FOTO: REPRODUçãO

Por: Bruno Carvalho

Crítica | Billions, com Paul Giamatti e Damian Lewis

Billions traz logo de cara dois feitos: a estreia de Paul Giamatti na TV num papel fixo e a volta de Damian Lewis ao Showtime após sua saída de Homeland, numa série sobre os bastidores sórdidos do poder político e econômico em Nova York. De um lado, o proeminente promotor Chuck Hoades (Giamatti) estabelece como meta de seu mandato a perseguição contra criminosos do colarinho branco e, de outro, o multibilionário Bobby Axelrod (Lewis) se vangloria por ter construído um império dos fundos de capital utilizando de todos os meios possíveis, em especial os ilegais.

A produção é caprichada e as locações grandiosas servem uma trama empolgante e muito bem executada. É certo que é a mesma base de várias novelas que giram em torno de uma grande “empresa” e aquele velho jogo de gato e rato onde cada hora um dá as cartas mas, pelo menos pelo piloto, o drama empolga por trazer elementos interessantes, fisgando o público pelos first world problems de seus protagonistas, que desde a primeira cena são expostos como pessoas egoístas e mesquinhas.

billions3

Billions ainda traz duas subtramas igualmente interessantes, a primeira envolvendo a esposa do promotor que trabalha – veja só – na empresa investigada pelo marido (o que tem um potencial pra gerar grandes conflitos éticos) e a segunda envolvendo o dia a dia e as peculiaridades da família de Axe.

Aliás, enquanto Giamatti encarna com competência seu personagem-padrão, Lewis apresenta aqui uma nova fachada, completamente diferente do seu papel em Homeland, mas ainda sem encontrar o tom certo para Axelrod (oscilando entre intensidade, excentricidade e comicidade).

Em suma, o piloto mostra o início de uma potencialmente eletrizante queda de braço entre titãs com motivações pueris, sim, na movimentada Manhattan.

38 respostas para “Crítica | Billions, com Paul Giamatti e Damian Lewis”

  1. Renan Almeida disse:

    Palmas a você por ter terminado o 1º episódio. Extremamente pretensiosa e não entrega o que promete. Se lá pra frente ficar boa talvez eu faço um esforço pra ver os episódios inciais.

  2. Bruno Sousa disse:

    “Lewis ressurge completamente desconfortável no papel, sem encontrar o tom certo para Axelrod.”

    Realmente… o Damian Lewis está muito canastrão nesse papel.

  3. Vania Lacerda disse:

    Eu sequer consegui ver o piloto até o fim. Chata demais!

  4. Fernando Henrique disse:

    Não gosto de fazer isso mas n vou nem assisti o piloto,primeiro q eu vir o trailer e n fiquei nem pouco interessado segundo q no metacriic eu ler algumas review e tão detonando essa série.Uma pena pq esse ator q fazia homeland é ótimo.

  5. Fernando Henrique disse:

    Tem cara de ser mesmo kkkkk

  6. Guilhem Oliveira disse:

    Vcs saí chatos em hahha…
    começa meio parado, estou no ep 9 estou gostando.

  7. GuiKoisas Informática e Conven disse:

    O piloto é meio fraco mais a continuação é bacana, Estou no episódio 6 e estou gostando, ainda mais da mulher do procurador com seus desejos sexuais sadomasoquistas. Mas em relação da trama que Você mencionou do gato e rato, Estou achando interessante do jeito que vão se desenrolando.

  8. Fernanda Perez disse:

    Me perdoa, mas a série não tem absolutamente nada de cansativa, ela cumpri seu papel de mostrar o universo de Wall Street de maneira desnuda, ou imagine você que esse universo é contextualizado por unicórnios e duendes? Quem sabe dragões e espadas. A série confronta verdades absolutas e não tamanho de pau, alias, há mulheres fascinantes na série, senhoras de si, auto suficientes, dinâmicas, dotadas de um espírito guerreiro, arguido, motivadas pelos seus próprios interesses. A presença da mulher do promotor no escritório do Axerold, decididamente não é um clichê, mas o contra ponto em que todos temos nosso lado obscuro, que fazemos coisas ilegais e antiéticas com justificativas “toscas” no sentido de sermos coerentes com nossas escolhas. A incoerência nesse caso, e completamente chato seria assistir algo que não nos permite um reflexão, algo em que entramos ocos e saímos vazios. Decididamente não é o caso de Billions, pois, você tem a oportunidade de assistir duas visões distintas de valores, regras e ética. Qual a sua? Essa é a pergunta que vale 1 bilhão de dólares. O que você é capaz de fazer para vencer? O que você é capaz de fazer para estar certo e ser coerente com o seu conjunto de crenças? No entanto, para fazer esse questionamento é preciso primeiramente responder a uma outra pergunta. O que te move?. O move cada um de nós? Essa é a pergunta que eles tentam responder. Não é sobre o tamanho do pau de cada um, até porque o do promotor é bem submisso a esposa, mas sobre o que somos capazes de fazer para nos defendermos, defender nossas conquistas, defender nosso conjunto de crenças e sobre como nos sentimos sobre isso.

