FOTO: REPRODUçãO

Por: Davi Garcia

Crítica | Game of Thrones 4×02: The Lion and the Rose

[Com spoilers para quem é maluco e ainda não assistiu o episódio] Conspirações, disputas, guerras e sangue fazem parte da assinatura de Game of Thrones desde o início, mas nenhum desses elementos provocou – pelo menos até agora – tanta surpresa, choque, comoção e, no caso específico deste “The Lion and the Rose”, catarse, quanto as cerimônias de casamento vistas na série. É quase como se George RR Martin, autor dos livros que originaram a produção da HBO, tivesse tomado como missão de vida, transformar a imagem de um evento que geralmente é relacionado a momentos de felicidade e boas lembranças num pesadelo capaz de traumatizar até os mais românticos.

GoT 402

Quem acompanha Game of Thrones já tinha meio que se acostumado a esperar por grandes viradas apenas depois da metade da temporada. Por isso mesmo, é impossível ignorar como o ritmo e a escalada de acontecimentos parece de fato maior nesse quarto ano, dada a disposição do responsáveis pela série em abraçar o conceito do “vamos direto ao que interessa” como regra máxima a ser seguida.

Sob essa perspectiva, ao passo em que dedica sua metade inicial para, basicamente, (1) mostrar que Joffrey terá em Ramsay, pelo menos no que tange a crueldade, um substituto à altura dentro da série; (2) evidenciar que ainda existe uma certa relação de cumplicidade e respeito entre Tyrion e Jaime e (3) deixar claro o quão cegado pelo fanatismo religioso e manipulador de Melisandre, Stannis Baratheon (Zzzzz) continua na isolada Pedra do Dragão, é mesmo nos seus vinte e tantos minutos finais que este segundo episódio da quarta temporada ganha força.

GoT 402(2)

Dirigido por Alex Graves (que esteve atrás das câmeras em outros dois episódios do terceiro ano da série) a partir de roteiro escrito pelo próprio George RR Martin, “The Lion and the Rose” foi o episódio que talvez tenha concentrado o maior número de personagens e cenas relevantes num mesmo ambiente, como, por exemplo, a envolvendo Olena e Tywin conversando sobre o Banco de Ferro (instituição que, creio eu, deve ganhar importância na trama) e, principalmente, aquela em que Oberyn Martell provoca Cersei e seu pai com comentários ousados que não só criticavam a hipocrisia real, bem como já indicavam a motivação de sua presença ali.

GoT 402(1)

E sobre a sequência final em si, vale destacar que ao criar uma mise-en-scène amparada num clima de tensão crescente que aponta suspeitos (a la novela das 21, é verdade) e culmina na morte do garoto mimado que transformou a coroa numa desculpa para humilhações e maldades gratuitas (conforme nos evidenciam o teatrinho de anões e o próprio bullying com Tyrion), George RR Martin garantiu aos fãs da série não apenas mais um ponto de virada importante para os rumos da trama (como fica a briga pelo trono agora?), mas também um momento de fato catártico.

Afinal, quem aí não ficou com vontade de repetir o Cão de Caça e soltar um sonoro “Fuck the king!” ao ver o rosto sem vida do malditodesgraçadofilhodaputa Joffrey no final do episódio?

4star

Deixe um comentário

TOP.05
ss