FOTO: REPRODUçãO

Por: Davi Garcia

The Walking Dead: What Lies Ahead

Por Davi Garcia

Não sou um crente. Acho que preferi colocar minha fé na família, nos amigos e no meu trabalho… [Mas, agora] preciso de algum sinal que nos ajude a continuar.” Essa quase confissão em tom de pedido feita por Rick Grimes (Andrew Lincoln) em dado momento de “What Lies Ahead”, sintentiza o grande tema – desistir ou buscar alguma força para seguir lutando apesar de tudo? – abordado no episódio que abre a 2ª temporada de The Walking Dead. Retomando a história praticamente do mesmo ponto em que parou no final do 1º ano da série, o episódio não chega a ser espetacular, mas é eficiente na apresentação de novos conflitos e principalmente na preparação de uma transição fluida para o arco que será explorado sem romper o compromisso com o desenvolvimento de personagens, o grande foco da produção.

Escrito por Robert Kirkman (autor da HQ que inspirou a série), “What Lies Ahead” é intenso e oferece, com equilíbrio, um pouco de tudo que se espera da história: interação constante entre os personagens, uma horda de zumbis dando as caras, muito gore, e doses respeitáveis de ação e suspense. Nesse panorama, os 63 minutos de duração do episódio situam boa parte dos personagens tanto no que tange a seus papéis dentro do grupo, bem como sobre suas motivações (ou falta delas) para seguir adiante. Assim, enquanto Rick revela no monólogo inicial sua ideia de seguir lutando pelos outros (embora acabe tendo sua liderança questionada posteriormente), Andrea (Laurie Holden) deixa clara sua intenção de já não querer mais tentar viver num mundo sem perspectivas ao passo em que Shane (Jon Bernthal) mostra-se decidido a abandonar o grupo por não conseguir lidar com a situação envolvendo sua história com Lori (Sarah Wayne Callies).

Investindo em cenas aparentemente longas demais, mas que se justificam pela ampliação da tensão em torno do que poderia acontecer – vide, por exemplo, as sequências do ataque na estrada, da barraca na floresta ou mesmo a da igreja -, “What Lies Ahead” cria uma atmosfera sufocante que culmina na cena que encerra o episódio com um evento tão surpreendente quanto chocante e que deve funcionar como o único elo capaz de manter o grupo unido em torno da iniciativa de sobreviver em meio à imprevisibilidade de uma situação incessantemente caótica, assustadora e quase sempre mortal.

A 2ª temporada de The Walking Dead estreou domingo nos EUA detonando recordes de audiência na tv a cabo e chega ao Brasil nesta terça-feira, 18, pela Fox às 22h.

18 respostas para “The Walking Dead: What Lies Ahead”

  1. Wilian disse:

    Eu gostei muito de todo o episódio. Mesmo dessas partes lentas.Foi super tenso aquele bando de zumbis naquele “desfile” pela estrada, enquanto o povo se escondia.
    Só achei um pouco desnecessário eles precisarem abrir o zumbi pra verificar se tinha vestígios da Shaiane(era esse o nome da pirralha?), mas ainda assim foi legal!
    E fiquei o episódio todo com medo da Andrea morrer. Ainda bem que não morreu e espero que não morra. Gosto dela!
    O momento final, quando o filho do Rick leva o tiro também foi tenso e chocante. Se o menino morrer vai ser mais uma culpa pro Rick.
    Aliás, vejo muitas semelhanças do Rick com o Jack de LOST, em relação a maneira como ambos são vistos pelos grupos. Não sei se é porque ambos são líderes. Enfim,o episódio foi bom

  2. José disse:

    achei muito bom!
    muito tenso a parte do “desfile” heheh parecia que nunca acabaria.
    Eu só tenho uma reclamação: o menino.
    poxa, eu já achei um pouco irresponsável da parte deles deixarem ele ir procurar a menina (talvez nem tanto, porque tinha mais gente junto); mas quando o Shane disse pro povo ir embora e que ficariam só ele e Rick…o menino querendo ficar e eles ainda deixam!? ah, não. achei muito forçado.
    Mas o resto foi muito bom.
    foi engraçado ver oz zumbis na igreja hahahah

  3. Eu acho que outra pessoa devia ficar com os binóculos. Como que o Dale não vê aquele monte de zumbis vindo na direção do grupo??¬¬

  4. Eduardo disse:

    O sucesso de séries de zumbi está tão grande que o Zombieland também deve virar série em 2012 pelo que saiu na media. Eu acho the walking dead espetacular, só acho que a série não deveria ter um intervalo de 1 ano entre uma temporada e outra, e deveria ter bem mais episódios. Acho esse o único defeito que a envolve!

  5. Milcia disse:

    Essa é a única série que conseguiu me fazer prender a respiração nesse recomeço de temporadas. Episódio muito tenso, do jeito que eu espero que uma série com zumbi seja.

  6. Buza disse:

    Na boa pessoal…. Quem NAO gosta de cenas fortes como abrir um zumbie….. Ta vendo a serie errada….. EXPERIMEBTA ler o HQ original….tem amputacoes constantes e ate cenas forticimas de estupro…..
    Agora qnt ao Carl ter ido junto….. Oq tao tentando fazer e tornar esse Carl FRAGIL da serie televisiva em algo mais proximo do maduro, frio e racional Carl do HQ….. q matou inúmeros zumbies e VARIOS personagens….. Incluindo criancas da idade dele ou mais novos….

