FOTO: REPRODUçãO

Por: Davi Garcia

The Walking Dead: 18 Miles Out

Por Davi Garcia

[com spoilers do episódio 2×10] Não que o argumento que colocou Rick e Shane isolados do resto do grupo para lavarem a roupa suja numa confrontação aberta, tenha sido uma ideia das mais criativas ou mesmo inteligente – afinal, seria bem mais fácil simplesmente interrogar o garoto para descobrir se ele poderia representar alguma ameaça antes de jogá-lo num carro e sair por aí expondo-se a mais riscos, né? Questionamento à parte, é justo reconhecer que a escolha desse artifício foi fundamental para criar bons momentos em que os dois ‘discutem a relação’ e sobretudo para aumentar a tensão das sequências em que eles se arrebentam por conta de mais um desentendimento e logo em seguida precisam lutar, de forma violenta, para sobreviver a um inesperado ataque zumbi (com destaque para a cena em que Rick, soterrado por eles, estoura os miolos de dois de uma só vez!).

Em 42 minutos deste “18 Miles Out”, o time de roteiristas de The Walking Dead, agora liderado por Glen Mazzara (que escreveu este episódio inclusive), parece deixar claro que encontrou uma fórmula de focar a trama no desenvolvimento do conflito dos personagens ou de eventos importantes (vide, por exemplo, a outra interessante confrontação que se dá na fazenda entre Lori e Andrea). Assim, sem diluir as atenções em muitas frentes, o episódio revisita o mistério por trás de toda a epidemia que transformou aquele mundo (a contaminação por contato é sugerida como explicação para que os errantes se multipliquem) reintegrando os próprios zumbis – e toda dose de gore que vem junto deles – nas ações que movimentam a trama e fazem os personagens encararem dilemas que os obrigam a rever conceitos e tomar decisões que podem significar vida ou morte.

Nisso, Rick, que claramente tem uma visão diametralmente oposta à de Shane no que tange ao aspecto da racionalidade, da estratégia (ele até planeja o que o grupo deveria fazer para se proteger mais à frente com a chegada do inverno) e, sobretudo, da moral que naquele mundo arrasado é colocada à prova em todos os momentos, acaba fazendo pelo parceiro, então prestes a virar comida de zumbi, o que este não fez por Otis quando vivenciou uma situação parecida. Isso, contudo, não deve significar uma virada de 180 graus na percepção que Shane terá de seu interesse por Lori ou mesmo da liderança desempenhada por Rick, mas deve representar um ponto de reflexão para o personagem que certamente refuta a ideia de terminar vagando sozinho como um zumbi qualquer perdido num campo isolado no meio do nada.

Mais envolvente, empolgante e com uma narrativa que se revela bem mais atraente desde o episódio 2×07, The Walking Dead parece ter definitivamente encontrando o ponto de equilíbrio que reflete o potencial que a série tem. Eu quero mais, e vocês?

28 respostas para “The Walking Dead: 18 Miles Out”

  1. S disse:

    O q foi aquele zumbi q o Shane viu na ida e na volta da fazenda? Seria um preludio do fim da fazenda? =D

  2. AugustoLP disse:

    Acho que o zumbi era justamente pra representar o “medo” do Shane de acabar como ele, vagando solitário por ai, como o Davi comentou no review.

  3. Diego disse:

    Episódio mais adulto da temporada… Meu, adorei todos os núcleos

  4. Davi disse:

    A música no final chama-se “Civilian”, de Wye Oak.

  5. Isabel disse:

    E eu, como mulher, me encolhia de vergonha toda vez que a Lori abria a boca…

  6. Miguel Mascarenhas disse:

    ele nao viu na volta. Aquela cena era a mesma do início do episódio

  7. Ismael disse:

    Hahah. Imaginei mesmo as mulheres indignadas com aquele papo.

    Amélia é pouco pra descrever.

  8. Ismael disse:

    “o episódio revisita o mistério por trás de toda a epidemia que transformou aquele mundo”

    Só falta comprovarem que arranhões ou outra forma mais superficial basta para contaminar.

    Explicaria o surto não ter sido contido facilmente, mas escancararia alguns furos.

    Vivem enfrentando os Zumbis no braço antes de conseguirem atirar ou esfaquear de perto e ficam cobertos de sangue quando conseguem.

    É duro uma mordida contaminar e um banho de sangue e partes de zumbi(como já fizeram até de propósito para disfarçar o cheiro na 1ª temporada) não ter problema.

