FOTO: REPRODUçãO

Por: Bruna Bottin

Uma Surpresa Chamada Revenge

por Bruna Bottin

[com spoilers até o episódio 1×16] Adoro quando começo a assistir uma série sem esperança alguma e recebo uma grande surpresa. Minha história com Revenge começa assim. Não vou dizer que este é o melhor drama no ar (não é), mas que tem aquele gostinho a mais que te deixa ansioso para o próximo capítulo, ah, isso tem sim. A trama gira em torno de Amanda Clarke (Emily VanCamp, de Brothers & Sisters), uma menina que cresceu separada do seu pai graças a acusações falsas que foram armadas contra ele. Após anos acreditando que ele era realmente culpado, Amanda foi surpreendida ao receber uma caixa que continha todas as informações sobre os verdadeiros responsáveis pela prisão, além de uma herança milionária. Com todas as peças formando o quebra-cabeça, Amanda Clarke deixou de ser a menina ingênua para se tornar Emily Thorne, uma jovem rica e exemplar da alta sociedade que adquire esta falsa identidade e retorna aos Hamptons para começar seu longo processo de vingança, que inclui derrubar todos os envolvidos na injusta prisão de David Clarke.

Nesse contexto, Revenge inicia com um ritmo bem fraco, mas com o trunfo de suas primeiras cenas se passarem meses no futuro, bem no noivado da moça com o milionário herdeiro Daniel Grayson, o filho dos seus principais alvos: Conrad e Victoria Grayson. Esta última, por sinal, é a pessoa que mais motiva os planos de Emily, e ao mesmo tempo Victoria Grayson tem sérias desconfianças em torno da nova moradora. Usando aquela velha fórmula de “caso da semana”, a série trata cada vingança dessa maneira, o que acabou ficando um pouco forçado no início. Mas com o decorrer da temporada esse perfil foi sendo deixado para trás e começamos a conhecer melhor a história de cada indivíduo que consta na lista de vingança. Lydia foi a mais aproveitada na trama, não sendo apenas a amante do marido da poderosa Victoria, como também uma grande pedra no caminho. A verdade é que Lydia acabou passando por maus bocados graças a sua determinação para voltar a morar nos Hamptons. Com algumas informações plantadas por Emily em seu apartamento, Frank (o segurança louco da família Grayson) concluiu que a loira poderia ser prejudicial a Victoria e tentou com todas as forças dar um fim em sua vida. Mas quem poderia imaginar que Lydia iria cair do alto de um prédio e continuar viva? Foi quando algumas coisas começaram a dar errado nos planos tão bem executados por Emily é que o drama ficou realmente imperdível. O próprio Frank acabou morto pela verdadeira Emily Thorne após esta descobrir a troca de identidades, e a nossa protagonista precisou agir rápido para contornar a confusão.

Boa parte dos capítulos passeia entre esses altos e baixos, mas sempre resultando na volta por cima de Emily, que na maioria das vezes possui algum contato como coringa para resolver tudo. Um dos contatos permanentes é Nolan Ross. O bilionário da internet possui grandes sacadas e todo seu estilo andrógeno compõe uma figura única, com destaques para as cenas calientes que ele teve com o psicótico Tyler. Nolan muitas vezes tenta fugir dos planos de vingança, mas descobre que Emily não irá deixa-lo em paz depois que o mesmo implorou para ajudar. Já Tyler foi um excelente vilão e deu um ritmo ótimo nos capítulos em que conhecemos seu lado doentio e perigoso, envolvendo até a sem sal da Ashley – a assistente faz-tudo de Victoria que a cada capítulo descobrimos ser mais malandra do que aparenta. O sucesso de Revenge vem graças a uma forte característica: personagens interessantes. Através dos flashbacks sempre presentes na narrativa da série, conhecemos dois lados de Victoria; no passado como uma mulher apaixonada pelo amante David Clarke, e no futuro como uma mulher extremamente amarga e desconfiada. Eu particularmente não sou grande fã da atriz Madeleine Stowe, pois sua atuação como Victoria a confere uma pose de muito mais poderosa do que de fato é. Já o ator Henry Czerny interpreta perfeitamente bem esse estilo de figura política e corrupta do mundo coorporativo que é Conrad Grayson. Os cenários de Revenge são uma atração à parte, embora a maioria das cenas sejam gravadas em estúdio com a técnica chroma key (mas o resultado é bem plausível). As festas realizadas pela matriarca Victoria são maravilhosas e trazem alguns dos pontos altos do drama. Nos 16 episódios que já foram ao ar já vimos pelo menos uns 10 eventos da high society, puro luxo.

