FOTO: REPRODUçãO

Por: Davi Garcia

Alcatraz: Cal Sweeney

Por Davi Garcia

Eu entendo o esforço da equipe de roteiristas de Alcatraz para tentar equilibrar o arco mitológico maior que tem que sustentar o bom conceito da série com o velho procedural do ‘vilão da semana’ ou algo do tipo, mas para que qualquer história que envolva mistério faça algum sentido e capture nosso interesse de forma contínua, seria essencial que os personagens que fazem a trama andar fossem mais bem desenvolvidos e nos convencessem a ‘comprar’ suas ações, reações e sentimentos em torno daquilo, e nesse contexto, a série tem, até aqui, falhado clamorosamente.

Cal Sweeney”, quarto episódio da temporada, trouxe alguns avanços sim, mas no geral, a exemplo do que ocorrera no anterior, foi outro capítulo decepcionante para um início de série tão alardeada e que deveria ser mais incisiva em sua proposta. É verdade que a tal mitologia de Alcatraz tem um grande mistério interessante (Por que aquelas pessoas sumiram e por que retornaram?), mas é igualmente verdade que, até agora, os ‘casos da semana’ não trouxeram nenhuma indicação de que os perigosos retornados que não envelheceram sintam-se deslocados no tempo, ou mesmo que manifestem qualquer característica que os façam ser realmente especiais como Emerson Hauser afirma.

Aliás, falando de novo em identificação de personagem, como acreditar que Rebecca seja uma oficial treinada e capaz de fazer parte daquela força tarefa, se em nenhum momento deste episódio a vimos questionando os motivos que levavam Cal Sweeney a pegar aquelas caixas especificamente durante os assaltos? Dado o histórico de que o avô dela não só é um dos retornados, como também foi responsável pela morte de seu parceiro, não deveríamos esperar que a personagem se mostrasse mais questionadora em torno de tudo aquilo estabelecendo a voz do público e fazendo as perguntas que nós faríamos?

Quem leu o comentário que fiz a respeito da estreia da série sabe que eu me interessei por sua ideia. Dito isso, ainda darei mais algumas chances para Alcatraz na esperança de que a coisa engrene, mas confesso que tá difícil me importar com personagens tão apáticos (e caricatos como é o caso dos diretores da prisão) e que ainda não disseram a que vieram dentro da história. Nisso, se Soto aparece como a figura mais humana, curiosa e de alívio cômico isolado da série (ainda que essencialmente surja fazendo quase que uma outra versão do Hurley de LOST), Rebecca aparece sempre – não sei se por culpa da atriz ou do roteiro – como uma figura artificial.

O mistério de Alcatraz pode ser bom? Sem dúvida que sim, mas a série precisa urgentemente sair do lugar, dar algumas respostas (ou pelo menos indicações delas, como, por exemplo, uma que aponte se os retornados agem por conta própria ou se deveriam seguir uma agenda específica) e provar que ela merece o apelo popular que tem alcançado neste início de caminhada. E vocês, o que tem achado da série até aqui?

18 respostas para “Alcatraz: Cal Sweeney”

  1. Gabriel disse:

    O quarto episódio foi fraco, mas o mistério das chaves pode render bons episódios.

  2. Fabio Martins disse:

    Uma série horrorosa. Pior ainda que Flashforward e com forçações de barra duras de engolir. A super e incrível parceira do Dude não saber que Gotham City é a cidade do Batman é demais né? Tipo “ela é tão inteligente e comprometida com o trabalho que não se importa com essas futilidades”.

    Ela entrar no banco pelo ar condicionado driblando todo o cerco montado também foi osso. A série não sai do lugar e o roteiro beira o patético. Eu paro por aqui com essa porcaria.

  3. Se não fossem os últimos 10 minutos do episódio, desistiria dela hoje.

  4. BettoMassa disse:

    Sinceramente, só ficar na esperança de que o “segredo” seja compensador é frustrante. A detetive não pensa nem por um segundo quando o Hauser manda ela ir tirar ele lá de dentro do Banco… O figurino do Soto tá ridículo! AHUAHAUAHUA E Huaser continua com a mesma expressão em TODAS as cenas… Mas, continuarei a ver!

  5. bibotalk disse:

    Poizé, o epi 03 já foi bem fraquinho, pensando no todo da série. Ainda não assisti ao 04, sempre gosto de ler review antes…
    Mas vou dar mais uns 3 episódios para Alcatraz, se não melhorar, vou deixar ela presa na ilha das séries que já foram boas, ao lado de True Blood…

    Vou dar mais tempo a BB, estou na segunda temporada e peloamordedeus, que drama!

  6. Engraçado que tenho consciência de todos os defeitos da série,mas continuo gostando dela mesmo assim…e claro que algumas coisas me incomodam,como a clarevidência de Rebecca ou o computador mental que Soto é as vezes,mas isso eu deixo passar..

    Quanto ao mistério da série não se movimentar tanto nesse começod e temporada,eu gosto de pensar que a série é simples e por isso se basea fortemente em ser basicamente um Procedural mesmo,e que tenta desenvolver e resolver um caso por vez,soltando apenas pedaços do mistério até que este se desenvolva (me lembra muito Fringe não?E essa não ficou boa com o tempo?).

