FOTO: REPRODUçãO

Por: Davi Garcia

Fringe: Brave New World, Part 1

[com spoilers do episódio 4×21] Por terem a função base de preparar um determinado cenário ou uma situação específica, episódios que antecedem finais de temporada geralmente tendem a ser mais burocráticos e a guardarem as grandes surpresas para o capítulo derradeiro. A parte 1 de Brave New World, o season finale de Fringe, contudo, ficou longe de ser assim e funcionou quase como um divertido (principalmente por conta das tiradas de Walter, claro) e surpreendente tira gosto que certamente não deixa nada a dever para o prato principal

Centrado no curioso caso de pessoas que entram em combustão instantânea provocada por quimeras nanobóticas (conforme nos explica Walter), o episódio não só trouxe reviravoltas interessantes (Olivia descobrindo dons novos como, por exemplo, de telecinese), como também confirmou uma suspeita que eu levantara ao final do comentário sobre Letters of Transit: a de que William Bell estava vivo e era, esse tempo todo, o homem por trás das ações de David Robert Jones que, aliás, teve uma ‘nova’ morte que rimou visualmente (o rosto sendo dividido ao meio) com aquela que vimos na 1ª temporada.

A grande questão que se coloca agora portanto – além daquelas que já estão em aberto, claro (os universos se fundirão? Olivia morrerá?) -, gira em torno das motivações que levariam William Bell a ressurgir agora como o grande vilão(?) da trama. Afinal, se a linha temporal reescrita representou, como destaquei aqui, mudanças comportamentais positivas em personagens que antes víamos como antagonistas, não deixa de ser surpreendente que um ‘mocinho’ mude de lado, certo?

Bom, seja lá como for, uma coisa é certa: com uma morte significativa (Jones), uma descoberta importante (de Olivia) e um retorno impactante (Bell), a parte 1 de Brave New World foi eficiente não só como peça introdutória para o end game da temporada, mas sobretudo como outro belo capítulo dentro da história de Fringe. E que venha o season finale!

Outras observações:

– Walter questionando Jessica (participação especial de Rebecca Mader, a Charlotte de LOST) se ela era uma alienígena participando de uma invasão e mais tarde ‘farejando’ algo que pudesse lhe dar um indício da passagem de William Bell por Saint Clair. Priceless!

– Os temores e receios que Olivia manifesta a Peter surgem em função das experiências de trabalho ou seriam mais motivados pelas palavras ditas por September no início da temporada? Aliás, como a Henrietta que vimos em 2036 se encaixará nessa história?

– Um ponto bem curioso foi levantado pela Fringepedia com relação ao título do season finale: Brave New World é um romance de 1931 sobre um futuro distópico no qual um pequeno grupo de pessoas comanda uma sociedade regida por um conceito básico: adeque-se ou morra, uma ideia que lembra muito aquele futuro controlado pelos observadores, não?

– Não sei vocês, mas já vejo ações de William Bell como elementos catalisadores daquele futuro. E se assim for, já até imagino a 5ª e última temporada da série tendo sua narrativa dividida entre os eventos do futuro e do presente. Será?

 

27 respostas para “Fringe: Brave New World, Part 1”

  1. @helder1965 disse:

    A atriz que fez a diretora do hospício é Samantha Noble, filha de John Noble!
    Ele brinca com isso dizendo:

    “I must say, you’re much prettier than your predecessor.”

    @helder1965:twitter

  2. Davi Garcia disse:

    Opa, que bela curiosidade. Obrigado por dividir conosco, Helder.

  3. Ai, Davi… Nem falou da Astro. Mesmo sabendo que ela apareceu no Letters of Transit, eu estou preocupada.

  4. Dani Fuller disse:

    Tirando a descoberta de ‘novos poderes’ para Olivia… e o choque com a possível morte no final da Astrid….. eu não gostei muito desse episódio….
    ñ foi tão impactante e faltou emoção……  ou talvez eu esteja exagerando…. q venha a season finale

  5. Rêe =D disse:

    ” Os temores e receios que Olivia manifesta a Peter surgem em função das experiências de trabalho ou seriam mais motivados pelas palavras ditas por September no início da temporada? Aliás, como a Henrietta que vimos em 2036 se encaixará nessa história?”

