FOTO: PARAMOUNT PICTURES

Por: Bruno Carvalho

Um Lugar Silencioso: Parte II eleva a tensão, mas mantém trama estacionada

Sem dúvida uma das maiores surpresas do (longínquo) ano de 2018 foi a estreia de John Krasinski (The Office, Jack Ryan) como realizador (diretor, produtor e roteirista) de Um Lugar Silencioso, longa que estabeleceu-se como um parâmetro a ser batido dentro do subgênero de “filmes de extraterrestres”, superando até mesmo os recentes capítulos da saga Cloverfield, incluindo o excelente Rua Cloverfield, 10.

Nesta sequência, Krasinski resgata imediatamente a aura de tensão absoluta vista no “capítulo” anterior, com direito a um estarrecedor prólogo póstumo para justificar o retorno de seu personagem Lee e segue com a narrativa do ponto em que fora interrompida para mostrar a luta de Evelyn (Emily Blunt), Regan (Millicent Simmonds), Marcus (Noah Jupe) e o bebê contra os implacáveis ETs com ultrasensibilidade sonora.

Deixando a fazenda para trás, a família segue em busca de refúgio numa terra devastada pelo apocalíptico evento até encontrar o antigo amigo da família Emmet (Cillian Murphy, Batman Begins), que vive acuado em uma caldeiraria abandonada. É aqui, infelizmente, que a trama parece “estacionar” e o que passamos a testemunhar são eventos que não a levam além do lugar em que o primeiro filme deixou.

FOTO: PARAMOUNT PICTURES

Apesar de criar uma série de sequências paralelas que culminam em um ápice de terror e tensão de arrancar todas as unhas, Um Lugar Silencioso – Parte II gasta boa parte de seu tempo de projeção com questões menores envolvendo os personagens e, até mesmo, repetições pouco inventivas de eventos já transcorridos, com uma ou outra variação.

Além disso, era plenamente esperado que a descoberta de Regan no primeiro longa – tal qual em Sinais (com a água), os seres são intolerantes a uma simples microfonia – fosse aqui ampliada e utilizada para, quem sabe, trazer alento aos poucos sobreviventes (?) da raça humana. Em vez disso, aprendemos que eles não sabem nadar e… é isso.

Extremamente capaz em todos os seus feitos técnicos e na carga emocional evocada pelos ótimos personagens, é fato Um Lugar Silencioso – Parte II soa como uma sequência mais do mesmo, que acovarda-se quando poderia avançar muito mais e tomar riscos bem maiores que os sobreviventes daquele universo.

O filme estreia (finalmente, após cinco adiamentos) no dia 22 de julho nos cinemas brasileiros.

Os comentários estão desativados.

ss