FOTO: NETFLIX

Por: Bruno Carvalho

Passei um dia com a Marvel e a Netflix nas gravações de Os Defensores!

Fevereiro em Nova York, uma nevasca ameaçava a cair nos dias seguintes, mas lá estava eu às 7 da manhã na gelada Manhattan rumo ao Brooklyn para uma visita pra lá de especial aos estúdios onde estavam sendo gravados Os Defensores.


Leia a minha crítica de Os Defensores


Localização de Primeira

Como a cidade não é preparada com áreas grandes para estúdios como Los Angeles, os galpões da série tomam vários quarteirões e é possível ver a movimentação de caminhões, trailers e equipamentos de produção assim que se chega à região. A localização estratégica escolhida por Marvel e Netflix facilita e agiliza a gravação de externas e diárias no local onde a própria série é ambientada, conferindo mais autenticidade do que em produções que tentam simular a Big Apple em cidades cenográficas de Hollywood ou Vancouver.

Codinomes

Algo que não é mais segredo pra ninguém são os codinomes que as cinco séries da bem-sucedida parceria utilizaram para “despistar” curiosos e paparazzis durante as gravações fora do estúdio. Demolidor se chamava “Bluff”, Jessica Jones tinha a alcunha de “Violet”, Luke Cage se identificava como “Tiara”, Punho de Ferro como “Kick” e Os Defensores como “Group Therapy”. O Justiceiro, que também estava sendo gravada simultaneamente (mais sobre nossa visita ao set dessa série em breve), tinha o codinome de “Crime”. Isso porque antes de cada filmagem a produção é obrigada a afixar cartazes avisando moradores da região acerca das gravações.

FOTO: NETFLIX

Os Estúdios

Na primeira parte da visita, ficamos eu e os jornalistas convidados alocados dentro do cenário de Punho de Ferro, mais especificamente no dojo da Colleen (Jessica Henwick, de Game of Thrones) e que também será visto na série dos quatro herois. Marvel e Netflix deixaram a gente explorar cada canto do lugar, mexer nos adereços de cena e tudo mais. É impressionante como praticamente tudo é construído com madeira MDF tratada para parecer paredes velhas, vigas, tijolos etc. Tudo oco, porém extremamente realista até de perto (afinal, todas as séries da Netflix são gravadas em 4K).

Olhando pela janela da Colleen víamos um enorme backdrop que a olho nu parecia bem falso, mas na série – com a iluminação certa e inserção de sons da rua – fica parecendo que eles estão mesmo, numa sobreloja em Manhattan. Esse foi apenas um dos sets incríveis que visitamos.

Foi também no dojo da Colleen que, na primeira parte da visita, recebemos atores e produtores para entrevistas que publicarei nos próximos dias seguidos dessa estreia. Estiveram com a gente: Charlie Cox (Matt Murdock/Demolidor), Finn Jones (Danny Rand/Punho de Ferro), Mike Colter (Luke Cage) e Deborah Ann Woll (Karen Page), que recebeu uma festa surpresa da equipe ali mesmo (e comemos o bolo dela!). Além dos atores, a figurinista Stephanie Malansky contou o caprichado trabalho que foi feito para a série.

Luz, câmera, ação!

Na parte da tarde fomos em pequenos grupos assistir às gravações de cenas da série. No dia em que fomos, eles gravavam o episódio 6 (de 8), então acabamos pegando muuuuuitos spoilers que, por óbvio, não compartilharei aqui. O set era tão grandioso que ele possuía dois andares e diversos compartimentos que representavam localidades distintas.

Em cima – onde estava fechado no dia – era possível ver um conjunto de escritórios brancos para a famosa cena em que os quatro defensores lutam num corredor e que já vimos no trailer. Embaixo, Mike Colter vestido de Luke Cage com sua camisa amarela toda suja dizia suas falas. No momento flagrado, ele se debatia no chão após receber algum tipo de golpe (não vimos o que aconteceu antes, até porque muitas das cenas são gravadas fora de ordem).

Depois, Scott Glenn, o Stick (e seu dublê, vestido com o mesmo figurino) gravou algumas falas beeeeeem importantes e que só veremos na reta final desta primeira temporada. Um dos aspectos mais impressionantes desse set, se comparado com outras produções que já visitei, é a quantidade absurda de gente que fica nos bastidores – maquiadores (um pra cada ator em cena) e assistentes, técnicos, produtores e outros cuja função nem sei, além é claro do diretor Stephen Surjik (Person of Interest, Luke Cage), que não hesitava em gritar corta e mandar repetir tudo de novo enquanto tudo não saía como ele planejara.

No apê do Demolidor

Toda a logística de produção é interessantíssima, pois as séries possuem cenários e personagens em comum, o que indica que os soundstages (como são chamados) ficam permanentemente alocados para manter o universo Marvel/Netflix continuamente em produção.Enquanto ninjas ensanguentados passavam pelos corredores e entravam no banheiro como se fosse a coisa mais normal do mundo (pra eles é, né?), visitamos o escuro apartamento de Matt Murdock, mesmo cenário visto em Demolidor e em Os Defensores, que ficava logo atrás.

Novamente impressionantes são os detalhes que, pelos escuros filtros que a série usa, raramente são notados pelo espectador. Todo o apartamento do primeiro Defensor é adaptado para a vida de um deficiente visual, com etiquetas em braile em potes e utensílios até a escassez de fontes de luz. Tudo madeira falsa, mas igualmente realista até de perto. Boa parte do apartamento é funcional e até água na pia saía (isso porque os sets precisam ter encanamento para o sistema anti-incêndio obrigatório).

Escala grandiosa

Só de entrar nesses estúdios é possível sentir a grandiosidade da escala de produção, com múltiplas equipes fazendo coisas distintas simultaneamente (como disse, O Justiceiro também estava sendo gravada no mesmo complexo), sem falar na infinidade de escritórios de produção que servem para garantir que o show literalmente não pare. O esforço coletivo, do time de limpeza, set designers, roteiristas, produtores e até fornecedores de catering, é algo que nunca veremos na frente das câmeras, mas que é essencial para transformar madeira, diálogos escritos, efeitos visuais e atuação no que veremos na tela da Netflixa partir de hoje, 18 de agosto.

Foi um dia bem bacana, um dos mais legais nesses 11 anos cobrindo o universo da TV.


Ligado viajou a Nova York à convite da Netflix.

2 respostas para “Passei um dia com a Marvel e a Netflix nas gravações de Os Defensores!”

  1. Laylla disse:

    Parabéns, Bruno! Dentre os sites brasileiros que visitaram o set, o seu artigo foi o mais detalhado e bem escrito. Nos fez sentir juntamente no set com vc!
    Ansiosa pra começar a assistir essa série!

Deixe um comentário

ss