    Porque, talvez, ela já está grávida e, ainda, não sabe? Segundo a matemática, a Etta é de 2012 então….

  6. Nina disse:

    Gostei da review, e concordo com ela, este episódio me deixou aflita o que iria acontecer com o nosso quarteto, mas a surpresa foi o tiro na Astrid, mas realmente fica a esperança do que vimos no futuro. Agora onde está o observer? Não consegui achá-lo.

  7. Juan Lopes disse:

    Não sei se fico preocupado com a Astrid ou não… Em nenhum momento, como foi com o finale da S03, um futuro possível. Letters of Transit foi o futuro por si mesmo, então espero que Astrid sobreviva. 

    Sobre o episódio… Ver Bell de novo no seriado foi bizarro. Ainda mais como um “vilão”. Mas como a Nina deixa bem claro, Bell jamais faria aquilo. Ou pelo menos não pelas razões mais corretas. Dado que Bell está no time Fringe em 2016 e preso no âmbar em 2036, é possível que, no fim, Bell só esteja criando maneiras de impedir que os Observadores venham. Ou não, só uma breve teoria.

    Por falta de menção do segundo universo no trâmite de 2036, pode ser que o segundo universo desapareça. Os Observadores vem e populam somente este? Difícil. 
    Ou ele continua lá, também comandado por observadores, ou demolido como consequências do que está acontecendo agora. 

    E com o que Davi disse, é possível que a 5ª temporada fique saltando entre o presente e 2036. Tenho certeza que a morte da Olívia teria mais impacto em um series finale, ao mesmo tempo mostrando o fim da história. Não duvido. 
    Outra, Olivia é um personagem querido. Deixá-la de fora da temporada final, ou sequer da metade dela, seria meio frustrante. Eu acho. 

    O episódio em si foi ótimo. Ri litros com a piada do Peter de “não cruze os raios”, ótima menção ao Ghostbusters.

  8. Não entendi ainda como William Bell pode ter mudado tanto pelo fato de Peter ter sido apagado da linha do tempo. Não sei se me lembro bem, mas na linha do tempo original poucos fatos interferiam diretamente com William Bell.

  9. Porque até então eu achava que apenas os fatos após o incidente com Walter e Peter teriam sido alterados, e seria preciso algo impactante para mudar toda a personalidade em apenas 20 e poucos anos. A não ser que William Bell esteja com intenções boas, que ainda não entendemos, que seja beneficente aos dois universos.

  10. Rosangela disse:

    Simplesmente amo o Walter. Que ator fantástico o John Noble! Com ele a gente ri, sorri, se comove, enfim, basta um olhar. Pode ser um cientista duro (como qdo “Walternativo” antes do sumiço do Peter) ou então em seus momentos ingênuos e doces do lado de cá. É simplesmente apaixonante!

    Agora eu acho que a agressão do Jones pra cima do Peter ocorreu novamente para testarem os poderes da Olivia. Foi assim da outra vez, quando ela acendeu as luzes. A partir do momento que o William Bell tiver uma noção da dimensão dos poderes dela, vai rolar seja o que for que causará o sumiço, morte dela no futuro.

    Não fiquei preocupada com a Astrid (adoro ela tb), afinal ela está viva no futuro. Imagino que o William Bell poderá mostrar ao Walter a forma como se regenerou/curou do linfoma aplicando na amiga do nosso querido personagem o mesmo que fez em si.

  11. Desde a hora que eles estavam na cama e ela disse “berçário” eu já desconfiei disso shausahsuh

  12. Rodolfo Costa disse:

    A Astrid deve sobreviver, afinal, ela estava no episódio de 2036. A 5ª temporada se passará no futuro?

