece que a essência dos arcos foi mantida nas fusões, com duas vantagens: não ter que gastar tempo escasso introduzindo novos personagens e alimentar personagens já estabelecidos e que nos importamos.

    O único caso que me parece problemático é o das filhas da areia. Talvez se elas fossem cortadas de vez, deixando só a Ellaria e a Arianne em uma disputa, daria mais certo. Ou se elas fossem mais políticas e menos guerreiras.

  4. Vanessa disse:

    “Lançe”

  5. guilhermedc disse:

    Parabéns pelo excelente texto e síntese dos personagens.

    Eu tenho uma ideia/desejo que seria muito bom ter um episódio (2º ou 3º da 6ª temporada) que terminasse com a chegada da frota Greyjoy em Meereen e, no episódio seguinte, que seria total ou parcialmente focado no núcleo Greyjoy (uma espécie de flashback), mostrando o que aconteceu nas Ilhas de Ferro enquanto rolavam os acontecimentos da 5ª temporada. Seria muito legal, apesar de acreditar que dificilmente irá ocorrer.

    Quanto aos personagens cortados, fora os Greyjoy que devem aparecer na próxima temporada, eu sinto falta apenas de um melhor desenvolvimento do núcleo Martell. Acredito que a ideia da série não foi ruim, porém, terrivelmente executada, e acho ainda que o núcleo poderia ter sido “salvo” no final com a declaração de apoio do Doran a Dany, porém não foi o que ocorreu.

Deixe uma resposta

ss