FOTO: REPRODUçãO

Por: Davi Garcia

The Walking Dead: Nebraska

Por Davi Garcia

[com spoilers do ep. 2×08] Voltando do hiato registrando a maior audiência de sua história até aqui (8 milhões!), The Walking Dead retoma sua 2ª temporada repetindo os mesmos erros e acertos vistos na série até então. Explorando os momentos imediatamente posteriores ao impactante desfecho daquele mid season finale (relembre aqui), “Nebraska” lida, nos momentos de silêncio e de ação, com os choques e as dores consequentes de descobertas e perdas (sobretudo da esperança, como Hershel destaca em dado momento) e com a iminente e evidente  ruptura do grupo liderado por Rick em virtude das opiniões que se formam em cima das ações e motivações (práticas ou não) que ele e Shane abraçam sob perspectivas diferentes e divergentes.

Nesse aspecto, ainda que as preocupações e os questionamentos de Dale – mais uma vez evidenciados em uma rápida conversa que ele tem com o próprio Shane e depois com Lori -, tenham fundamento, é curioso notar como o contexto moral de certas atitudes (não só as de Shane, aliás) acabam ganhando outra dimensão num mundo caótico como aquele, algo que a série faz bem quando tenta. O problema, contudo, continua sendo a insistência da produção em apostar nas soluções tolas (vide o acidente da Lori, por exemplo) para fomentar dilemas entre os personagens (Hershel reverá sua ideia de expulsar todos da fazenda? Shane culpará Rick mais uma vez?), diminuindo a força de sequências efetivamente interessantes como aquela em que Rick mata os dois homens no bar estabelecendo para Hershel a ideia de que ele fará tudo o que puder para proteger o refúgio que a fazenda ainda representa.

Buscando equilíbrio, The Walking Dead ainda não é a grande série que poderia ser, mas já parece certa sobre a identidade que deseja estabelecer para seus personagens (Daryl, por exemplo, surge cada vez mais como um irmão perdido do Sawyer de LOST. Até apelidos o cara coloca agora!) e sobre seus esforços para estabelecer os homens e mulheres que movem a (lenta) narrativa como os verdadeiros mortos vivos que dão título à produção. Animados para a sequência da temporada?

24 respostas para “The Walking Dead: Nebraska”

  1. karol disse:

    Que episodio chato !!! deu sono , massante simplesmente boooooooooooooooooooring!!!!! ¬¬

  2. Diego disse:

    Eu dormi, acordei e fui forte. Mas estou gostando rs Agora! Acidente de carro

  3. Gigi disse:

    Eu estou adorando o Daryl Sawyer, acho q vai crescer na série. A Lori continua bem chatinha, o que virá com o acidente? Rick parece que está acordando que a moral e princípios já não são os mesmos.Esses hiatos nos fazem perder um pouco a dinâmica da série, mas bora lá continuar a ver os descerebrados errantes.

  4. Marcio Gazetta disse:

    É difícil comentar a série, pois li toda a HQ, que é muito superior em termos de enredo. Acostume-se com a Lori ser chata, pois a mulher nasceu pra isso. O que tenho a acrescentar é o esforço em mudar aqui e ali o enredo a fim de surpreender quem leu a HQ. Não acho a narrativa lenta, pois permite um desenvolvimento maior dos personagens. Alguns pontos incomodam realmente, como a cena de queimar os walkers, se arrastou por quase todo o episódio. Uma cena deveria demorar assim, se tivesse um motivo oculto, um plot twist. Mas não, simplesmente queimando o walkers e não acontecendo nada.
    No mais, tem muita coisa pra acontecer ainda e essa é uma das poucas que fico ansioso esperando o proximo episodio.