    O único episódio que não gostei realmente ate aqui,foi o terceiro,mas adorei esse quarto, mesmo com seus problemas e roteiro cheiod e furos,acredito ate que gosto porque fazia tempo que não assistia uma série tão simples e absurda como esta,as séries que mais vejo (e acredito que a mioria está assim) são inteligentissimas e com roteiros sempre complexos e cheios de significados,ver uma série mais simples (mas longe de ser idiota),me agrada por enquanto

  7. Rafael Resende disse:

    Eu só verei mais 1 episódio. Se não melhorar muito no próximo, vou largar. Isso que o Igor falou da Rebeca adivinhar as coisas é realmente uma das piores coisas da série, ainda mais quando a gente leva em conta o que o Davi disse sobre ela (e os outros tb) não fazer as perguntas que um investigador faria ou deveria fazer. Vamos ver o que nos aguarda, mas por enquanto tô bem decepcionado com a série.

  8. Luciano disse:

    Eu pessoalmente dei o primeiro cartão amarelo para a série. Como no futebol, durante o campeonato (temporada) se toma o terceiro cartão amarelo fica suspenso. Simples assim.

    Por enquanto tudo muito forçado, e muito cheio de mentiras. A loirinha além de uma modelinho querendo parecer uma durona, não convence. O personagem dela está longe de ser humano, e parece muito com uma de revista em quadrinhos. O Hurley está cada vez mais irreal. Uma pessoa que possui 2 PhD e fica vendendo gibis? E porque ninguem carrega trauma de verdade na serie? Porque a médica voltou também? Inventar porta com luz ja me deixou com trauma desde lost.

    Alguém chame um roteirista de verdade, pois uma serie com bom potencial pode afundar se niguem escrever algo crivel ou entretenido.

  9. Anderson Lima disse:

    Mais um episódio cheio de coisas absurdas e bem fraco. Já não aguento mais ver o “Hurley” descobrindo do nada o nome do preso só por uma notícia. Isto está ficando absurdo. E concordo com os demais comentários a respeito do Huaser ter a mesma expressão em todas as cenas e todos os episódios e da detetive ser bem fraquinha no que tange a procedimentos de um detetive…

  10. Igor disse:

    Como o amigo Ricardo Marques disse. Se não fosse os últimos 10mim, tinha largado de vez. Deu uma esperança essas úlitmos 10mim :D

    Omtima review Dudu ;)

  11. Davi Garcia disse:

    Quem é Dudu? :P

  12. Ana Suel disse:

    Agora vc me fez pensar, eu estava gostando bastante da série por apenas me importar com o mistério. Eu só estava prestando atenção a isso, as chaves, o porquê do interesse do véio lá, a ótima e inexplicável adaptação dos presos com o nosso mundo e por aí vai. Não tinha parado para pensar no restante que engloba uma série. Para mim, até agora, estou achando bom do jeito que tá, porém sentirei o cansaço em breve se ela continuar nessa narrativa. Obrigada por me alertar. =D rsrs

    PS: Peraí, deixa ver se eu entendi: quer dizer que a policial loira (só para ver que eu não sei o nome de ninguém kkk) entrevistou a 1ª vítima do bandido lá e só entendeu que o cara seduzia as mulheres para ter acesso aos cofres, depois de comparar as imagens dos dois assaltos?! Não tinha ficado obvio aquilo? E outra, o gordinho já deveria saber disso, afinal ele estudou detalhadamente as táticas de cada preso.

  13. Ismael disse:

    Chegou a dar vergonha alheia no momento que A detetive descobre que o bandido seduz as caixas para atacar os bancos e fizeram atmosfera de grande revelação !

    Por favor, é a primeira coisa que qq detetive de meia tigela faria já que a primeira caixa claramente contou q ele a seduziu.

  14. Guilherme Martins disse:

    Disse tudo, Davi…

    A série parecia até que ia agradar, mas cada vez menos me empolga.

    A única coisa que ainda tenho certo interesse é quando são mostrados os flashbacks, mas quando a trama retorna pro tempo atual, nossa, cai demais o nível.

  15. Wesley disse:

    Por enquanto não empolgou muito, vamos ver até onde vai.

  16. Rafa Bauer disse:

    Episódio bem meia-boca. A parte da mitologia eu tô gostando, mas as histórias isoladas dos prisioneiros são MUITO ruins. Acho que essa equipe de roteiristas não está dando conta do recado.

    Fora que as resoluções dos conflitos desses episódio foram clichês e infantis. A velha solução do tubo de ventilação?? Vou distrair aquele grupo de policiais enquanto você entra no prédio (sendo que o lugar estava coalhado de policiais)?? Onde ela arranjou imediatamente um uniforme de policial?? Será que eles levam uma reserva no carro?? hahaah Fora os diálogos repletos de frases prontas, bobas… Achei esse episódio terrível!

    Eu acredito na fórmula da série, tem uma boa estrutura, tem uma mitologia que pode ser bem desenvolvida, mas os roteiristas não estão conseguindo desenvolver um bom conteúdo. Se continuar assim, logo logo abandono.

  17. christian disse:

    horrivel, fizeram muita propaganda, acho bom fazerem uma reviravolta, pois vai acabar como muitas outras, sendo cancelada.

Deixe uma resposta

ss