  13. Miron Alighieri disse:

    Os fatos abaixo e alguns comentários aqui feitos me levam a crer em algo:
    – A surpreendente mudança de lado de Bell
    – A nova espécie hibrida que ele e Jones criaram
    – As outras crianças do cortexphan que apareceram e tinham em mente que eram soldados
    – Bell forçando os poderes de Olivia a se manifestarem
    – O futuro em 2036 dominado pelos Observadores

    Isso tudo, está me fazendo pensar que Bell sabe da invasão dos Observadores e está se preparando para combate-los. Seja criando um exército, com a espécie hibrida, seja trazendo os poderes de Olivia à tona, seja juntando os outros que foram usados nos experimentos de Cortexphan, e talvez, unindo os dois universos pensando em ter um terceiro mais forte e capaz de lutar contra os observadores. Bom, este ultimo ponto é mais viagem.

    Ah, como é bom poder acompanhar esta série e tudo que ela gera!

  14. AltairRamos disse:

     Incrível como eu tinha certeza que Jones seria derrotado logo, sempre achei duvidoso o fato de ele aparecer tão pouco, tendo a sua participação relegada ao plano do nosso imaginário.
    Quanto a história do Bispo/ Bishop, foi uma jogada de mestre de W. Bell, pois poderia ter acabado com Peter Bishop, e assim anulava os poderes de Olívia, ou acabaria com o seu bispo, D.R. Jones, que já não era mais necessário.
    Bell mudando de lado, não acredito, ele diz que a última vez que mexeu no tabuleiro foi há 20 anos, quer dizer um plano bem antigo. Ele pode até ser o AltBell.
    A coisa sem nexo de tudo isso, é criar 2 eventos totalmente diversos, somente para atrair a equipe fringe, embora, eu tenha sentido um ar de desconfiança quando a ruiva auto-combustiva Jessica Holt, afirma a Olivia que irá ligar, não é que ela aparece na promo da final. Teria ela realmente ligado para casa enquanto estava no laboratório de Walter? Muito suspeita aquela situação…
    A gravidez de Olivia esta potencializando os efeitos do cortexpan.
    Astro, com um tiro, creio que o próprio Bell possa cura-la.
    Bolinho com cérebro de porco, limão e cortexipan, quero a receita, vou economizar uma boa grana na padaria.

  15. Juliano haussen disse:

    Importante lembrar que na primeira temporada sempre falaram na criação de um exercito para enfrentar uma guerra que estava por vir. Talvez esta guerra se trave agora contra os observadores. Se pensar mais adiante talvez September tenha salvo o Peter porque sabe que ele é um importante catalisador dos poderes da Olívia.

  16. Lindelendil disse:

    Está ficando perfeito igual Lost essa serie

  17. Douglas Martins disse:

    Desculpe discordar, mas achei este episódio fraquíssimo perante tudo aquilo que FRINGE vinha construindo tão bem. Pontos negativos pra mim que enfraqueceram o episódio: Qual foi o objetivo de infectar aquelas pessoas com robozinhos?? Foi só um modo de Bell mostrar ao Walter que era ele que estava por trás de tudo?? Não seria mais fácil um video no youtube e mandar um link pro e-mail da Astrid, hehe?? E o tão astuto e meticuloso Jones foi pra cima do Peter com um PÉ DE CABRA?? ele elabora destruir Chicago inteira pra atrair a atenção do “Bishop errado” e vai pra cima com um, repito, PÉ DE CABRA?? E a fuga ninja da Astrid?? Pára, que forçado.. 3 carinhas tinham os dois na mira, ela dá um chutin no joelho de um e foge de bouáça carregando um senhor mancando e os outros dois só olham, esperam eles virarem a eskina e só aí sacam duas METRALADORAS para atirarem!! Muito forçado..Torcendo para que expliquem a incapacidade do Jones em atirar com uma arma.. e a inércia dos “guarda-costas” do Bell.. (vai, desse jeito ele estava mesmo era querendo ser descoberto)

  18. Douglas Martins disse:

    Eu tbm acho!! Exatamente… por isso acredito que o Bell seja exatamente oq conhecíamos!! Acho que tudo que ele fez e está fazendo é para o BEM e com um objetivo nobre no final! Uma mudança súbita no comportamento dele transformando-o em O grande vilão de tudo seria forçado pra caramaba e iria parecer algo bolado de última hora por estes roteiristas tão bons!! Só isso pra explicar a DISPLICÊNCIA dos “guardas-costas” do Bell na Fuga ninja e impossível da Astrid lá na base secreta dele.. e da “bunda molice” do Jones frente ao Peter !!!! É tudo parte do plano!