  9. Davi Garcia disse:

    Concordo com você, Ismael. Até porque nesse mesmo episódio, o Shane usa uma faca que já fora usada para matar um zumbi para se cortar, o que, em tese poderia representar um grande risco de contaminação.

  10. Davi Garcia disse:

    Todos os diálogos da Lori nesse episódio parecem ter sido feitos para torná-la uma personagem ainda menos simpática do que já é. Ainda bem que a Andrea faz um ótimo contrapeso para a postura passiva e, sob muitos aspectos, de submissão que a mulher do Rick reflete.

  11. Renata Riveri disse:

    @Isabel
    Compartilho sua dor, pois tive a mesma reação. Ainda bem que a Andrea manteve a classe até para para respondê-la.

    @Davi Garcia
    E eu achando que isso não era possível (Lori ainda mais antipática).

  12. Renata Riveri disse:

    @Ismael
    Neste aspecto até que a primeira temporada se mostra mais cuidadosa: nesse episódio do banho de sangue (é o segundo), Rick e Glenn tiveram o cuidado de usar luvas e tipo um jaleco tanto na hora de cortar os zumbis quanto na hora de se cobrirem de sangue.

    Mas, em vários outros momentos (como esse do Shane usando a mesma faca para cortar sua mão) a coisa é bem forçada mesmo.

  13. LEANDRO DE SOUZA RAMOS disse:

    Olha Davi, com você explicando e episódio dessa maneira eu tendo a tentar gostar mais dele.

    Infelizmente achei muito lento e arrastado. Na fazenda, a volta da discussão de deixar ou não deixar as pessoas escolherem seu próprio caminho num mundo sem esperança.

    Na cidade, dois homens brigando pelo que mais é fútil e primitivo numa civilização normal que é a luta por uma mulher. Pois é isso que o Shane quer, ficar com Lori.

    Não consigo engolir ainda o tal jovem que salvaram dos zumbis não ter sequer passado um dia na fazenda, sendo devidamente tratado e interrogado.

    Enfim, pra mim o mais fraco dos três episódios até agora. Espero que melhore o ritmo das coisas.

    Grande abraço!

  14. LEANDRO DE SOUZA RAMOS disse:

    Engraçado que eu já vi o contrário. Não que eu goste da Lori, mas acho que ela tem mais razão do que a Andrea. Manter o equilibrio e bem estar do grupo, mesmo que seja fazendo as tarefas ditas domésticas, é de mais ajuda do que querer a todo custo atirar em zumbis. Vide Andrea acertando Daryl achando que era um zumbi.

    O que aliás refletem os momentos das duas na série. Lori tem os filhos e o marido. Andrea não tem mais nada. As motivações das duas são completamente opostas.

  15. Marcos José disse:

    O que mais me irritou de todos os absurdos do episódio foi o cara estar com a perna quase curada depois do que aconteceu no episódio anterior. Alguém me explica como ele pode estar de pé e andando, ainda que mancasse um pouco, depois do Rick ter arrancado a perna dele que tinha sido varada pelas grades de um portão.

  16. César disse:

    The Walking Dead fica melhor a cada episódio, a série envolve uma história inteligente e bons conflitos (pela vida, pelo amor, pela família), a série causa empolgação, estou ansioso pelos próximos episódios!

  17. Danilo disse:

    Na HQ, ao contrário do a grande maioria dos filmes e histórias do gênero adota como cânone para transformação, é mostrado que a contaminação, de fato, não existe. O retorno em “estado zumbi” é comum a todo tipo de morte naquela situação, seja causada por um “walker” ou não, bastando não existir dano cerebral. Um infartado voltaria como zumbi, por exemplo. A mordida só se torna uma causa rápida de morte, uma espécie de envenenamento.

  18. Davi Garcia disse:

    Leandro, a verdade é que o ‘evento zumbi’ transformou todos os sobreviventes em parentes do Wolverine. Só isso explica o fato do Rick ter sobrevivido um tempão no hospital ligado a máquinas que não funcionavam (sequer soro o cara recebia hehe) ou ainda o fato do Carl tomar um tirambaço no peito e 1 mês depois já estar andando pela fazenda como se nada tivesse acontecido. O mesmo, portanto, se aplica ao Randall que teve a perna quase amputada e ainda assim consegue se mexer sem maiores problemas pouco tempo depois :P

  19. gabrielgb disse:

    Precisamos entender que.. ou prestamos atenção nos detalhes de como a pessoa vira zumbi (seja por mordida, por banho de sangue ou qualquer coisa do tipo), como o cara anda depois de praticamente 48h de arrancar a perna OU deixamos isso de lado e continuamos a nos entreter com episódios que pra mim estão ficando cada vez melhores !!!!!!!

