sábado, abril 13 2024

Quando uma série tenta sempre estar a frente de nossas expectativas, é normal que em algum momento cometa algum deslize. Homeland fez isso durante seu segundo ano de forma excelente até A Gettysburg Address. É claro que a série ainda tem muito crédito guardado e o episódio teve ótimos momentos, mas alguns elementos tornaram a trama mais comum do que estamos acostumados. A interação entre Brody e Carrie, por exemplo, que deu tão certo em Q&A, no episódio dessa semana fez falta. Sabemos que nem todos os episódios poderão ter essa emoção em tantos diálogos perfeitos, além da definição do rumo que a história iria seguir – e talvez devido a qualidade do seu antecessor que o capítulo dessa semana tenha deixado a desejar. O problema maior foram os momentos em que o foco não era o caso principal  de Brody e Carrie.

Os buracos foram preenchidos pelas tramas de Dana e Mike que, infelizmente, não chegam nem perto do nível normal da série. Foram vários episódios desenvolvendo aos poucos o relacionamento entre Dana e Finn para isso? É natural que seja necessário algum apoio e talvez isso ainda surpreenda de forma positiva mas, por enquanto, parece alheio ao resto. Além disso, a filha de Brody é uma personagem interessante demais para ter dramas de Kim Bauer (24). Enquanto isso, Mike enfim chega ao ponto crítico. A forma que ele concluiu por si só já é um pouco absurda, mas o que mais incomoda ali também é o timing de sua descoberta. É uma coincidência um pouco irritante porque o que se espera é Brody do outro lado, com a ação mais importante, e não se preocupando com isso.  A invasão da SWAT fake deu o toque de ação esperado e foi um dos pontos positivos do episódio, assim como a cena final. Homeland consegue ser excelente em vários aspetos, mas vai ter que se esforçar para continuar no nível que nos acostumou.

Outras observações:

* É difícil não rasgar elogios para a interpretação dos protagonistas em Q&A. Sei que vai parecer repetitivo, mas eles estavam excepcionais e vai ser muito difícil tirar os próximos prêmios das mãos deles.

* Também faz falta a interação entre Saul e Carrie. A relação dos dois é muito interessante e espero que voltem a focar nisso também.

* Apesar de ter enumerado algumas críticas, jamais conseguirei achar ruim um episódio em que Claire Danes faça sua cara de choro.

11 comments

  1. Também achei impossível não lembrar da Kim Bauer.

    Por mais nojento que seja abandonar alguém depois de atropelar, já que fez isso, é muita babaquice ir no hospital ver a paciente.

  2. É babaquice se importar com a vida de alguém? Ela demonstrou humanidade, isso sim

  3. babaquice seria se ela agisse da mesma forma que o Finn.Ir no hospital só mostrou que ela é mais que uma adolescente rebelde e egoísta.

  4. Acho que o problema é que Homeland trata de um tema tão sério, que as vezes a gente esquece que é uma obra de ficção. Ser fôssemos analisar friamente, perceberíamos que existe muita coisa errada, a começar pela proximidade dos protagonistas (e pela “aceitação” do pessoal da CIA). Mas mais que a Carrie estivesse certa em relação ao Brody, só a relação deles seria motivo para afastá-la do caso (e da agência), por conflite de interesses. Mas CLARO que não nos importamos com isso. Ao contrário das tramas envolvendo a dana e o Mike, que despertam suspeitas e foram muito mal executadas.

  5. A filha da mulher que morreu acabará vendo a Dana na TV, posando junto ao pai, e irá desconfiar pois Dana disse a lea no hospital que seu pai era médico. Vai dar alguma m…. aí….

  6. Di, passei o olho por cima pois ainda não vi A Gettysburg Address e não
    queria spoiler, porém concordo contigo quanto à Carrie e Brody em
    Q&A. Depois desse espetacular trabalho no episódio, fica difícil
    imaginar outra dupla de atores levando a melhor nas próximas premiações
    no lugar deles.

    Q&A é um daqueles episódios com atuações tão primordiosas que,
    não importa quantas vezes você revê, sempre acabará achando algum
    detalhe que passou despercebido da vez anterior.

  7. Sério? não tem review do final da temporada? Não é a toa q quase não visito mais esse site (costumava ser meu preferido)….fazer o que?
    A filha de brody é um pé no saco (nada de interessante)… vcs surtaram? Não é a toa que o arco dela tem pouca relevancia. Ela só serve pra uma coisa: é a unica da familia que conhece brody.
    Jess, nem de longe lembra skyler. Esta, de fato uma mala sem rodas, sem alça. Bacarin consegue fazer bem o papel de esposa preocupada sem ser pentelha. Ela perturba mas é compreensiva, enqto Skyler era só pentelha.
    E pelo amor de deus, se eu assistir mais uma cena da Claire D chorando….vou ter um treco! que porre! ela chora por tudo…. já ficou excessivo.

Deixe um comentário