  5. Carol Graziano disse:

    Eu acho que sou das poucas que gosta justamente do ritmo lento da narrativa! Na minha visão, esse ritmo mostra bem o mundo em que eles estão inseridos, essa dificuldade que é vencer cada dia, cheios de desesperança e angústias sobre o futuro (coisa que esse episódio mostrou muito bem, aliás). O que me mata são esses eventos absolutamente desastrados que eles colocam para agitar as coisas, como essa saída ridícula da Lori logo depois de ela ter recriminado o Rick. Ou seja, me parece que eles se encontram mais nos momentos de lentidão e introspecção do que quando precisam provocar ação.

  6. Davi Garcia disse:

    Assino embaixo, Carol. Você fez um belo resumo das qualidades e do principal defeito da série até aqui.

  7. Paulo França disse:

    Gostei do episódio, mas de fato em alguns momentos ficou meio arrastado. O melhor que vi foi o Rick fritando os 2 forasteiros no aço. rs…

  8. Leo disse:

    Eu curti muito o episódio, mesmo sendo lento. Poderia ser melhor? Sim, mas não é por isso que foi ruim. Quero ver o desenrolar de toda essa confusão da fazenda e dos philly guys. Agora, era pra ficar tenso na cena da Lori? Porque eu só fiz rir da estupidez dela. Como pode ser tão retardada? Expectativas altíssimas pro resto da temporada, espero não me decepcionar.

  9. Wilian disse:

    Eu gostei do episódio. Acho que os motivos da narrativa ser lenta são exatamente esses que a Carol citou no comentário.Além,é claro, de ser uma característica do próprio canal.Vide Mad Men, Breaking Bad e The Killing.
    Também percebi que o Daryl tá virando um novo Sawyer colocando apelidos em todos.

  10. Claudia disse:

    Alguém aqui assiste aquele ‘Talking Dead’ que passa depois do episódio? Eu adoro, E lá o Robert Kirkman já explicou que a lentidão e o foco no drama do mundo caótico (ao invés de ataques de errantes) são propósitos pensados pra série. Ele até brinca dizendo que na HQ ele mata o personagem sem dó, mas que na série é diferente, várias outras coisas em jogo. Gostei muito do texto do Davi. Me estranhou a maneira com que a Carol lidou com a morte da filha, achei diferente. Tbm achei meio sem noção o acidente da Lori, até porque o carro capotou e nem lembraram da coitada no final do episódio ahhahaa. Enfim. esperando o próximo.

  11. Márcio Paz disse:

    Gostei do retorno da série, a sequência final no bar foi excelente. Ri demais daquela cena desnecessária onde um braço de zumbi cai do carro e a Andrea corre pegá-lo.

    Essa lentidão da série eu até entendo, e aprecio, assim como há em todas as séries do AMC – Breaking Bad, Mad Men e The Killing, todas ótimas. Mas sei lá, sinto que ainda falta aquela essência de pós-apocalipse, como em Madrugada dos Mortos, Zombieland, ou até mesmo na excelente HQ na qual a série é baseada.

    Como sempre, review e nota excelentes, Davi!

  12. Davi Garcia disse:

    Obrigado a todos vocês que visitam o Ligado e ajudam a repercutir os episódios. Grande parte da graça de fazer um blog assim é ter a participação ativa de quem lê e também comenta :)

  13. Roberto Carlos disse:

    A cena que o braço cai e Carol corre pra pegar, parecia uma uma cena filmada por Roman Polanski (que sempre filma esses pequenos empecilhos dos atores).

    Esse tipo de cena aliás faz com que acreditemos que eles realmente estão naquele mundo e ainda sim demonstra toda a natureza selvagem na qual a vida de todos se transformou.

    Achei maravilhoso esse episódio.. tirando a já citada cena do acidente. Mal feita e forçada.

  14. Ismael disse:

    Pelo texto principal e comentário vi que não sou eu q sou chato (ao menos não nessa vez) pois o acidente da Lori chegou a dar vergonha alheia. Forçação total de barra.

    Sempre que assisto a série fico pensando em como o mundo pode ter acabado com uma contaminação que só acontece por mordidas. Como não contiveram isso facilmente isolando os zumbis lerdos como são.

    Estou racionalizando demais ? Pode ser, mas isso acontece quando a história é lenta, com furos. Nunca parei pra pensar sobre os furos assistindo o filme Zombieland.

