FOTO: REPRODUçãO

Por: Davi Garcia

Game of Thrones: Climb

Série volta a testar a paciência do espectador em episódio irregular

Game of Thrones 306[Com spoilers do ep. 3×06] A essa altura do jogo, todo mundo já sabe que boa vontade e muita paciência é pré-requisito quase que obrigatório para quem acompanha Game of Thrones. Tá aí o sexto episódio para não deixar ninguém mentir com seus quase infindáveis diálogos – alguns até bem espirituosos, é verdade – que apenas preparam ou contextualizam uma situação que voltará a ser explorada ou melhor desenvolvida alguns episódios depois. Ação? Teve, claro, mas ficou absolutamente restrita aos esforços dos homens de Mance Rayder na escalada da Muralha em sequências que serviram basicamente para duas coisas: mostrar como o CGI da série tem qualidade indiscutível (vide as belas cenas que valorizaram os perigos e o tamanho daquele desafio) e que Jon Snow corre sérios riscos de se juntar à turma de Varys se ousar trair a “delicada” ruivinha Ygritte, a mulher com gostos exóticos por adornos inusitados, If you know what I mean

Game of Thrones 306- wide

Numa nota um pouco mais séria, um bom momento desse arrastado episódio ocorreu nas conversas envolvendo Lady Olena Tyrell e Tywin Lannister, quando ela não se esquiva em fazer trocadilhos divertidos sobre a orientação sexual do neto, Loras (“Ele adora espadas de todo jeito”, diz ela) nem em expor toda a hipocrisia do mão do rei, que por sua vez não poupa energia para negar e esconder os pecados de seus filhos, Jaime e Cersei. Aliás, por falar na rainha, curiosa a cena que ela divide com Tyrion em que sugere uma ideia para se livrar do possível fardo matrimonial que os dois teriam que encarar: “que tal se matássemos Loras e Sansa?”, pergunta a prática mãe do sociopata rei Joffrey (que até apareceu brevemente brincando de tiro ao alvo… humano).

Pois é, mas como falei ali no início do texto, às vezes (ou várias, dependendo do ponto de vista) é preciso ter muita boa vontade com a série quando ela investe em sequências dentro dos episódios que servem apenas como sugestão de tramas que poderão ou não ter importância maior mais a frente. Nesse contexto, temos a chegada da feiticeira Melisandre à Irmandade sem Bandeiras (onde ela compra o bastardo Gendry, que supostamente desempenhará algum papel grande em seu plano); a revelação (falsa?) que explicaria os motivos da tortura sofrida por Theon Greyjoy e a cena em que vemos Robb Stark, mais uma vez demonstrando sua errática liderança  ao ceder às exigências de Lord Frey sem fazer maiores questionamentos sob o risco de ver suas forças sofrerem um baque ainda maior. E assim, tal qual o rei do norte, vamos nós acompanhando a saga dos sete reinos na esperança de ganhar as batalhas de cada episódio sem perder a guerra da paciência.

2star

Deixe uma resposta

ss