Crítica | The Brink, com Jack Black e Tim Robbins
Crítica | The Brink, com Jack Black e Tim Robbins

Crítica | The Brink, com Jack Black e Tim Robbins

thebrink

The Brink é diferente do que estamos acostumados a ver. É uma comédia focada na política internacional e traz Jack Black (School of Rock) fora de sua usual zona de conforto (cantando e fazendo caras e bocas), o que não é necessariamente ruim, já que é um ator bastante competente. Aqui ele é Alex Talbot, um funcionário de médio escalão do departamento de estado alocado no Paquistão e, sem querer, se envolve em uma crise geopolítica. Em Washington, Tim Robbins é o Secretário de Estado Walter Larson que não esconde sua promiscuidade e cansaço com o trabalho e, para completar Pablo Schreiber é o piloto de caças Zeke Tilson que faz um bico vendendo psicotrópicos contrabandeados no porta-aviões que trabalha, enviados por sua ex-mulher farmacêutica.

150508-the-brink-1800

A premissa é boa, mas a execução é completamente irregular. Os diálogos engraçados e escrachados (como ocorre em Veep, por exemplo) são vocalizados numa roupagem de série sisuda, o que torna o episódio piloto inteiramente fora de tom. E estabelecer bem o seu tom é essencial para que uma comédia de absurdos funcione, como The Office, Parks and Recreation e 30 Rock. Criar um universo próprio é o que faz estas produções funcionarem. Mas The Brink não conhece o conceito de suspensão da descrença e traz as situações esdrúxulas (como um bate boca do Secretário de um ou outro personagem num contexto que não as favorece), fazendo com o que resultado visto na tela soe forçado, como se Liz Lemon e Michael Scott trabalhassem na CIA de Homeland. Até mesmo a fotografia mecânica e a trilha sonora sóbria contribuem para que tudo fique ainda mais deslocado.

Existe sim uma boa série de comédia escondida em The Brink, mas o capítulo inicial não foi capaz de trazê-la à tona. De toda forma, vale uma nova chance. Quem sabe a série encontre o seu ritmo.

2star

The Brink estreia neste domingo 21 às 23h30 na HBO Brasil, simultaneamente com os EUA.

[youtube video=https://www.youtube.com/watch?v=2RymnIoQem0]

4 comentários

  1. marcos punch

    tá na hora do Jack Black voltar pra Escola de Rock pra ver se aprende alguma coisa!! quem sabe ele não ache uma série que tenha por ele um Amor Cego..que faça o Black não tropeçar no esforço e achar o ritmo certo!!

  2. adrianotenorio

    Assisti à série e a premissa é boa sim. Dá pra tirar uma boa estória daí. O desencontro de estilo é bem como falou o texto, em algumas cenas você pensa “ok, pra mim já deu…” e na seguinte eles acertam alguma coisa e você dá mais uma chance. Mas vale o esforço, vou tentar acompanhar pelo menos até o final da temporada. Do jeito que a coisa anda com as séries, pode ser que seja a única ;-P

Deixe um comentário