  20. Diogo Carneiro disse:

    Pessoal, posso estar viajando, mas alguém já parou pra pensar que o zumbi que Shane vê no campo pode não ser um zumbi? Tive a nítida impressão de que o andar dele era diferente do andar dos “walkers” que vimos até agora na série. Na verdade me pareceu mais com o andar de um homem muito cansado. Principalmente no final do episódio.

  21. Davi Garcia disse:

    Para mim também estão, Gabriel. O fato da série ter buracos de lógica, não diminui em nada a diversão que ela tem me proporcionado ;)

  22. Ismael disse:

    Nâo precisa ser uma coisa ou outra.

    Para mim funciona assim: Quanto melhor estiver a história, no enredo e no ritmo, menos eu presto atenção a esses detalhes. Ou até mesmo me importo quando percebo um furo.

    Esse episódio de Walking Dead foi menos ruim, não o acho tão bom assim. Mas no geral, a temporada está lenta.

    Estamos na mesma situação deles, ficaram uns 5 episódios “coçando” naquela fazenda, esperando a guriazinha aparecer. Aquela coisa, o ócio é morada do diabo. Para os personagens e para os expectadores.

    Não me dão algo bom para ver, me distraio com os detalhes.

    E as criticas feitas sobre formas de contaminação vão além, se tratam do funcionamento em geral da história da série.

    Infelizmente não tem como não pensar que um grande mutirão de sobreviventes conseguiria acabar com o problema. Todo mundo se empenha em matar o máximo possível de zumbis e deu, acabou a série.

    Eles podem evitar isso dando um mínimo de explicações coerentes. Criando algum tipo de contaminação proposital, resistência ou não devido ao DNA…

    Senão vira um BBB de gente rodeada por mortos vivos.

  23. Ismael disse:

    Ah, e já que a verosimilhança está em voga….

    O certo na história era chegando na fazenda, o Shane esquecer que a Lori Trancredi existe.

    O velho Hershel tem duas filhas lindíssimas, quem iria se preocupar com aquela magrela, amélia chata ?

    O Glen sim que iria ter de se cuidar.

  24. Marcos Fontes disse:

    Passaram 5 ou 6 episódios para achar a Sofia, agora o resto da temporada será decidindo se matam ou não o carinha… Haja saco!

  25. Renata disse:

    Caramba! Já que vcs não tiveram a coragem de matar o chatinho do Carl, poderiam fazer o favor de matar a Lori né?!

  26. Bruno Zé disse:

    Sem falar que, tal qual Lost, a série é mais sobre “pessoas reagindo/vivendo em condições extremas” e menos sobre os zumbis e tal. Para mim, está disputando (e perdendo) com Game of Thrones pelo posto de série mais legal do momento.

  27. Hugo disse:

    Acho que a muita gente que acha a série lenta está preso a ideia de que eles precisam continuar viajando, encontrar alguma resposta na frente. Quando parei de esperar por isso e me foquei em degustar o desenvolvimento dos personagens, em como eles reagem às situações, em como tudo vai ficando mais pesado e dificil, passei a apreciar ainda mais a série! Afinal, é sobre isso que ela trata, e não sobre respostas sobre os zumbis e se tem gente sobrevivente que vá salvá-los daquilo. Podem passar mais de um ano naquela fazenda, desde que continuem o ótimo desenvolvimento dos personagens, com esse diálogos e referências nas cenas, como a do zumbi caminhando sozinho nesse último ep. Vou continuar adorando e sem sentir necessidade de que as coisas acelerem! Ah, e esses detalhes sobre o cara andar pouco tempo depois de quase perder a perna eu considero licença poética! Se reclamam que a série está lenta imaginem se tivessem que seguir à risca a cronologia natural de recuperação de todas as pessoas que se ferem, né…

  28. Zevedo disse:

    Se aquela cena era a mesma da ida, ficou muito mal colocada ali, e o zumbi é um jato, pq ta atravessando um campo na diagonal, e ainda ultrapassa o carro e encontra com ele lá na frente.
    Pra mim aquela cena é da volta mesmo. Acho que da pra ver as marcas dos machucados que ele ganhou durante o dia. Só que ficou mal feita também, pq se ele está voltando, o zumbi deveria estar do lado contrário. Mas…. vai saber né…

Deixe uma resposta

ss