FOTO: REPRODUçãO

Por: Bruno Carvalho

Crítica | The Good Wife 6×07: Message Discipline

goodwife607

Com certo atraso (eu sei), falarei aqui de Message Discipline, o sétimo episódio desta intensa temporada de The Good Wife.

[contém spoilers do episódio 6×07] Eu não estou botando fé na campanha de Alicia para Procuradora do Estado. Aliás, nunca botei. Considero esta a trama mais fraca de toda a série até agora, pois em nenhum momento nos últimos cinco anos vimos na “boa esposa” qualquer faísca de desejo para atuar na esfera pública. Advogada brilhante, além de ter aberto com sucesso o seu próprio escritório, não compactua com as inúmeras concessões que tem que fazer para jogar o jogo da política que ela já era obrigada por ser esposa do governador Peter. O desconfiorto dela naquela entrevista entrega que está no jogo mais por vaidade e despeito do que realmente interessada em seguir nesse trabalho. Isso caberia bem a Diane, por exemplo, que tentou ser uma das “Ministras do STF” deles na temporada anterior.

Torço, então, para que a súbita candidatura do apresentador Frank Prady (numa ótima atuação do então sumido David Hyde Pierce, de Frasier) dê a sobriedade para que ela veja que esse não é o estilo de vida que ela deseja, especialmente pelo conflito de interesses patente que sua atuação necessariamente traria com os clientes de seu escritório, sejam eles criminosos (como Lemond Bishop) ou não.

Mais interessante está o complicado caso que envolve Cary e pela primeira vez na série comecei a desconfiar de sua inocência, graças à composição sui generis do ator Matt Czuchry e às provas que Finn e Castro reuniram enquanto o próprio foi assistente da promotoria. Ainda que seja inocente, é evidente que Agos está necessariamente escondendo o jogo e deixando transparecer muito menos do que ele sabe sobre tudo (e o fato de estar poupando Peter, seu chefe à época, deve ser apenas a ponta do iceberg). Aliás, a maior esperança de Cary resulta justamente na relutância de Finn com as incongruências do caso, que Castro deliberadamente opta por deixar de lado, e sua súbita renúncia ao cargo.

E enquanto a série se esforça para colocar o Procurador como o “vilão da temporada”, continuo batendo na tecla de que ele está apenas fazendo o seu trabalho, ainda que para fins eleitoreiros. O grande algoz aqui é e sempre foi Lemond Bishop e aquele “acidente” deixa isso às claras.

The Good Wife segue bem, embora tenha perdido parte da capacidade de combinar suas diversas tramas paralelas e entregar episódios impecáveis. Esse Message Discipline foi bom, mas não foi um dos grandes.

3star

2 respostas para “Crítica | The Good Wife 6×07: Message Discipline”

  1. Jaren disse:

    Acho que até 8 ficou tudo nesse clima meio deslocado, e ninguém tá botando fé nessa candidatura da Alicia mesmo. Espero que seja esse o objetivo, que no fim ela vai perceber que não tem nada a ver com ela. Eu achei o último ep desse ano ótimo, trama do Cary carregou essa temporada.

  2. já já chego lá ;)

Deixe uma resposta

ss