O drama, exibido pelo canal americano ABC, está em pausa desde o final de fevereiro, após finalmente alcançar o futuro mostrado no início do episódio piloto: o noivado de Daniel e Emily que resultou na morte de Tyler. No capítulo Scandal vimos o resultado desses acontecimentos (Daniel é preso) e descobrimos que quem de fato matou Tyler foi o mentor de Emily na vingança, Sr. Takeda. Revenge retorna só no dia 18 de abril, ou seja, muito sofrimento até lá. Recomendo a série para todos que gostam de uma trama cheia de intrigas e que sempre deixa muito assunto para repercutir a cada final de episódio.

13 respostas para “Uma Surpresa Chamada Revenge”

  1. Tiago disse:

    Também não botava muita fé nisso, mas estou curtindo, esse gostinho no final do episódio de querer ver o próximo é muito bom, e provavelmente o que mantém a série com chances de renovação.

  2. Tito Machado disse:

    Pra mim, apesar de não ser a melhor estréia nem o melhor drama, é a maior surpresa da temporada… comecei assistir casualmente e me vi fisgado nessa confusão toda, e com vontade de passar os meus verões americanos nos Hamptons!! =)

  3. reca disse:

    meio tarde hein.. zombavam a serie no twitter se nem antes acompanhar tsc tsc tsc

  4. Lígia disse:

    revenge é daquelas é-ruim-mas-é-boa. a protagonista é péssima atriz, tem um ou outro furo no roteiro, a trama tem um quê de novela mexicana e as surpresas nem são tão surpreendentes assim (sério, alguém ficou surpreso quando a emily descobriu sobre a charlotte?). mas acabei torcendo pra mocinha e continuo vendo pra descobrir o que vai acontecer…
    agora me ajuda aqui, deu um branco… o que aconteceu com a lydia?

  5. Darlan disse:

    Parabéns pelo texto bruna. revenge é realmente uma série surpreendente. Não dava nada pela série, mas ela conseguiu me conquistar e agora já sou apegado demais para largar. O que mais gosto é que não tem muita enrolação na trama. Acontecem milhares de plots por episódio, quase todos linkados com o mote principal da série. É uma boa pedida pra quem gosta de reviravoltas, rsrsrs

  6. Lucas disse:

    As atuações são horríveis demais, parece aqueles filmes trash.

  7. Rodolfo disse:

    É uma das minhas favoritas entre as estréias recentes. Novelesca sim, mas tem seus méritos. Povinho falou mal, muitos pararam no piloto (que nem era ruim) e agora mal sabem o que estão perdendo. E discordo quando dizem que a Emily é uma atriz ruim. Acho que ela dá conta do recado muito bem.

    Sobre a renovação: Com certeza a ABC renovará. A audiência é boa e o show tem sido bastante comentado nos EUA. O público curtiu.

  8. Bruna Bottin disse:

    Olá Lígia, a Lydia saiu do cativeiro que era a mansão Grayson. O Conrad, se não me engano, arrumou algum lugar para ela ficar. Mas desde então não vimos mais a personagem.

  9. Bruno Carvalho disse:

    Continuo achando uma novelinha boba. O autor do texto não é o autor do Twitter.

  10. Koinha disse:

    Adoro essa série!! Cada episódio uma surpresa!! Muito bom!!!!

  11. Elielson disse:

    Adoro a série. Gostei do texto, mas não concordo quando diz que a série navega entre altos e baixos nos episódios, muito pelo contrário, até agora não houve um episódio abaixo de bom. Também não acho a Emily uma atriz ruim, como disseram acima, ela dá conta do recado.

  12. Eduardo disse:

    A série começou parecendo novela melhorada da Record. Mas depois de quatro episódios o nível subiu, e muito.

    Eu achei que não poderia mais melhorar, e a série continuaria apenas ‘boa’ e servindo de passatempo despretensioso. Mas o que foram os últimos três episódios? Revenge evoluiu tanto que não dá nem pra acreditar.

    Saiu da minha lista de ‘vejo quando der’ e já é prioridade. Não é nada inovadora e muito menos um dos melhores dramas atuais, mas é muito eficiente no que se propõe a fazer.

    E discordo muito que a Emily não é boa atriz. Um olhar daquela menina e o espectador sabe exatamente o que ela está pensando. E são tantos sentimentos! Ódio, dúvida, desprezo, piedade… E a personagem nunca precisa verbalizar essas impressões. A Emily Vancamp mostra tudo no olhar e na expressão facial.

  13. Marie disse:

    A atriz é ruim? oh god, atriz boa pra você deve ser das novelinhas da record então rs. Emily está otima no papel.. a série está muito boa, dá vontade de assistir com gostinho de quero mais

Deixe uma resposta

ss