  9. Emelson Macedo Martins Pereira disse:

    Perfeito, esta série agrega muito! Eu sou economista e estava procurando por alguma série diferente… Vamos deixar o pessoal assistindo Game of Thrones. hahaha

  10. Ricardo Giannetti disse:

    Fora que a mulherada da serie é meio caida, peitinho ovo frito, bunda murcha e flacida. Não dá nem pra fazer um esquenta de punheta.

  11. Lucia Spilotros disse:

    Bravo!!!!!Também adoro a série e praticamente vi quase toda em 2 dias…na Netflix…

  12. Lucia Spilotros disse:

    Adorei a série, assisti toda primeira temporada, quase de uma vez só…Tudo nela é perfeito…

  13. Antonio Guarnieri Neto disse:

    Discordo veementemente da crítica.. O q esperar de um fã de friends.. rsrs. A série BILLIONS conta com duas interpretações sensacionais: Damian Lewis “desabafando” com a esposa do promotor sobre como é se sentir um bilionário é simplesmente espetacular.. Giamatti, sempre competente, vende um personagem verossímil e ambíguo qta às suas reais intenções.. Enfim, uma série inteligente e bem realizada.

  14. Aloisio disse:

    Não chega a ser uma série imperdível. Se alguém tiver alguma mais interessante deve deixá-la fila… O autor se perdeu na criatividade. Espero que não tenha uma segunda temporada. Será um eterno jogo do gato e rato. Ficará enfadonha… A série vale por dá asas à imaginação do que deve ocorre nos bastidores governos/empresas… A República de Curitiba deve considerar que as investidas do multibilionário Bobby Axelrod em comparação aos nossos lobistas, prestadores de consultorias, marqueteiros estão bem mais aquém… Na vida real foi mais requintado do que na série: O mentor conseguiu iludir parte do povo dizendo que não viu, não soube de nada; com sua a parede colada as deles onde rolavam as tramoias.

  15. Christopher Scotini Rozário disse:

    Eu também. Série muito boa !

  16. Christopher Scotini Rozário disse:

    E o mais engraçado é o pai do Chuck

  17. Sandro disse:

    Eu gostei! To esperando a segunda temporada

  18. Gustavo Bocuzzi disse:

    Estou no episódio 10 e achando bem legal, mas imagino que, sem um certo conhecimento sobre o funcionamento do mercado de ações, a série fique mesmo meio chata. E acho que não é uma falha do roteiro, apenas é um assunto complicado de se entender, que foge muito do dia a dia de quem nunca se envolveu com ele.

  19. Kellen França disse:

    Exato!

  20. EVERTON THEOBALD disse:

    Concordo absolutamente… Este show é excelente. Acredito que Fernanda Perez colocou de uma forma perfeita, bem melhor que o ‘crítico’ sobre do que efetivamente se trata a trama ‘per si’.
    O Pilot, não se resume em decisão para saber se o show é isto ou aquilo. Exemplo, o Pilot de Lost é ótimo, contudo poderia se resumir em menos episódios, e até temporadas no restante. E, por falar em assistir Billions, estou no último episódio, e dei um stand by nos outros que estava assistindo, em razão de que é o melhor show que estou assistindo neste ano de 2016, no padrão inglês de tempo, ou seja 55′, ao invés de 44′. No meu conceito, Excelente.

  21. carlos alberto de moraes disse:

    Ao contrário do “crítico” a Fernanda Perez faz uma análise séria, perfeita dos objetivos dos produtores da série em mostrar a competição do mundo dos negócios,
    Muito bom seriado

  22. LeoTube2005 disse:

    Muito bem , tbm adorei.