  19. Zé das Couves disse:

    Ainda bem, achei que só eu não tinha gostado… 

  20. Zé das Couves disse:

    Ia escrever exatamente isso. Concordo em gênero, número e grau. 

    Achei o episódio fraco, parecendo mal escrito. Talvez em parte porque deve ter sido uma “colcha de retalhos” com pedaços do que seria se o “series finale” fosse decidido (afinal, eles começaram a filmar ANTES de saber se a série ia acabar ou não…).

    Coisas esquisitas:

    1) Dois casos “fringe” no mesmo episódio (os “nanites” e o “raio de luz solar”), muita “informação” pra um episódio só.

    2) o Bell armou um “jogo de xadrez” complicado demais para matar Jones (era mais fácil mandar um dos capangas fazer o serviço e pronto).

    3) Jones e seu “pé de cabra” (como o amigo citou)… Que ridículo… Um tiro seria bem mais fácil e sem riscos, não?!?

    4) O próprio fim patético de Jones (“o bispo era eu”?!? WTF???) parece ser uma decisão de não explicar alguma coisa… Fiquei preocupado. O cara era muito importante (ou parecia ser) na trama pra acabar dessa forma estúpida.

    Enfim… espero sinceramente que o próximo seja MUITO melhor e mais bem bolado que esse!

  21. Davi Garcia disse:

    Mas e se a ação de Jones (usando um instrumento menos letal, digamos) foi uma jogada deliberada pelo William Bell? A Rosangela fez um comentário muito pertinenete logo acima e que cito aqui:

    Agora eu acho que a agressão do Jones pra cima do Peter ocorreu novamente para testarem os poderes da Olivia. Foi assim da outra vez, quando ela acendeu as luzes. A partir do momento que o William Bell tiver uma noção da dimensão dos poderes dela, vai rolar seja o que for que causará o sumiço, morte dela no futuro.

    Se o Jones era a peça descartável do processo e o Bell precisava criar uma situação para testar os poderes da Olivia, matar Peter com um tiro não resolveria nada, não é mesmo?

  22. Miron Alighieri disse:

    Então, na questão dos Nanites não ficou muito claro o que Bell queria com eles.Após Olivia usar seus poderes para deter o efeito dos Nanites Jones chega pra Bell e diz que Olivia os venceu e Bell responde que não se deve confundir um movimento vitorioso com a vitória em si, aí ele coloca toda aquela história do xadrez e fala sobre sacrificar o bispo(bishop). Indo por este lado, Bell pode ter planejado os Nanites justamente para despertar a telecinesia de Olivia. Estou aqui tentando entender a questão com os dados do episódio, pode ser viagem e estou aberto a outras teorias. Quanto aos outros pontos que você colocou, não discordo, a Astrid apesar de ser do FBI nunca mostrou estes dotes ninja que esperamos de agentes ultra treinados, e do nada ela se mostrar muito habilidosa em defesa pessoal e armas ficou meio forçado. Se pensarmos na questão de agente do FBI, todos devem ter um treinamento para lidar com situações de perigo e lidar com armas, e pode ser que colocaram isso neste episódio para não soar forçado quando a “Guerra” começar. Porém já soou forçado agora dada a forma como ela sempre apareceu na série. Mas este fato não me agrediu dentro do universo da série. Acho que outras coisas compensam pequenas “falhas” como esta. Quanto ao Jones, eu concordo mais ainda com você. Ele pareceu realmente ingênuo após ter sido mostrado como um personagem meticuloso, planejador, etc e ter um fim daquele. Pode ser que isso indique que ele nunca foi esse cara foda que víamos e sempre esteve sendo comandado por Bell, mas mesmo se isso se confirmar, fica a frustração de ver um personagem de peso ser reduzido a um mero fantoche descartável de Bell. Mesmo que ele estivesse sob as ordens de Bell eu esperava dele uma motivação maior sem ser só seguir o Bell. Mas novamente, dado a tudo que a série tem me dado este ponto não estraga este season finale para mim. Ainda gostei bastante do episódio, como episódio preparatório para um final que estou muito ansioso para ver.

