FOTO: REPRODUçãO

Por: Davi Garcia

The Walking Dead: Chupacabra

Por Davi Garcia

Quem acompanha meus textos sobre The Walking Dead certamente já notou que sou muito fã da HQ dadas as comparações que sempre faço entre uma mídia e outra. Dito isso, ainda que eu queira ver os grandes temas da história criada por Robert Kirkman ganhando vida no formato live action, eu sinceramente não acharia tão interessante se a série simplesmente replicasse tudo que podemos encontrar nas revistas. Sendo assim, por pura sorte ou talento da equipe responsável pela série, a inserção e, sobretudo, o desenvolvimento de Daryl, um personagem que não existe na HQ, revela-se cada vez mais indispensável para a produção, visto que não é exagero algum enxergá-lo como o personagem mais interessante do atual momento da trama, que se ainda não empolga como um todo (algo que, espero eu, deve mudar radicalmente em função do gancho deixado por este 5º episódio), traz alguns bons momentos isolados aqui e ali.

Assim como já ocorrera no 2º episódio desta temporada, “Chupacabra” começa com um flashback dos primeiros dias subsequentes ao caos que se instaurava. Nisso, pudemos ver o grupo que então seria liderado por Shane reunindo-se por acaso numa estrada ao passo que tivemos mais uma pequena noção de toda a incerteza e do medo que tomaria conta de todos dali por diante. Levando isso em conta, ainda que seja coerente reconhecer o mérito desta abertura e as boas sequências como aquela em que Rick e Shane conversam sobre tudo que não existia mais e discutem sobre a necessidade de ter que tomar decisões difíceis para garantir a sobrevivência (leia-se abandonar a busca por Sophia como queria Shane), ou mesmo as que Hershel deixa claro seu desconforto com a presença do grupo de Rick em sua fazenda, qualquer elogio maior que “Chupacabra” possa merecer tem que passar pelas cenas envolvendo o já citado Daryl.

É até curioso tentar entender quais seriam as motivações que fizeram Daryl mudar tanto dos primeiros episódios da série para cá (talvez a compreensão de que agir de forma egoísta, como fazia Merle, seria a pior alternativa?), mas é fato que essa nova contextualização fez muito bem para o personagem e, por tabela, para a série. Nesse episódio, Daryl teve e fez um pouco de tudo: sozinho na floresta, sofreu um acidente e teve que cuidar da ferida sem ajuda; matou um zumbi com um cajado enquanto tirava uma flecha do próprio corpo para usá-la como arma para derrubar outro; alucinou uma conversa com o irmão desaparecido e, por fim, antes de trazer uma suposta prova de que Sophia continuava viva em algum lugar, acaba confundido com um zumbi quando retorna para a fazenda e quase morre com um tiro disparado por Andrea.

Considerando o potencial, The Walking Dead ainda não é a série que poderia ser, mas é justo dizer que de pouco a pouco ela vai ganhando mais corpo ao introduzir conflitos e dilemas que traduzem de forma expressiva a diferença entre ser humano (na atitude e no comportamento moral) antes e depois do apocalipse zumbi. E isso, pelo menos para mim, está longe de ser pouca coisa para uma série de tv que, na essência, deveria ser puro entretenimento descompromissado. E para vocês?

14 respostas para “The Walking Dead: Chupacabra”

  1. E eu pensava que era a única que achava o Daryl o personagem de longe mais interessante da serie. E apesar de ser o meu queridinho desde meados da primeira temporada, no desenrolar desta segunda ele simplesmente rouba a cena. Ele trazendo a flor e contanto a história em cherokee rose foi pra mim uma das melhores cenas de toda a temporada, mas nesse episódio o personagem conseguiu superar novamente.

  2. Raquel disse:

    Eu concordo com tudo que vc disse a respeito da série, ela já está me aquela ansiedade para que chegue logo a próxima terça-feira para vê-la. Eu ainda não lia a HQ, e nem pretendo até a série acabar, acho que uma meio que acaba com a mágica da outra.
    To doida pra saber pq eles guardam aqueles zumbis no celeiro, acredito que sejam parentes e amigos e eles ainda tem esperança de que haja cura.

