FOTO: REPRODUçãO

Por: André Costa

Crítica | Veep 4×02: East Wing

east wing

[com spoilers do episódio 4×02] East Wing segue mais ou menos o padrão de todos os episódios de Veep: uma artilharia brutal de tiradas ofensivas, bullyings desenfreados e personagens fazendo coisas absolutamente detestáveis. E, como boa parte dos episódios de Veep, consegue ser incrivelmente engraçado e dinâmico dentro dessa proposta.

Isso porque o bombardeio de piadas é completamente impiedoso, aniquilando egos alheios seja com os diálogos afiados (“parece que ele engoliu um vulcão“, “preciso de uma camiseta, isto não é Duro de Matar“, “aposto 20 dólares que ela é do Mossad“) ou até mesmo investindo em piadas visualmente elaboradas (a comparação entre o rosto de Catherine e o do cachorro). Além disso, os roteiros de Veep possuem uma naturalidade impressionante para disseminar o caos, construindo cuidadosamente as tramas paralelas para que elas ganhem importância aos poucos – a história do quadro surge como uma piada e, quando menos se espera, já cresceu e se tornou um adolescente exigindo toda a atenção para si.

Ajuda também o fato de que os cenários estão sempre com lotação máxima, então o roteiro pode ficar pulando de personagem para personagem e tornar tudo mais dinâmico, já que a atmosfera geral é sempre a de níveis ionosféricos de estresse (i.e. todo mundo metralhando seus one-liners com a agressividade de um javali). Por outro lado, os eventos ainda parecem meio soltos, sem influência alguma na história além de motivos para piadas, e mesmo os “conflitos” de Amy e Gary que pareciam ter começado no episódio anterior já foram resolvidos (embora o de Gary envolva uma cena bastante tensa e até cruel). Não chega a ser exatamente um problema – o objetivo da série é a tiração de sarro total mesmo -, mas mantém o espectador a uma certa distância do que está acontecendo.

De qualquer jeito, mais uma vez Veep bate o ponto com eficiência e nos apresenta um episódio divertido e genuinamente engraçado. E, tal qual aconteceu no piloto, não é difícil imaginar que fazer a história do quadro indígena sobrepujar a notícia do acordo de paz é mais um grande tapão da série na cara dos políticos e da mídia – e críticas ácidas e proclamadas através de piadas certeiras são sempre muito bem vindas.

4star

Deixe uma resposta

ss