  23. Miron Alighieri disse:

    Então, os dois casos Fringe nem foram o problema para mim. Não acho informação demais ainda mais pra quem acompanha uma série como Fringe. Os dois eventos foram planejados , no meu ponto de vista, para Olivia. Os Nanites foram para Olivia despertar a telecinesia.  O raio solar foi mesmo para colocar Peter e Olivia juntos contra Jones e causar o embate para sacrificar o bispo e assim despertar de vez a telecinesia de Olivia mostrando que ela atingiu um novo nível do poder, conseguindo agora controlar totalmente a telecinesia. Isto deixa claro que Bell não matou Jones apenas por matar, como ele disse foi um sacrifício, que como vimos, serviu para ativar de vez a telecinesia de Olivia. Em episódios anteriores já foi falado que Olivia se motivava mais e conseguia usar seus poderes com Peter em perigo. E eu mesmo questionei a importância de Jones dada a forma como ele foi descartado por Bell, mas o próprio Bell cita o bispo como sendo a principal peça do jogo dele, e que mesmo assim ele precisava ser sacrificado. Com isso, entendi que Jones era sim importante, mas concordo que a morte dele pareceu ingênua demais para a força que o personagem ganhou até aquela altura. Tudo isso, para mim, ainda mostra que Bell realmente está se preparando para a “guerra” que virá, e algumas forçadas de barra, talvez pela pressão em ter que dar um fim mais rápido para a série devido a audiência, aconteceram e acontecerão, e teremos que realmente tentar deixar de ver os detalhes para conseguir ver o todo. É nisso que estou me focando e assim continuo curtindo tudo que veio.

  24. Douglas Martins disse:

    Exatamente Zé… se o plano era matar o Jones.. MUITO mais eficaz mandar um capanga qualquer fazer o serviço! Deram uma volta absurda! Ah naum ser que na verdade o Bell queria que a Olivia tivesse seus poderes avançando mais um level.. aí até pode ser.. e ele aproveitou e tirou o Jones da jogada. Tbm achei a morte do Jones muito abrupta e simples.. acredito tbm no que vc falou sobre a filmagem ocorrer sob a insegurança de uma nova temporada.. daí, bom ou ruim, deram um jeito de terminar a historia do Jones. Vamos esperar e torcer pra melhorar MUITO mesmo!! 

  25. Douglas Martins disse:

    Perfeito Miron… Pensei nisso tbm e esta tem que ser a resposta. O objetivo era despertar os poderes da Olivia de uma vez por todas. Faz todo o sentido. E eu ainda acho que o Bell não é o vilão. Naum sei exatamente como, mas acredito que ele busca um bem maior nas ações dele. E ele se deixou ser descoberto muito facilmente nesta reta final.

  26. Marina Maciel disse:

     Concordo com o fato de despertar as habilidades da Olivia. Ela age por pressão e compaixão, era a única forma de despertar seus poderes. E a Astrid ficou meio sacado, mas talvez eles queiram crescer um pouco mais com a personagem também (antes de acabar tudo)…
    Acho que o Bell fez aquele ataque com esses dois objetivos, ativar os poderes da Olivia e chamar a atenção de Walter. Ele sabia que o Walter ia perceber sua assinatura naquela experiencia e que ele iria tentar encontrá-lo. Foi meramente um ataque para chamar a atenção da equipe Fringe.
    Não dá pra saber se ele é o vilão, nunca deu. Na primeira vez que ele aparece também era incerto se ele era vilão ou não. E isso me fez lembrar daquela conversa que ele teve com a Olivia pela primeira vez…

  27. Zé das Couves disse:

    Pô, mas “péra” um pouco… 

    O Bell sabia que o Walter ia desconfiar que ele estivesse por trás dos panos por conta da “assinatura” nos nanites. Ok, até aí tudo bem! 

    Mas, daí a ele lembrar de uma visita ao hospício trocentos anos antes e descobrir o cheiro de amêndoas só depois de pegar o papel e fazer um bolinho de porco com cortexiphan, pra daí lembrar do armazém sinistro onde Bell poderia estar escondido, vai uma distância daqui até o Universo B… hehehe

Deixe uma resposta

ss