  3. André disse:

    Nossa, esse episódio valeu a pena. Parece até que os roteiristas leram meu comentário sobre o episódio anterior.. hahaha.
    Praticamente tudo que critiquei, nesse episódio melhorou.
    Daryl como de costume continua sendo o personagem mais interessante, ele parece estar sem amarras na história (talvez por não vir da HQ) e os roteiristas parecem criar sempre algo diferente para ele. Boa essa inserção da alucinação, me lembrou Dexter e os vários “alter-egos” da temporada atual. Além claro, de ter Merle de volta a série (por um instante). Seria um ótimo personagem para se ter de volta, daria a pitada de conflito que tá faltando nessa trama.
    Mas o que surpreendeu mesmo foi a boa história desenvolvida em torno de Rick e Shane, coisa que não acontecia a muito tempo. Afinal, os dois sempre foram amigos, eram parceiros na polícia e de-repente se afastam tanto (ok, alguns conflitos de interesses aí no meio, hehehe). Porém os diálogos entre os dois nesse episódio foram muito bons, trazendo de volta a amizade (novamente, por um instante) e essa angústia que os personagens estão sentido em perder pessoas de suas lembranças ainda muito jovens, assim como Shane falou: “é como ser velho e as pessoas das histórias já terem morrido”.
    Bom desenvolvimento para o Glen, melhorou o personagem já do episódio anterior para esse.
    Até a Andrea ficou melhorzinha nessa versão mais impositiva dela, a atriz continua meia boca mas a personagem melhorou.
    Hershel já não desperta empatia, porém o personagem é bom, bem enigmático.
    No contexto geral acredito que tenha sido o melhor episódio da temporada, conseguiu animar bastante para o que deve vir a seguir.

  4. Diego disse:

    Adorei o episódio, não posso esperar pelo próximo capítulo, estou super ansioso.

    O Merle me assustou, o desafio de Daryl se desvencilhar daquele monstro que o apriisionava, está genial.

    Obs. : Eu, até agora estou me perguntando de onde saíram aqueles dois personagens : o cara loiro e outra menina loirinha…??? Enfim rs

  5. Guilherme Martins disse:

    Gostei do episódio. Enquanto as cenas do Daryl ganham destaque, aliás, nem me importaria de ver um episódio inteiro baseado no personagem, lutando solitariamente pela sua sobrevivência, já as cenas do Glenn vão de mal a pior, não lembrando de forma alguma o jeito astuto e dinâmico da temporada 1.

    Seria ótimo se colocassem um flashback na abertura dos episódios, como foi feito nesse.

    Já os diálogos de Rick e Shane ainda não me convencem, muito rasos, não sinto confiança nos atores. Acho que ainda estão muito vivas em minha mente os brilhantes embates protagonizados por Ben x Locke x Jack em Lost… he he he

    Agora, o gancho final foi um dos melhores de toda a série!

  6. Klaus Verve disse:

    Acredito que o ponto forte está sendo exatamente a exposição desses conflitos e dilemas humanos, sobre como o ser humano pode se comportar diante de um evento de “extinção” da espécie como citado no ep. final da temporada 1.

  7. Guilherme Martins disse:

    Gostei do episódio. Enquanto as cenas do Daryl ganham destaque, aliás, nem me importaria de ver um episódio inteiro baseado no personagem, lutando solitariamente pela sua sobrevivência, já as cenas do Glenn vão de mal a pior, não lembrando de forma alguma o jeito astuto e dinâmico da temporada 1.

    Já os diálogos de Rick e Shane ainda não me convencem, muito rasos, não sinto confiança nos atores. Acho que ainda estão muito vivas em minha mente os brilhantes embates protagonizados por Ben x Locke x Jack em Lost… he he he

    Seria ótimo se colocassem um flashback na abertura dos episódios, como foi feito nesse.