    Battlestar Gallactica tinha muitos furos, mas te recompensava tanto com coisas boas que só muito depois se ia pensar em algo assim.

  15. marcos disse:

    Acho que a saída dela tem a ver com a notícia de que o Shane matou Otis.

  16. Raquel disse:

    Esses hiatos gigantescos atrapalham a emoção das séries, se tivesse sido menor, talvez o episódio tivesse sido mais impactante.

    Duas partes do episódio me tocaram mais.
    *Quando a Carol se recusa a enterrar o corpo da Sophia, ela diz que a filha a muito tempo e com isso ela não passou fome, nem frio… adorei isso. Agora só não sei o que vai ser dela na trama.
    * E a cena final, Rick macho, foi muito bom.

  17. Luiz André disse:

    É engraçado ver a comoção que um simples episódio de The Walking Dead pode acarretar no grande público. Há defensores de um lado e detratores de outro; uns reclamam do ritmo lento da série, outros estão sempre com suas revistinhas à mão a fim de comparar os roteiros da série e da HQ; uns se incomodam com o fato de que certos personagens estão vivos (ainda) e outros porque deveriam estar mortos e enterrados (ou devorados). Não há um ponto de equilíbrio entre a qualidade e os defeitos da série, contudo o público cresce, seja porque há vislumbres em algumas cenas de como ela tem potencial para ser grande (ou além de ser mediana) algum dia, seja por uma espécie de masoquismo televiso, isto é, preciso ver para depois reclamar nos fóruns e comentários internet afora.
    Se esta temporada não mostrar tudo aquilo que prometeu ano passado, creio que os produtores entrarão em uma séria enrascada para manter a história rolando, já que o AMC é um canal pequeno e esta não é uma serie barata.

  18. Rodolfo disse:

    O pior episódio da série até aqui.

  19. Mik disse:

    Eu até tenho uma certa curiosidade com essa segunda temporada, mas se a primeira, que todo mundo baba ovo, eu já achei tão fraca, imagina essa segunda que todos dizem estar irregular? Da primeira só gostei mesmo do piloto e do segundo. O terceiro foi fraco, e o quarto, quinto e sexto eu achei péssimos. E ler esse tipo de opinião negativa não me ajuda nada a ter força de vontade pra retomar a série. Acho que ela vai continuar na geladeira…

  20. Isso aí, esse é o Rick das HQs. Na edição atual, acho que número 93, ele toma decisões na lata, sem pestanejar. O episódio foi morno, mas o desfecho final, com Rick tomando as rédeas para proteger seu pessoal valeu todo o capítulo!

  21. A Lori é a Kate (Lost) de TWD. Ô mulher para se meter em encrenca!

  22. Davi, você é o CARA desde os tempos de Lost, NÓS é que agradecemos sua presença constante aqui no Ligado em Série (que só comecei a acompanhar por causa de ti). Mas vou confessar: estou sentindo falta dos podcasts com você e Juliana. A risada dela é hilária! Como ela anda?

  23. Ni disse:

    Achei o episódio bom! Concordo com muitos a respeito do ritmo lento dos episódios de uma forma positiva. Eu vi tudo de uma vez então não senti o tempo de espera para o próximo episódio, mas acho que a proposta da série sempre foi algo a mais do que uma ação boba com zumbis atacando. Ela tem toda uma reflexão da sociedade e dos valores morais, e acho que esse é o diferencial da série. Mas vale concordar que a Lori foi muito burra ao sair sozinha atrás do Rick.

    E é tão gratificante ver um personagem parecido com o Sawyer (Lost), ele era ótimo! E entrando na onda de comparar TWD com Lost o Glenn lembra muito o Hurley, talvez pq ele é sempre atencioso e o mais tranquilo do grupo.

  24. Alvani disse:

    i am delighted with your impressive words. please keep posting these awesome articles.http://www.imobiliariasdeimoveis.com

Deixe uma resposta

ss