  7. Carlos Frederico disse:

    Quanto a cenas fortes, sempre que vejo cenas de meleca artificial em filmes e seriados eu acho mais é graça, de tão irreal que é.

    As cenas da parada-zumbi na rodovia eram muito mais tensas e perturbadoras do que abrir um zumbi de meleca em que os atores nem fingem estarem sentindo mal-cheiro.

    Me lembra as melecas de true blood. Agora o que me dá mais raiva (num bom sentido, pois creio que a idéia é essa) é personagem burro. Aquele cara no começo escorrega e arranha o brço de um jeito que parece que quase é decepado. E a menina fugindo. Embora é isso mesmo que aconteceria, dá vontade de deixar a menina pra trás mesmo.

    Adorei o fato de acontecer um problema que não é resolvido já nesse episódio. Mesmo em episódios serialisados, continuos, sempre dão um jeito de caso um problema apareça num episódio, já o resolvem ao fim do mesmo. O fato de o destino da garota permanecer incógnito já valeu.

  8. Davi Garcia disse:

    Como essa temporada terá 13 episódios, o ‘sofrimento’ da espera será menor :) Sobre Zombieland, é curioso que um projeto que tenha nascido justamente como série, só ganhou força de verdade porque foi engavetado anteriormente, rendeu um filme de relativo sucesso e que agora re-alimenta o interesse na ideia da série.

  9. Marcos Mendes disse:

    Para quem lê a HQ, já sabe o que vai acontecer com o fim do primeiro episódio. Por ser um episódio escrito pelo Kirkman, acho que ele acertou ao cortar certas cenas da HQ e já inserir Hershell e sua fazenda logo no próximo episódio. Uma vez li uma entrevista dele onde ele disse que na série ele está tendo a chance de fazer as coisas diferentes, e creio que isso tenha sido uma delas, afinal vai dar mais fluidez na série e cria novas tramas. Se as coisas continuarem assim, teremos o arco da Prisão ( o melhor da HQ na minha opinião) até o fim dessa temporada. Estou ansioso pelos novos personagens que serão inseridos já no próximo episódio!
    Davi, vc acha que com a saída do Darabont, além da renovação de todo corpo de roteiristas a série pode sofrer algum impacto, ou por ser algo baseado numa HQ que já beira 100 edições temos ainda uma certa segurança?

  10. Eduardo disse:

    Davi, acho que são só 7 episódios! São 13 contando os 6 websódios de 4 min cada um que ja foram lançados…o que é um saco se for verdade!

  11. Davi Garcia disse:

    Marcos, isso vai depender muito do trabalho que o Glen Mazzara, que já era produtor da série, conseguir desempenhar. O fato da série ser inspirada na HQ não necessariamente garante que seja infalível porque são duas mídias bem diferentes, mas tô confiante e esperando uma pegada mais forte do novo time a partir do episódio 3 ou 4.

  12. Davi Garcia disse:

    Serão 13 mesmo, Eduardo. Veremos 7 na sequência e depois a temporada será interrompida retornando apenas em 12 de fevereiro de 2012 com os 6 restantes ;)

  13. Eduardo disse:

    Ah tah! Menos mal então Davi!!
    Valeu

  14. Marcos Mendes disse:

    Putz, interromper no 7 e voltar em fevereiro? Então vamo ver até o fim de novembro/ começo de dezembro e depois esperar quase 2 meses para mais! Acho isso uma “falta de sacanagem” rsrsrs. Mas melhor do que os míseros 6 do ano passado, esperar 2 meses vai ser melhor do que esperar 1 ano né?

  15. Guilherme Martins disse:

    O Dale estava distraído olhando para o Shane que tinha descoberto a água num caminhão. Quando ele se virou e colocou os binóculos, os “walkers” começaram a sair de trás dos carros e havia um caminhão tombado que obstruía a visão deles também.

  16. Guilherme Martins disse:

    Se não existe um lugar seguro onde todos estão, então não acho que seja tão arriscado o garoto estar próximo do pai e do Shane, que estão armados e são policiais, até mais preparados para lidar com esse tipo de situação do que no outro grupo, que tem um idoso, algumas mulheres, um cara com o braço bem machucado…

  17. Fábio disse:

    O fim do episódio me lembrou em tudo o episódio 2×06 de Lost, na qual há o incidente com a Shannon que serve para na verdade juntar dois grupos.

    Além de claro ser o tal sinal de Deus esperado pelo protagonista. Como falado no texto eles terão que se unir para impedir que o garoto morra.

    É interessante ver que neste início de temporada todos os personagens estão de saco cheio de tudo aquilo e somente um efeito catalizador poderia realmente reuni-los.

  18. Luiz André disse:

    Esta season premiere foi uma abertura de possibilidades tanto para a trama quanto para seus personagens, referindo-se principalmente à dinâmica de Rick, Lori e Shane e acrescentando Andrea neste caldo. Agora, com a introdução da família Herschel na série, existem possibilidades enormes para elevar o drama dos sobreviventes, mas a falta de indícios sobre os personagens de Michael Hooker e Lennie James ainda é uma incógnita que precisa ser resolvida nos episódios futuros. No mais, foi um bom episódio, na média entre os que já foram exibidos.

Deixe uma resposta

ss