    Agora, o gancho final foi um dos melhores de toda a série!

  8. João Paulo disse:

    O final me deixou bem curioso.

    Vocês pararam pra pensar em como eles conseguiram colocar os zumbis no celeiro?

    Talvez uma pessoa tenha entrado nele já infectada e acabou contaminando as outras… seriam funcionários da fazenda? Membros da família? Antigos hóspedes?

  9. Juliana disse:

    Minha memória é péssima e costumo esquecer de muita coisa que vejo. Então quando vi a cena dos zumbis no celeiro, tive a impressão de já ter visto uma história parecida e, como li as primeiras HQs, não me lembro se foi daí. Alguém me ajuda a esclarecer isso, já que estou com preguiça de procurar as HQs? Ou teve algum caso parecido na primeira temporada?

    Xinguei tanto a Andrea quando ela atirou no Daryl! Ela virou uma das personagens mais chatas da história e ele um dos mais legais. Me deu aflição só de pensar que ele tinha perdido sua arma (essa é uma das coisas que tornam o personagem legal).

  10. Luiz André disse:

    Ainda estou esperando que the Walking Dead viva mostre seu potencial dramático não apenas em cenas isoladas, mas ao demonstrar que diante de um apocalipse zumbi, as regras de conduta social devem ser dobradas a fim de se garantir a própria sobrevivência. Alguns personagens têm se destacado durante a temporada, com destaques para Daryl e Herschel, enquanto que outros parecem estar no piloto automático, como Rick, Lori e Andrea. Talvez um dos problemas desta temporada até aqui é que ela não consegue provocar o espectador com suas cenas e os dilemas tirados dela. No episódio em que Shane sacrifica Otis, a bola foi cantada durante todo o episódio, o que estragou um pouco o elemento surpresa. E ninguém, em sã consciência, acharia realmente que Daryl morreria sem encontrar seu irmão Merle de verdade. Se até o sétimo episódio esta série não melhorar, acho melhor acompanhar uma maratona dos filmes de George Romero para curtir um verdadeiro apocalipse zumbi.

  11. Eliane disse:

    Realmente, de suposto vilão a mocinho, esse é o Daryl. Ficamos achando que com aquele mala preconceituoso do irmão, ele fosse igual, mas não é que ele tem sensibilidade? Pois é, The Walking Dead sempre surpreende.
    Uma série de zumbis, mas que explora o caos do momento e se pergunta, o que fazer nesse mundo onde o principal é sobreviver?
    O dilema de Rick, que tem que tomar as decisões e ser responsável por isso. The Walking Dead é muito bom, mais que zumbis. Vale a pena.

  12. Stefan disse:

    Preciso dizer que também considero Daryl como o personagem mais interessante no momento. Embora haja momentos em que o vemos ranzinza e bastante inclinado a cair na porrada com os demais, estranhamente isso faz com que eu goste ainda mais do personagem; e Daryl está melhor intencionado que Shane, por exemplo.
    Shane é um cara que já deixou claro que é seletivo, não está ali pela defesa do grupo, mas apenas de Carl e Lori. Isso não seria um problema por si só, mas por algum motivo “prevejo” esse cara fazendo besteira logo adiante. Já fez com Otis, aliás.
    E também acho que The Walking Dead ainda não é a série que poderia ser, a cada episódio eu penso algo como: “Muito bom, mas poderia ter sido melhor”.
    O que me consola é que a série está ainda dando seus primeiros passos, espero várias temporadas a frente.

  13. Gabriel disse:

    o Daryl e meu personagem favorito kkk ele ajudo todo mundo mas de um jeito bem grosso e isso eh legal pra serie XD torço pra na tirarem ele da serie que por sinal ta apavoradando walking dead e supernatural tao muito foda!!!

    abraço a todos!

  14. Eduardo Nunes disse:

    Cadê o tão falado chupa cabra ?

Deixe uma resposta

ss