Crítica | Homem-Aranha: Sem Volta Para a Casa é o filme mais maduro e ousado do herói
Crítica | Homem-Aranha: Sem Volta Para a Casa é o filme mais maduro e ousado do herói

Crítica | Homem-Aranha: Sem Volta Para a Casa é o filme mais maduro e ousado do herói

Logo após ter sua identidade exposta ao mundo por J. Jonah Jameson (J.K. Simmons) em Longe de Casa, Peter Parker (Tom Holland) vê sua vida e a de seus entes queridos desmoronarem devido às acusações de que o Homem-Aranha teria matado o “heroi” Mysterio (Jake Gyllenhall) e, por isso, decide pedir ajuda a um entediado Stephen Strange (Benedict Cumberbatch) para criar um feitiço que faça o mundo esquecer o real nome do teioso. Isso, como já vimos nos inevitáveis trailers, teasers e sneak peeks, e também já amplamente antecipado por WandaVision e Loki, graças ao controle perfeito do MCU por Zé Boné (Kevin Feige), abrirá de vez o Multiverso, trazendo infinitas possibilidades para esta fase pós-Ultimato.

Amadurecimento do Homem-Aranha

Mais do que um mero capítulo que pode utilizar as diversas propriedades intelectuais à disposição de Sony e Marvel para fazer uma eterna lista de name-dropping (o que o faz, mas com propósito), Sem Volta Para a Casa representa, indiscutivelmente, o grande ponto de virada na jornada desta versão do personagem, iniciada em Capitão América: Guerra Civil e intensificada após criar fortes laços com MJ (Zendaya, espetacular) e Ned (Jacob Batalon) e perder o mentor Tony Stark (Robert Downey Jr.).

Aqui Peter encontra a sua maior provação pessoal, não apenas por ter que enfrentar vilões de outros universos (mais sobre isso em instantes), mas por finalmente ter que encarar todo o peso e a responsabilidade inerentes a uma pessoa com poderes neste mundo e saber lidar com as consequências inevitáveis e irremediáveis de suas obrigatórias escolhas.

Velhos Conhecidos

É claro que o grande trunfo e o maior conflito de Homem-Aranha: Sem Volta Para a Casa está no “retorno” (assim digamos) de velhos conhecidos do público das iterações anteriores, mas com a engenhosidade e sagacidade da dupla Pascal/Feige de conseguir o acordo que envolvesse os mesmos intérpretes. Assim, ainda que não seja surpresa para os espectadores, a volta de Octo Octavius (Alfred Molina), Norman Osborn (Willem Dafoe), Max Dillon (Jamie Foxx), Curt Connors (Rhys Ifans) e Flint Marko (Thomas Haden Church) permite não só aos roteiristas, mas também aos atores, a dar novos contornos a essas figuras.

Óbvio que entrar de forma mais profunda na bem-costurada trama inevitavelmente me obrigaria a revelar detalhes que não vou, mas o que posso dizer é que todos os vilões, mas em especial Dr. Octopus e o Duende Verde, possuem funções cruciais no longa e, no caso de Dafoe, em um de seus melhores momentos em tela.

Um Espetáculo Ousado e Emocionante

Feito para ser visto nos cinemas (com máscaras, galera), Homem-Aranha: Sem Volta Para a Casa é um dos maiores espetáculos visuais do MCU e capaz de evocar sentimentos marcantes e catárticos, que são potencializados pelo alto calibre de todo o elenco – do mestre Benedict Cumberbatch à multitalentosa Zendaya (Euphoria), mas com uma grande menção a Tom Holland, que faz aqui a melhor interpretação de sua carreira. Todos os personagens do longa, sem exceção, são bem delineados e possuem motivações claras, aproximando ainda mais o espectador dos momentos de alegria, drama, surpresa e tristeza – todos estes presentes de forma coesa e sem jamais soar maniqueísta.

Curioso notar, inclusive, a dimensão que o subtítulo “Sem Volta Para a Casa” tem após os eventos do longa e o que isso significa não apenas para o heroi, como também para todos os que estão de alguma forma conectados nesta teia intrincada que se tornará a próxima fase do MCU.

Seguindo o pedido do próprio trio protagonista de não dar spoilers sobre a nova aventura do Aranha, o que posso dizer aqui sem qualquer ressalva é que Homem-Aranha: Sem Volta Para a Casa é uma experiência única, intimista, ousada e que agradará todas as gerações de fãs do amigo da vizinhança, independente do que esperavam. Saí extasiado da exibição de imprensa e já comprei ingresso para ver tudo de novo e sair novamente do cinema com um sorriso no rosto.

Há duas cenas adicionais, uma durante os créditos e uma ao final contendo um teaser de Doutor Estranho no Multiverso da Loucura. Ambas com muitos spoilers.