FOTO: REPRODUçãO

Por: Bruno Carvalho

Netflix reajusta mensalidades, mas não há motivo pra #mimimi; entenda

netflix

Netflix (que discretamente trocou de logotipo) começou a enviar e-mails notificando atuais usuários do serviço acerca do reajuste global do preço da mensalidade. No Brasil o aumento passará de R$ 16,90 para R$ 19,90 por mês, mas para os já assinantes o valor atual ficará congelado por mais 13 meses, passando a vigorar somente a partir de 1º de junho de 2015. Quem iniciar uma assinatura nova hoje, no entanto, já pagará o novo valor.

No e-mail para os assinantes a empresa justifica que o aumento ocorre para viabilizar investimento em adição de mais conteúdo ao catálogo:

Para adicionarmos cada vez mais filmes e séries de TV, estamos ajustando o preço da assinatura de R$ 16,90 para R$ 19,90 para novos assinantes. Como você já é assinante da Netflix, gostaríamos de agradecê-lo garantindo o preço da sua assinatura atual de R$16,90 por um ano. O preço que você paga atualmente só será ajustado para R$19,90 em ou após o dia 1o. de junho de 2015, desde que você continue assinando seu plano atual.

Embora amplamente divulgado e contratualmente previsto, aumentos deste tipo costumam gerar reclamações e #mimimi por assinantes desavisados. A empresa, no entanto, parece transparente em sua política e realiza menos reajustes do que legalmente poderia fazer no Brasil. Entenda abaixo.

Nos Termos e Condições de Uso do serviço (aqueles que você aceita sem lê) a possibilidade de aumento mediante prévia comunicação está lá. O reajuste de preços também é comum no Brasil em virtude da inflação que nossa moeda ainda está sujeita. Qualquer contrato de trato contínuo celebrado no país possui esta previsão. De acordo com o art. 2º da Lei 10.192 (que regula o Plano Real), prestadores de serviços como a Netflix podem reajustar anualmente os preços de contratos vigentes com base na variação de indices de mercado como o IGP-M expedido pela Fundação Getúlio Vargas ou similares.

A Netflix opera no Brasil desde o dia 5 de setembro de 2011 e o primeiro aumento ocorreu somente em abril de 2013. Para quem é assinante desde o início, a mensalidade foi majorada na média de uma vez a cada dois anos (considerando a projeção para 2015), ou seja, dos quatro aumentos legalmente previstos entre 2011 e 2015, apenas dois ocorreram e, ainda assim, o primeiro reajuste foi abaixo do índice de correção mais utilizado (o IGP-M). Empresas de telecomunicações, operadoras de TV a cabo e Internet, por exemplo, aumentam os preços automaticamente todos os anos sem avisar os consumidores, já que inexiste obrigação de prévia comunicação por parte destes prestadores para o reajuste anual. Assinantes da Netflix insatisfeitos, contudo, podem cancelar o serviço a qualquer tempo sem multa (o que também nem sempre ocorre nessas outras empresas.

Nos EUA, Reino Unido e Europa a majoração foi, respectivamente, de US$ 1,00; £ 1,00; € 1,00 (R$ 2,22; R$ 3,74; R$ 3,05 no câmbio de 09/05). Nestes países com menor inflação, no entanto, a carência para atuais assinantes será de dois anos em vez de apenas um como aqui. Além da medida, o serviço de streaming oficializou no Brasil a opção de um plano mais barato, mas sem a possibilidade de assistir o conteúdo HD e com direito a apenas uma tela por vez. O plano “família”, que dá direito a 4 telas simultâneas na mesma conta, também segue como opção até pra dividir com amigos.

netflix2014

Aos assinantes: o aumento parece justo ou acha que o custo não vale mais a pena?

Uma resposta para “Netflix reajusta mensalidades, mas não há motivo pra #mimimi; entenda”

  1. sergio disse:

    Boaa.. deu uma boa xicotada neste que choram de barriga cheia.. vai comprar dvd no camelódromo…

Deixe uma resposta

ss