FOTO: REPRODUçãO

Por: Bruno Carvalho

Cliff Curtis fala com a gente sobre Fear the Walking Dead! [Exclusivo]

feartwdcliffcurtistravis

A segunda temporada de Fear the Walking Dead vem com uma vibe completamente diferente da primeira, a começar pela ambientação. Filmada no Baja Film Studios no México, onde gravaram Titanic , a série literalmente mergulha na água e o resultado você poderá ver a partir desta noite às 22h no canal AMC Brasil.

Pra falar sobre a série, o canal destacou o ator Cliff Curtis (Travis Manawa) pra contar sobre as novidades do segundo ano. Cliff é um cara, digamos, peculiar. Foi uma conversa muito interessante e no final ele inclusive contou sobre a sua própria teoria sobre o apocalipse zumbi. Comecei perguntando se ele sabia o quanto as séries The Walking DeadFear the Walking Dead são queridas no Brasil e o que ele sente fazendo parte de uma franquia tão grande.

Pra minha surpresa ele “fez a Glória” e mandou um “Não sou capaz de opinar“. Curioso, perguntei o motivo e ele me disse: “Pra ser honesto eu não ligo muito pra isso. Eu foco no meu trabalho e pronto. Eu não sou muito atento ao que está acontecendo na mídia.”

“Eu nem tenho TV em casa.”

Cliff disse que, pra ele, é difícil entender o fenômeno desta franquia e a repercussão que ela causa porque pra ele “é um trabalho como qualquer outro”, mas que está feliz com esse número e com o fato de que hoje existem até bonecos zumbis para bebês: “É um gênero de nicho que virou mainstream“. Pra ele, a série faz esse sucesso porque trata de temas universais como sobrevivência e apocalipse: “Deve ser curioso para o público ficar imaginando o que cada um faria nessas situações“.

fear-the-walking-dead-episode-201-travis-curtis-madison-dickens-935

Sobre Travis, Curtis contou que este é o personagem que menos se adaptou à nova realidade mundial e ainda não tem a consciência real do que eles estão lidando.

Travis nunca vai ser igual Rick Grimes.”

Ele também dividiu comigo que a segunda temporada seguirá “atrás” de The Walking Dead em termos de cronologia: “Não chegamos no ponto onde Rick acordou na primeira série, eles ainda estão há apenas algumas semanas após o início do surto. O apocalipse está vindo, mas ainda não aconteceu. Na primeira temporada os personagens ainda estão tentando entender o que é – a maioria pensa que é uma gripe – mas não entendem nada. Na segunda temporada eles vão começar a entender o que está acontecendo.

Será a temporada de aprender o que é sobreviver e até onde cada personagem vai na luta para permanecer vivo. O que cada um vai ter que desistir em si mesmo para virar um sobrevivente.”

Filósofo, ele completa:

“Para nos livrar desses monstros, será que teremos que nos transformar em monstros nós mesmos?”

“No fim da primeira temporada Travis termina sabendo que vai precisar matar. Ele não quer isso e ele não gosta disso [como Rick], mas ele agora entende que essa é a nova regra vigente. Mas vai ser muito mais difícil pra ele se adaptar, ele não vai ser o líder natural. Pode ser que ele venha a ser um dia, mas por enquanto o papel vai ser da Madison. Travis definitivamente não é o ‘macho-alfa’ da série.”

fear-the-walking-dead-episode-201-alicia-carey-travis-curtis-935

Cliff ainda fez um interessante paralelo sobre o que está acontecendo hoje no mundo com o surto de Zika vírus e a temática de Fear the Walking Dead“A humanidade tem sempre que levar em conta que tudo que temos hoje, e que nem sempre é apreciado, pode sumir de uma hora pra outra. Isso mostra a possibilidade real de uma civilização ruir. Já aconteceu antes com os Romanos, com os Aztecas, os Egitos. Todas essas ruíram.

“Existe uma preocupante arrogância no ser-humano de que ele tem poder e controle sobre a Natureza e isso é central para a série, pois Travis acredita que a Natureza sempre vence.”

O ator terminou o papo dizendo que ele mesmo tem uma teoria “completa e absoluta” sobre o motivo do apocalipse, como aconteceu, como se desenvolveu. “Existem duas coisas distintas nesse Universo: uma são os infetados, outra completamente diferente é o apocalipse. Eu descobri tudo já”.

Mas ele não quis dividir isso com a gente. Primeiro porque não dava tempo (a conversa só dura 15 minutos). O segundo motivo, e mais interessante, é esse: “Então eu estou pensando em escrever sobre isso. Acho que vou lançar um livro. Então se a gente se falar de novo eu te conto, mas eu ainda quero colocar no papel todos os detalhes. Eu acho que é um super-vírus, mas totalmente diferente do HIV por exemplo, onde o sistema imune falha. Acho que é o oposto disso, mas vocês vão ter que esperar pra ler.”

Não perca hoje a volta de Fear the Walking Dead às 22h na AMC Brasil:

Canal exclusivo da operadora Sky.

4 respostas para “Cliff Curtis fala com a gente sobre Fear the Walking Dead! [Exclusivo]”

  1. Léo Barreto disse:

    Mais peculiar impossível. Uma consideração: Travis realmente nunca será Rick, assim como Fear não será TWD. São épocas e comportamentos distintos, até mesmo a ambientação. Só espero que a série não leve as coisas adiante muito rápido pois o desenvolvimento dos personagens com relação a lidar com os mortos vivos me pareceu um pouco apressado no final da temporada 1.
    O mais interessante na série é que não existe uma expectativa prévia dos acontecimentos futuros pois não é baseada em quadrinhos ou livros. Assim também não há uma obrigatoriedade de entregar um fã service ou algo semelhante a isso.

  2. Alan Santos disse:

    Nossa Excelente comentário, mas seria interessante as duas séries se cruzarem em algum momento. Seria bem interessante

  3. vinland disse:

    Seria legal mesmo. Mas alguns Showrunners e produtores de TWD, disseram que nao existe a minima possibilidade de isso acontecer. Mas quem sabe no futuro a AMC nao da uma precionada neles, e nao fazem eles criarem um episodio crossover.

  4. Alípio disse:

    O melhor q a série pode fazer é manter-se distante dessa ideia de crossover. Ele é desnecessário e a alta audiência demonstra que não precisam.

    Fear é boa dentro da sua dinâmica familiar complicada e piorada pelo caos e que se mantenha assim.

Deixe uma resposta

ss