  23. LeoTube2005 disse:

    Exatamente , série é boa sim pessoal que é cheio de mimimi

  24. Hugo Gomes disse:

    Temporada muito boa no geral. Tem uma barrigada mas cresce mt entre o quinto e sexto episódios. Os dois últimos episódios são excelentes. A cena final, nem se fala.

  25. Carlos Lima disse:

    A única coisa enfadonha que vi até agora foi a crítica descabida acima. Sempre que alguém é classificado como crítico já sei que criará várias opiniões comparadas a material fecal.
    A série gira em torno de bilionários e fiscais do governo à procura de crimes como facilitação e venda de informações privilegiadas, de tráfico de influência e coisas do tipo.
    Assistam a primeira temporada, é uma ótima série, apesar a trivialidade vocês serão surpreendidos. Não se apeguem à opinião de um cara que assiste o piloto e se acha no direito de formar opinião à respeito de toda a série.

  26. Jolemar disse:

    Se você não tem o conhecimento mínimo em áreas como economia, administração, direito empresarial, gestão de pessoas, estratégia de negócios, etc. Não assista.
    Vai perder tempo.
    Agora se você é detalhista e quer algo de fato realista e provocativo, vá em frente.
    Por exemplo: Bobby Axelrod é arrojado mas ao mesmo tempo corrupto.
    É um personagem real.
    E tão pouco a série tem a pretensão de agradar esse pessoal mais alinhado ao “politicamente correto”.
    É de se entender que aqui no Brasil pareça chato.
    Brasileiro normalmente não gosta de trabalho então raramente vai querer ver uma série que aborda o mundo corporativo e seus meandros (a não que ela exiba drogas, muito sexo, tiros e pouco “linguagem técnica”, etc…rs).

  27. Bruno Rodrigues disse:

    Concordo demais com a Fernanda. Série bem escrita, com roteiro bom, excelente elenco e faz realmente com que o espectador pense nos dois lados da moeda do mercado financeiro, e siga um deles. Série ótima e muito intrigante. Porém, não é pra todas as mentes. Infelizmente requer uso de massa encefálica, o que as vezes as pessoas querem séries mastigadas, que não precisem pensar muito. Se você não é do tipo que gosta de assistir uma série que te faça pensar e perder o sono, então não assista essa não, pode ficar com Game of Thrones….

  28. Gustavo Martins disse:

    Bem colocado. Concordo com seu ponto. Mesmo na ótica das elites de primeiro mundo, traz questões fundamentais sobre motivações e um pouco do obscuro da persona de cada um. No mínimo você vai se divertir com as perspectivas e oportunidades do mundo dos Bilionários e também do jogo político envolvido.

    PS. Apenas assistir os momentos de Axerold curtindo som de Metallica já fez valer meu tempo. rs

  29. Alan Carlo disse:

    Vocês não viram nem o primeiro episódio e estão dizendo que a série é cansativa? Cansativo é ler vocês AOEHAOUHEAHEHAUOAH

  30. r_2014 disse:

    Sinceramente, sobre a série: vejo como uma ótima produção pois tem uma ideia original (poucos filmes e séries abordam esse tema), roteiro muuuuito inteligente, o que exige sim atenção e raciocínio para entender os meandros do jogo, e as características psicológicas dos personagens (chega a ser cansativo nesse sentido, confesso, mas é muito compensador pois o conteúdo é instigante e provocativo quanto à questão da ética, da persuasão, do relevo jurídico, entre outros). Mesmo com um texto forte e cenas eróticas ousadas (embora nao seria pra menos na vida de poderosos excêntricos exercendo seu poder) colocadas de forma proposital para chocar ou chamar atenção em especial de brasileiros que na maioria sao acostumados com xingamentos e sacanagem), ainda assim está longe do surreal. Sobre cinema, tv, etc, eu penso o seguinte: existem trabalhos para encherem os olhos, outros para encherem o coração, e alguns poucos para encherem a mente dos telespectadores. Bem, não que Billions seja um poço de intelectualidade, mas é preciso gostar de assistir pensando, e não apenas de ver, como se cinema fosse desfile de carnaval.
    Quanto ao “crítico”… Aaaaaarg. Sério, vc tem certeza que está na profissão certa? Afinal, como criticar o que não conhece? Sim, porque assistir o piloto e julgar toda a série? Qual o sentido e LEGITIMIDADE nisso? E mais, na qualificação do “crítico” consta [especialista em tv] (??) Como assim? É técnico em eletrônica há 20, 30 anos?, Empresário dono de emissora? Noveleiro da Globo? Os especialistas em tv que conheço são estes! Faz favor, ser especialista é observar detalhes de quaisquer tipo, sejam negativos ou positivos, e realmente, penso que Billions tem bem mais aspectos positivos que negativos.
    Mas enfim, deram esse emprego ou “bico” ao tal crítico, tudo bem! Felizmente, vivemos em tempos em que uma crítica de “especialistas” não passa de um comentário, num mar de tantos comentários, mar esse no qual também passeio.

