FOTO: REPRODUçãO

Por: Bruno Carvalho

The Killing

Uma jovem em fuga; um(a) assassino(a) impiedoso(a). Uma morte brutal. O que em CSI seria um roteiro desenvolvido de forma atropelada em 40 e poucos minutos até o seu desfecho, em The Killing será, aparentemente, o combustível que vai durar no mínimo uma temporada inteira. De cara, é possível perceber que o roteiro adotará um tom meticuloso, mas que em nada pode ser considerado arrastado. Em seu último dia de trabalho na delegacia da chuvosa Seattle, a detetive Sarah Lindle vê seus planos de mudança para Los Angeles serem interrompidos pela notícia do desaparecimento de Rosie Larsen, uma jovem de classe média. Pouco a pouco, à medida em que a investigação caminha num ritmo quase real – sem milagrosos recursos periciais – o mistério que cerca a morte da garota vai se tornando naturalmente envolvente enquanto uma colcha de provas, suspeitos e informações desconexas se junta. É tocante acompanhar as graduais revelações do drama (do corpo de Rosie num porta-malas inundado até um macabro vídeo num porão onde supostamente tudo começou) sob a fria paleta de cores utilizada nos filtros e a pontual trilha-sonora. Com apenas três episódios exibidos, The Killing já mostrou que é uma série de investigação com um enfoque diferente, com toda a qualidade do American Movie Classics, canal que nos presenteou com Breaking Bad, Mad Men e The Walking Dead, séries únicas em cada estilo. O drama ainda não tem previsão de estreia no Brasil e é exibido todo domingo nos EUA.

8 respostas para “The Killing”

  1. Ale Rocha disse:

    O luto da família é de partir o coração. Tem que ter estômago para encarar algumas cenas. Alguns cenas são uma porra de tão realistas.

  2. Isabel disse:

    Pelo breve resumo, lembrei de Twin peaks, excetuando o realismo, é claro. David Lynch não se preocupava com isso. Ainda bem…

  3. Lodisval disse:

    Lembra as séries da BBC, talvez pelo enfoque ou pelo tom dramático acentuado e isso com certeza é sinal de boa qualidade. Espero que permaneça assim.

  4. Cassio disse:

    Putz….muito boa. Chorei duas vezes vendo o piloto! ^.^

  5. Gessica disse:

    Muito boa!!! Piloto com ótimas atuações! Se manter o nível vai ser uma ótima pedida.

  6. Welton Leandro Valdir disse:

    A Tv estava precisando de uma série assim: lenta, real, crua e excelente.
    A série “me ganhou” em 2 cenas: a mãe (muito melhor que em True Blood) ouvindo a notícia da morte da filha por um celular esquecido ligado, e também por ela ajoelhada ao lado do telefone ouvindo a mensagem de voz da secretária eletrônicas.
    Cenas dignas de realismo e emoção.

  7. @gcorreaa disse:

    Concordo com tudo que o Welron Leandro disse aqui em cima, essas cenas foram genias!! Ótima série, que tem tudo para dar certo.

  8. JC Penna disse:

    Mas nao se passa em Copenhagen? E a detetive esta se mudando para Estocolmo, nao?

Deixe uma resposta

ss