Crítica | Gotham 1×07: Penguin’s Umbrella
Crítica | Gotham 1×07: Penguin’s Umbrella

Crítica | Gotham 1×07: Penguin’s Umbrella

gotham-1x07

[com spoilers do episódio 1×07] Bem-vindos ao drinking game de Gotham! Reúnam seus amigos, suas amigas, suas famílias (talvez não aquele tio que usa o álcool como escapismo), suas garrafas de destilados e aproveitem quarenta minutos de pura e saudável diversão etílica! As regras são simples: vou colocar abaixo alguns itens relacionados à série e, cada vez que Penguin’s Umbrella se valer de um deles, vocês tomam uma dose, enchem o copo e ficam aguarando o próximo. Preparados? Copos a postos? Garrafas e portas dos banheiros abertas? Pois bem, então tomem uma dose toda vez que:

Penguin’s Umbrella ignora completamente o episódio anterior (ex.: após ter em mãos os três envolvidos na tentativa de assassinato do Pinguim no final de Spirit of the Goat, os detetives simplesmente deixam todo mundo ir sem fazer nada).

– Gordon é salvo no último segundo por alguém ou alguma distração (ex.: policiais desatentos. Afinal, por que policiais haveriam de ser atentos, certo?).

– Barbara surge apenas como uma possibilidade de atingir Gordon, mesmo que a série não invista no romance e ambos pareçam tão estranhos um ao outro que, quando Gordon chegou no apartamento armado, achei que ele ia atirar na barbara e dizer aos capangas de Mooney “essa foi por pouco, amigos” (ex.: o final nem um pouco previsível).

– Fish Mooney e Nikolai reescrevem o verbete da Wikipédia sobre “estupidez” (ex.: conversa no pé do ouvido e mãozinha na bunda mesmo estando no campo de visão de Falcone).

– Fish Mooney não age como uma caricatura e Jada Pinkett Smith consegue descerrar os dentes (ex.: não encontrado).

Penguin’s Umbrella tira um deus ex-machina da cartola para seguir em frente (ex.: uma personagem conseguir de repente e sem esforço nenhum mandados de prisão em branco mas já assinados por algum juiz).

– A corrupção em Gotham arrebenta a marretadas o limite da caricatura e se torna tão ridícula que consegue agredir fisicamente o espectador (ex.: um criminoso mandar uma legião romana de policiais saírem da delegacia e eles obedecerem).

– Um clichê é desovado no episódio (ex.: o herói machuado que se recusa a descansar para ir atrás dos bandidos).

– Um clichê patético se une a uma tentativa de cena dramática e é desovado sem fazer sentido nenhum (ex.: o herói ir até a casa de um garoto para um momento de “catarse” que acaba em um abraço embaraçoso – não tão embaraçoso quanto a trilha, mas embaraçoso).

– O futuro vilão manipulador mostra que sua grande genialidade se resume a pagar um salário maior (ex.: capangas mudando de lado).

– Um diálogo expositivo é pronunciado para tentar justificar algo que não pode ser justificado (ex.: o herói se esconder na própria casa e o parceiro aparecer de repente e comentar que os vilões não procurariam ali por ser muito óbvio).

– O ator principal esquecer eventualmente de alguma condição física de sua personagem (ex.: mancar).

Penguin’s Umbrella lança uma “reviravolta surpreendente” e tenta justificar ela entregando só agora os elementos que deveria ter entregue antes para que a cena fosse crível (ex.: um flashback aos 46 do segundo tempo).

Bem, aí estão os dados necessários para a rodada. Boa sorte a todos. Mas aqui vai uma dica: se beberem as doses antes do episódio começar, fica mais fácil de chegar até o final.

1star

8 comentários

  1. Reginaldo

    Desculpe amigo, mas quem passou do limite foi você. Toda série tem seu clichê, o que conta é saber usa-los e Gotham vem fazendo isso de forma formidável. Nesse site só vejo críticas desfavoráveis a série. Acho melhor para de assitir se não gosta dela e deixar a mioria que gosta julgar por di mesma.

  2. Thais

    Não to vendo nenhuma imparcialidade nas críticas do Gotham, melhorem.
    E o seriado não é sobre o Batman e sim sobre a cidade de Gotham e seus crimes, vcs queriam que mostrassem o que?
    fala sério ne

  3. Leonardo Oliveira

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK BOOAAAA! Uma das melhores críticas sobre a série que já li! Que seriadinho mais vagabundo esse, viu ? pelo amor de deus. cancelem essa bomba! a única coisa que se salva nessa bagaça é o visual da cidade. O resto é da pior “qualidade”.

  4. fred

    as criticas estão pessimas.
    1-os personagens estão caricatos mas isso retrata bem o mundo HQ e na minha opnião é muito interessante pois sai daquele marasmo tradicional dos roteiros
    2-a critica do episodio 7 parece estar vindo de um pré adolescente hipster que vestiu a camiseta da serie ser um lixo e não importa o que aconteça continuara ridicularizando a serie
    3- O episodio 7 foi muito bom pois interligou episodios anteriores ( nao foi uma manobra genial do roteiro, mas demonstra reação na serie)
    4- acho ridicula a postura que alguns “criticos” tem tentando manter o nivel pseudointelectual de suas criticas.

  5. tgouveia

    Coloquem outra pessoa pra redigir críticas, este rapaz és um fanfarrão! Se não gosta da Série, desista, não existe nada no mundo que possua 100% de agradabilidade!

Deixe um comentário