  31. aalmeida3001 disse:

    Comecei agora na série na netflix. O começo é estranho, mas do meio pra frente você se envolve com os caras, e até fica torcendo pra ver quem pega quem. Pra mim, valeu a pena.

  32. Néa Neuhaus disse:

    Muito bem colocado!
    Se há algo que essa série não consegue ser é enfadonha.
    Política, jogos de poder e manipulação nas esferas soberanas de crenças e regras.
    Inteligente! mas há quem não goste de decifrar perfis psicológicos e tramas audaciosas, perspicazes em um enredo com tempos cronológicos sem linearidade. Adoro!

  33. Raphael Lacerda disse:

    Cara. Ate tento gostar de billions. É muito ator bom junto. Mas pelo amor de deus, que série sem graça. Eu fico com vergonha alheia dos problemas que a serie cria e domo eles sao resolvidos

  34. Aloisio disse:

    É o seriado mais inteligente que já assisti. Gostei tanto que assisti a todos os episódios no sábado e domingo. Gostei desde o 1° episódio.

  35. Aloisio disse:

    Quem não gostou esta assistindo de forma superficial. Tente rever analisando o diálogo inteligente, o papel da profissional de RH analisando e sabendo direcionar os profissionais a ver seus lados fortes e utilizá-los, na cumplicidade das respectivas esposas dos Atores (atrás de Homens de sucesso existem grandes Mulheres). Se as Empresas tivessem uma profissional de RH igual a este Filme, se transformariam em grandes multinacionais. Muito Inteligente. Muito diferente do meu cotidiano, onde tento explicar sobre alguns assuntos ás pessoas e não conseguem me compreender e tenho que achas vários exemplos. Neste Filme os Atores fazem suas colocações e são prontamente entendidos pelos outros. Muito Inteligente.

  36. Aloisio disse:

    Gostei muito da colocação do r_2014. “Este é um trabalho para encher a mente dos telespectadores”.
    Prezados; não assistam de forma superficial.
    Aprendi neste trabalho, entendi e apliquei a técnica 180 na minha empresa. Exclui setores que estavam dando prejuízo. A técnica consiste em:
    “Quando perder o caminho ou quando estiver tão fixado e não consegue ver o óbvio. Tem que cortar as perdas é difícil, mas tem girar e rever as escolhas que não estão funcionando e aplicar a técnica 180″.
    Aprendi também:
    ” Temos que aprender a diferença entre agressividade ingenua e agressão efetiva”.
    “A melhor maneira de se relacionar com alguém, não é fazer um favor e sim pedir um favor. Isso é um efeito Franklin, faz a outra pessoa se sentir valorizada como se desse poder a ela”.
    “Estado de guerra. As vezes temos que cortar ou deixar passar uma onda para aproveitar e cessar a outra”.
    “Quem tem medo de mudança sem saber o final é idiota”.
    “A armadilha para pegar qualquer coisa é o tempo. Perseverança”.
    Várias outras coisas que aprendi e outras que apliquei. Este seriado é tão bom, quanto ler um ótimo livro.

  37. Valcinei Luiz Lima disse:

    Observando a crítica e os comentários de dois anos atrás,confesso ter sentido vergonha alheia pela má recepção da série.A mesma se mostrou uma das coisas mais inteligentes da tv atualmente… bola fora da galera apressadinha hahaha

  38. Herik Lee disse:

    Série boa pra caralho!!!! Se não gostou é porque não viu nem metade!!!!!

Deixe um comentário

TOP.05
ss