FOTO: REPRODUçãO

Por: Redação Ligado em Série

3 séries incríveis que mereciam mais atenção

3-series-incriveis

De um lado, temos os Game of Thrones, os House of Cards, os Breaking Bads, os blockbusters que tomam o Twitter de assalto em noites solitárias e carregam multidões através de suas tramas e memes. Do outro, shows que não são as mais populares do colégio, mas ainda assim têm uma base dedicada de fãs que saem pelas ruas cantando seus louros, como Doctor Who, Community ou Arrested Development.

No meio termo, existem séries que, embora consolidadas, ainda soam meio estranhas aos ouvidos dos não-iniciados. Séries incríveis. Séries que não devem nada às outras. Séries que mereciam mais atenção.

ARCHER

archer

Archer é brilhante. Tão brilhante que, a partir de agora, me comprometo a utilizar o adjetivo “brilhante” sempre que escrever “Archer” brilhante, mesmo que não faça sentido. A animação acompanha o dia a dia de uma agência de espionagem cujos integrantes compõem praticamente todo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (e talvez possam ainda gerar conteúdo para uma versão atualizada).

Essa galeria de personagens desprovida de superego dá a Archer brilhante o material perfeito para disparar granadas de humor certeiro, seja na imaturidade do protagonista (que comemora quando entra em cenas típicas de ação, como perseguições de carro), seja nas tiradas inspiradas (“você atirou em um astronauta negro! É como atirar em um unicórnio!“) ou na insanidade total (Krieger). O ritmo da série é bem dinâmico, com as piadas frequentemente surgindo da reação de todos a situações absurdas (e aqui vale destacar o espetacular trabalho de dublagem) e apostando em um humor negro anabolizado. Ao abordar o mundo da espionagem sem fazer concessões à natureza ensandecida de suas personagens, Archer brilhante se torna uma das comédias mais genuinamente engraçadas da atualidade.

THE INBETWEENERS

the inbetweeners foto

The Inbetweeners é a mais cruel, cínica, impiedosa, suja e, claro, exata ilustração do que é a adolescência masculina – e a mais divertida, também. É tudo que American Pie deixou de ser porque os ianques acham que “picante” é jogar na tela um mamilo ou um palavrão que outro. A série mostra o cotidiano niilista de quatro amigos que, nos últimos anos do colégio, tentam ganhar popularidade e mergulham verticalmente em direção a um único objetivo: transar.

Assim como acontece em outra grande série que aborda o universo masculino (Entourage), o grande trunfo de The Inbetweeners é a química entre os quatro protagonistas. As constantes provocações, hesitações e até mesmo as gírias utilizadas reforçam a amizade e o show não precisa utilizar diálogos edificantes sobre como amigos são incríveis para mostrar o quanto eles são amigos. Enquanto isso, não alivia na hora de mostrar experiências como interações desastradas com membros do sexo feminino ou drogas, utilizando a maior tradição britânica (ironia) para despejar grandes diálogos (“você sabe o que você ganha quando fuma?” “sexo?“), além de retomar com propriedade a utilização de gags físicas realmente engraçadas (Jay tentando fechar o notebook com a mão dormente ou Neil chapado, por exemplo). Sabe quando você vai contar uma cena engraçada para um amigo e começa a rir no meio? The Inbetweeners é assim.

EPIC RAP BATTLES OF HISTORY

epic rap battles of history

Série de YouTube também é série, né? A verdade é que Epic Rap Battles of History, que coloca frente à frente personagens históricos e/ou fictícios em disputas de, é isso mesmo, rap (Hitler vs Darth Vader, Artistas do Renascimento vs Tartarugas Ninjas, Batman vs Sherlock Holmes, filósofos do ocidente vs filósofos do oriente etc), tem sido um dos pináculos de criatividade desse grande refém de “conteúdo otimizado” e frenesi fanboy chamado internet.

Carregando cada batalha com referências que surgem de forma orgânica no rap sem que o objetivo, que é basicamente ofender o oponente, seja prejudicado – “nothing makes me laugh / but I bet your raps can” canta Batman diante de Sherlock Holmes -, ERB cria situações hilárias e resume eventos grandiosos em versos certeiros (“you dumb motherfucker didn’t Napoleon let you know? When you conquer Russia better pack some fuckin’ winter clothes“). A frequente invasão de outras personagens no meio da batalha faz com que o formato não se torne cansativo, conferindo um certo grau de imprevisibilidade a cada vídeo. E outra coisa que ajuda muito: as canções são espetaculares.

12 respostas para “3 séries incríveis que mereciam mais atenção”

  1. Ribeiro disse:

    Faltou na lista Rectify produzida pelo canal Sundance, melhor serie da atualidade que ninguém assiste.

  2. rocorby disse:

    Uma lindeza de série que, provavelmente, se encerrará como uma obra prima ao final da quarta e última temporada

  3. Xablau disse:

    Desculpa mas o Ligado Em Série já indicou Rectify sim, você que não acompanha a bagaça.

  4. Douglas disse:

    Gomorrah, séria italiana sobre a máfia napolitana. Saudades de Sons of Anarchy? Recomendado!

  5. André Nique Costa disse:

    Boa! Rectify tá na minha lista (que só cresce. Mas é uma lista mesmo assim)

  6. Julio disse:

    Nunca consegui não dormir assistindo Rectify

  7. Junior disse:

    The Americans é ótima e quase ninguém conhece, Tyrant, The Fall, Black Sails, são tantas…

  8. “you dumb motherfucker didn’t Napoleon let you know? When you conquer Russia better pack some fuckin’ winter clothes“ é provavelmente um dos meus quotes favoritos de todos os episódios de ERB, posso assistir 500 vezes esse, e em todas vou rachar de rir nessa parte, todo o verso que antecede esse tbm é sensacional “when your bunker get started getting fire up, you put a gun in your mouth and fired up” (essa batalha na verdade é uma das melhores, e a minha favorita das 3 partes) e como já foi citado, as canções são espetaculares e tudo e bem produzido tbm, e a produção melhora a cada temporada.

  9. André Nique Costa disse:

    Sim! Eu adoro como eles repetem “fired up” 4 vezes e a expressão tem três significados diferentes (“empolgados”, “pegando fogo” e “disparar”, a grosso modo). Minha ideia inicial era usar essa citação no texto, mas, por questões de espaço (envolveria muito tempo de contextualização e explicação), acabei optando por outra genial mas não tão genial.

  10. Cristiane Tagawa disse:

    Faltou It’s Always Sunny in Philadelphia

  11. hehehe acho essa genial pelo jogo de palavras, e a que vc optou colocar pelo fator “buuurn” *leia com a voz do Kelso*
    Ainda tenho esperanças de que role uma parte 4.
    da temporada nova, o que mais gostei até agora foi J.R.R Tolkien vs George R.R Martin, pq joga lenha marota na fogueira…

  12. André Nique Costa disse:

    Fico entre Tolkien vs Martin e 007 vs Austin Powers haha.

Deixe uma resposta

ss