FOTO: REPRODUçãO

Por: Bruno Carvalho

A Rainha do Sul já está disponível na Netflix!

A Netflix já disponibilizou em seu catálogo a 1ª temporada completa da série A Rainha do Sul, drama estrelado por nossa querida Alice Braga. Ano passado, num dia frio do inverno do Texas, eu desembarquei em Dallas pelo canal Space para conferir de perto as gravações, que ocorriam no imenso South Side Studios, pólo de produção da cidade, local onde já passaram séries como The Good GuysGCB e a própria Dallas.

Em A Rainha do Sul, Braga é Tereza Mendoza, uma mulher forçada a fugir e procurar refúgio nos Estados Unidos depois que seu namorado traficante de drogas é assassinado de forma inesperada no México. No processo, ela se torna uma das narcotraficantes mais poderosas e bem-sucedidas do sul americano e passa a ser o alvo de grandes ameaças.

southside

Quando cheguei nos estúdios, fiquei imediatamente perplexo com a grandiosidade da produção. Os cenários eram imponentes (especialmente o da casa da personagem Verónica), estendendo-se por centenas de metros em todas as direções. Boates, quartos de hotel, residências, lojas, tudo era impecavelmente reproduzido e durante a visita os olhos dos jornalistas presentes não acreditavam que era tudo faz de conta. Infelizmente não era possível tirar fotos.

Mesmo contanto com a sorte de gravar na própria cidade onde é ambientada (algo cada vez mais raro hoje em dia com a concentração de estúdios em Los Angeles/Nova York/Toronto), muitos ambientes foram cuidadosamente recriados em estúdio – com direito a gigantescos backdrops – e um deles chamava a atenção. Um espaço pequeno, confinado entre as paredes de duas locações, trazia um fidedigno túnel todo em terra onde eram gravadas cenas de transporte subterrâneo de drogas, impossível de saber que é de mentira mesmo estando de frente a ele.

alicebraga

Durante as mais de 14 horas de nossa visita ouvíamos os atores ensaiando e gravando o dia inteiro, além da quantidade enorme de figurantes, técnicos, produtores, funcionários e assistentes que corriam para lá e para cá, tudo para completar uma das dezenas de diárias necessárias para levar os 13 episódios ao ar. Nos intervalos eles cordialmente vinham falar conosco e contar sobre o que estava sendo feito e o que temos por vir na tela do canal Space.

O primeiro foi Joaquim de Almeida, conhecido dos brasileiros por interpretar o personagem Sherlock Holmes em O Xangô de Baker Street de Jô Soares e Velozes e Furiosos 5. O intérprete do traficante Epitanio Varga na série também já participou de dramas como 24: HorasRevolution, Revenge chegou animado para falar com a turma e contou que é uma série sobre mulheres poderosas e independentes nesse mundo sobre o tráfico de cocaína. Ele é o principal rival de Tereza, mas disse estar feliz que dessa vez ele não é o único malvado da produção: “todo mundo é mal aqui!“, ressaltou. “É uma história poderosa que permite que a gente cresça com nosso personagem e é ótimo estar no meio de um elenco tão multicultural como esse.”

Melhor amiga de Tereza na série, Brenda é interpretada pela atriz Justina Machado (Six Feet Under) e ela falou pra gente que é muito parecida com a personagem porque ambas não possuem qualquer tipo de filtro: “tudo que vem na minha cabeça eu falo e é assim com a Brenda! Acho que todo mundo vai gostar dela porque é o tipo de garota que dá vontade de você ficar amigo dela”. Ela também disse que não sabia quão significante a série vai ser para o empoderamento feminino, mas que esse foi o sentimento que foi tomando conta de todos à medida em que a série progredia.

Já estávamos há mais de 10 horas no set e depois de muitos atrasos por conta do intenso cronograma de gravações, a Rainha do Sul em pessoa – completamente exausta, mas extremamente animada – chegou pouco mais de 22h para falar com a gente.

“Oi! Oi! Prazer, Alice! Eu já tava assim: “Cadê o Brasil?” Graças a Deus vou poder falar português, não aguentava mais! Gracias, thank you! Ai, que língua que eu falo agora?”

Alternando inglês, com português e espanhol, Alice iluminou a sala com uma energia radiante e ficou com a gente por mais de meia hora falando da série, da experiência de morar e trabalhar nos EUA e da vontade de voltar logo para o Brasil. “Sério, gente, obrigado por vocês ficarem até essa hora, atrasou tudo! Sério mesmo! Eu falei “oi” pra você? Falei? Ah, que bom!”

Queen of the South - Pilot

Inevitavelmente ela já chegou falando do “elefante no quarto” que é interpretar uma traficante logo depois que Wagner Moura estrelou a série Narcos:

É hilário, né? O Wagner é um grande amigo meu, eu chamo ele de irmão e assim que eu fui escalada liguei pra ele e disse ‘OK! Agora a gente comanda o tráfico de cocaína todo, agora! Bate na madeira! Fiquei muito feliz por ele, ele merece demais e pra mim ele é uma referência desde que fiz Cidade Baixa com ele. Então é isso, eu sou a versão feminina desse mundo da cocaína!

Ela também falou sobre como é ótimo para a representatividade feminina ter uma série em que praticamente todas as cenas tem uma mulher forte dominando num mundo que sempre foi essencialmente masculino como é o caso dos carteis de drogas, e as mulheres possuem uma forma diferente de lidar com tudo e isso a série retrata muito bem.

Eu me apaixonei pela Tereza assim que eu li o livro [La Reina del Sur] há muito tempo, porque ela é uma mulher forte que passou por muitas coisas ruins, mas decidiu não se tornar uma vítima disso. Então quando me ligaram muito tempo depois e me disseram que eu ia interpretar ela, fiquei extasiada. Tereza não é uma mulher que tem a ambição de ser poderosa; ela é poderosa porque quer sobreviver nesse mundo a qualquer custo. Ela é pragmática. Se você pegar meus roteiros vai ver que eu escrevia: Pragmática! Pragmática! Ela é emotiva, apaixonada, mas assim como todo heroína, nunca é uma vítima”.

Por estar interpretando uma chefona do mundo das drogas, as comparações com outros grandes traficantes da TV é inevitável e, mesmo este sendo um tópico em que os produtores pediram para evitarem tocar, Alice Braga foi incisiva em classificar Tereza na escala de personagens perigosos da telinha:

“Ela começa a série como uma espécie de Walter White, de Breaking Bad. No começo ele entra nesse mundo pela família, pela cura de sua doença e pelas circunstâncias. A Tereza é assim, ela segue as circunstâncias. Mas se eu pensar no futuro, o caminho dela está mais para Pablo Escobar… Veremos!”

Queen of the South - Pilot

A Rainha do Sul tem 13 episódios em sua primeira temporada e produção executiva de David T. Friendly (Pequena Miss Sunshine), juntamente com M. A. Fortin e Joshua John Miller (Terror nos Bastidores). Scott Rosenbaum, veterano produtor televisivo responsável por The Shield e Chuck é o showrunner.

Me acompanharam nessa viagem os repórteres James Cimino do UOL e Fábio Trindade do Correio Popular de Campinas. O Ligado em Série viajou a Dallas a convite do canal Space/Turner.

2 respostas para “A Rainha do Sul já está disponível na Netflix!”

  1. Amanda Morais disse:

    Série boa da POHAAAAAAAAAAAA

  2. Vanessa Silva Endrew disse:

    Gente quando chega à segunda temporada no Brasil tô muito anciosa!!! Por favor me falem

Deixe um comentário

ss