FOTO: REPRODUçãO

Por: Davi Garcia

The Firm: Aposta Fácil com Resultado Incerto

Por Davi Garcia

Imagine a situação: você tem experiência como roteirista e produtor de procedures jurídicos famosos como The Practice, Boston Legal e Law & Order, mas anda enfrentando dificuldades para emplacar uma produção nova. O que fazer? Bom, se você fosse Lukas Reiter, provavelmente consideraria a ideia de pegar um thriller já consagrado na literatura e no Cinema e expandí-lo numa série de TV. The Firm, que estreou nos EUA no último domingo, 7 de janeiro, e é baseada na obra de John Grisham que já teve filme estrelado por Tom Cruise na década de 90, faz exatamente isso. A diferença básica? Em vez de apostar numa releitura da história, a série simplesmente dá continuidade a ela.

A pergunta elementar aqui então é: preciso ter lido o livro ou visto o filme para conseguir acompanhar a série? Não necessariamente, já que, embora isso sem dúvida ajude, a série acaba dedicando um bom tempo de seu episódio Piloto duplo (que tem 85 min) mostrando flashbacks que contam a história do advogado Mitch McDeere (agora feito por Josh Lucas) e contextualizam sua situação 10 anos após os eventos do livro/filme. No presente, Mitch, então cansado de viver na clandestinidade do programa de proteção a testemunhas depois de ter ajudado a mandar um chefão da máfia para a prisão, decide reassumir sua identidade voltando a atuar como advogado criminal em Washington. Atitude que, convenhamos,  não chega a ser das mais sensatas ou inteligentes quando se está na lista negra de uma organização criminosa, certo?

Seja lá como for, é nesse argumento que a série se debruça para (tentar) construir uma narrativa que funcione tanto como procedural – cada episódio, a princípio, focará um caso isolado – bem como thriller de conspiração que se desenvolverá ao longo da temporada, haja visto que não demora muito para que o advogado volte a se envolver com uma poderosa Firma com identidade e discurso progressista e liberal, mas que logo revela ter uma agenda bem particular envolvendo Mitch e uma de suas clientes que seria a chave para a exposição de um grande e perigoso segredo capaz de arruinar muita gente, inclusive, claro, os próprios sócios da tal Firma.

Contando com roteiro e edição relativamente eficientes (a abertura frenética do episódio, por exemplo, dá um tom curioso à toda conspiração que se revela a seguir), além de um elenco que se não chega a ter o mesmo carisma de suas contrapartes do filme, tampouco compromete, The Firm, contudo, peca no excesso de cenas e diálogos expositivos a la CSI (fazendo questão de mostrar para o público tudo o que aconteceu em determinada situação) e na quase total superficialidade de uma trama que, considerando o Piloto, não traz nada de novo para o gênero na TV e que no fim não consegue nem ser tão inventiva quanto Damages já foi nem tão relevante no discurso quanto The Good Wife, por exemplo, o é atualmente.

 Que os próximos 20 episódios (se eu aguentar vê-los, claro) me provem o contrário.

4 respostas para “The Firm: Aposta Fácil com Resultado Incerto”

  1. Junior disse:

    Gostaria de entender como você tem acesso a essas séries, se por aqui ainda não há episódio para baixar!!! É apenas uma curiosidade de alguém que também ama séries.

  2. Fabio disse:

    Claro que ja tem disponível,e a muito tempo,é só vc procurar direito que acha!!

  3. Milena disse:

    Eu estou na metade e estou gostando..Depois volto pra comentar mais!

  4. Marcos disse:

    Assisti à série toda – roteiro improvável, quase inverossímel, mas com bom elenco. Pelo elenco, lamentável o fim do seriado!

Deixe uma resposta

ss