FOTO: REPRODUçãO

Por: Bruno Carvalho

Este não é o fim de American Idol

idolsony

Foi ao ar hoje no Canal Sony o último episódio de American Idol, reality que foi cancelado pelo canal FOX americano e não retornará para uma nova temporada ano que vem.

Ano que vem.

Há um motivo pelo qual o canal FOX americano marcou esta como “A temporada de DESPEDIDA” (The farewell season) em vez de “A ÚLTIMA temporada”. Esta não é e nem será a última vez que veremos American Idol na TV. Especulo? Sim e não.

Não há nada confirmado, claro, mas em janeiro o apresentador e produtor da atração deu uma dica sobre a possibilidade de retorno da atração entrevista à EW:

“Estamos muito felizes que as pessoas estão assistindo. Alguns estão voltando para assistir à série depois de ficar alguns anos sem vê-la. Então quando você tem uma franquia com toda essa herança, assistida por milhões de pessoas, isso conta. Significa que é o fim? Eu não tenho tanta certeza assim“.

Além disso, ele terminou a transmissão do “último” capítulo e disse tchau “por agora”.

Isso é lógico, ainda mais se tratando da FOX. Ela está revivendo Prison Break24 HorasArquivo X e resgatará outros títulos de sucesso em breve. Deixaria ela que uma franquia multimilionária como essa simplesmente evaporasse? É claro que não. Mas por que acabar com o programa, então?

O reality é a versão mais bem-sucedida da original britânica Pop Idol, criada por Simon Fuller, e moldou um novo gênero de competição musical na televisão, especialmente após ter movimentado números sem precedentes de audiência quando estreou em 2002. A primeira bancada de jurados tinha Simon Cowell, Paula Abdul e Randy Jackson e dois jovens apresentadores, Ryan Seacrest e Brian Dunkleman (este último não ficou).

A atração foi a resposta da FOX aos realities Who Wants to Be a Millionaire? da ABC, Big BrotherSurvivor da CBS. Impressionantes 28 milhões de pessoas assistiam semanalmente e durante oito anos inteiros ninguém conseguiu batê-los, era sistematicamente o número 1 da temporada e trazia grandes cotas de patrocínio para o canal, como Coca-Cola, AT&T, Ford e iTunes. Ao longo da trajetória do programa, novas personalidades fizeram parte do júri, como Mariah Carey, Nicki Minaj, Steven Tyler, Kara DioGuardi e Ellen DeGeneres. Desde sua estreia, o American Idol já revelou  talentos como Kelly Clarkson, Carrie Underwood, Phillip Phillips, Jennifer Hudson, Adam Lambert, Jordin Sparks, Fantasia Barrino, David Cook,  entre outros.

Mas como tudo que começa acaba, a partir do nono ano os números absurdos começaram a despencar. Além disso, outros programas similares como o The X FactorAmerica’s Got Talent e, especialmente, o The Voice passaram a chamar mais atenção. E mesmo este último não ter revelado até hoje nenhum artista com repercussão mundial como Idol, o público seguiu hipnotizado por suas cadeiras giratórias e testes às cegas.

American Idol acaba no momento certo justamente para descansar o formato, que ficou pra lá de esgotado. Apenas o fato de anunciarem essa temporada de despedida aumentou a audiência. Milhões de pessoas que assistiam e largaram retornaram pela nostalgia. Licenciada em todo o mundo é apenas uma questão de tempo até que o canal anuncie o seu retorno daqui a umas três ou quatro temporadas. Minha aposta é que até 2019 Idol esteja de volta à TV.

Podem me cobrar.

Uma resposta para “Este não é o fim de American Idol”

  1. vinland disse:

    Nunca vi nenhum episodio. Esses programas musicais, sao muito chatos.

Deixe um comentário

ss