FOTO: REPRODUçãO

Por: Bruno Carvalho

Grimm, o Lado Sombrio dos Contos de Fada

Por Camila Picheth

Jacob e Wilhem Grimm foram dois acadêmicos alemães que fizeram sucesso no século XIX. Entre outros projetos, os irmãos Grimm publicaram vários contos de folclore que coletaram durante anos conversando com, na maioria, aristocratas que repassavam histórias contadas por seus servos. Foi assim que nasceu a Branca de Neve, Rapulzel, Rumpelstilskin, João e Maria e muitos outros contos. Embora os livros fossem bem recebidos, haviam críticas que alguns dos textos seriam muito pesados para crianças, vez que as histórias eram destinadas à elas. Durante as décadas, essas histórias foram sendo modificadas, chegando aos (quase) inocentes clássicos da Disney. Mas assim como é interessante deixar os contos mais leves para crianças, deixá-los mais dark é um atrativo pra o público mais velho. Após vários livros e filmes explorando o assunto envolvendo desaparecimentos e assassinatos, a NBC Universal lança uma série que mistura elementos procedurais com a mitologia envolvida tanto na história dos próprios autores quanto em seus contos.

Diferente da série da ABC também com o mesmo tema de fantasia (Once Upon a Time), a premissa de Grimm é que todas as criaturas dos contos de fadas realmente existem, mas se escondem por trás de uma máscara humana. Há um grupo de caçadores, denominados Grimm, que lutam contra as forças do mal desses seres e que estão praticamente extintos. O protagonista da série é Nick, um detetive que após começar a enxergar monstros no lugar de pessoas, descobre ser descendente do grupo. De tal maneira, a série coloca em seu piloto a história da Chapeuzinho Vermelho como um caso para os policiais envolvendo um “lobo mau” serial killer.

Com esse clima obscuro, a série mostra-se promissora. O lado fantástico do episódio pode não ser tão apreciado devido às informações que são passadas para o telespectador, mas é o suficiente para entreter e criar expectativas. A sub-trama do piloto é bem desenvolvida, e nos faz pensar em que outras histórias infantis serão transformadas em casos policiais. O protagonista não possui nenhuma característica que o faça ser lembrado, fazendo com que sua tia (Kate Burton, de Grey’s Anatomy) seja bem mais intrigante. No entanto, é necessário considerar que Nick não possuia nada de chamativo até descobrir sobre o passado da sua família, então é bem provável que seu personagem ficará mais interessante ao passar dos episódios. Os efeitos especiais podem não ser obras primas, mas não causam uma quebra na trama fazendo o público notar mais as próteses ruins do que a história.

O elenco conta com Silas Weir Mitchell (24 Horas, Prison Break) e Sasha Roiz (Caprica, Warehouse 13), além de roteiros e produção de veteranos das séries Buffy, a Caça-Vampiros e Angel. Com dois programas sobre contos de fadas no ar, fica a dúvida de qual chamará mais atenção do público: o mais fantasioso ou o mais sombrio. Grimm estreia no Brasil pelo Universal Channel no dia 28/11 às 22h (horário de Brasília). Veja o promo da estreia no canal.

 

11 respostas para “Grimm, o Lado Sombrio dos Contos de Fada”

  1. Jesimiel disse:

    Vi o episódio piloto e gostei da série, sendo que irei acompanhar por esta temporada.

  2. Caio Furtado disse:

    Achei o episódio muito fraco, meio forçado e pior: tedioso, não aguentei nem 20 minutos, mas como a crítica aqui foi que “com esse clima obscuro, a série mostra-se promissora[…]” vou tentar dar mais uma chance nessa semana.

  3. Martiela disse:

    aaaaaaahh, a série foi bem boa.. eu gostei e vou acompanhar xD

  4. Bruno Carvalho disse:

    Achei Grimm um pedacinho da CW na NBC. Passo.

  5. Thiago Silva disse:

    Eu tive o mesmo problema. Aos 18 minutos de episódio eu estava sem o menor interesse em continuar a ver. Pausei na promessa de ver de novo outro dia, e até agora não vi.

  6. Emanuela disse:

    Achei muito clichê a série, também tive vontade de parar de ver na metade do episódio, mas vou dar mais uma chance. Once upon a time eu gostei muito do primeiro episódio, me deu vontade de assistir ao segundo.

  7. Vinícius disse:

    Concordo plenamente.

    E sim, os efeitos especiais, diferentemente do que foi considerado no post, me fizeram perder a antença da história pra ver aquelas máscaras que perdem feio de muita fantasia de Halloween meia-boca.

  8. Walter disse:

    O piloto foi uma porcaria. Conseguiu ser mais ridículo que Supernatural, algo que eu julgava humanamente impossível. Ainda bem que tem Once Upon a Time, ou os contos de fadas estariam perdidos.

  9. Sofia disse:

    Achei o episodio mto fraco. De Supernatural já chega o da CW, o qual nao consigo largar pq sou masoquista…

  10. Assisto a série e gosto muito!

  11. Leonardo disse:

    Nos primeiros episódios, realmente deixou um pouco á desejar, porém depois de criada a mitologia da série o desenvolvimento tem sido inpecavel, vale a pena assistir.

Deixe uma resposta

ss